Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

do mau perder e das obsessões

01.07.13

 

 

 

 

Decidi-me pela SIC para o telejornal da noite da demissão de Vitor Gaspar. Apanhei com o cronista Tavares do Expresso (quase que me arrependi) e com o inefável anti-PPPs-e-demais-biliões-de-corrupção, Gomes Ferreira. Já os conhecia, dos tempos lurditas d´oiro, com um básico registo anti-professores. Não me admirei que tivessem colocado as greves dos professores no epicentro da demissão do dia, embora divergissem na importância da acção executiva do ex-ministro (mais à direita o jornalista do "negócios da semana").

 

Aceitava-se que considerassem como simbólica a acção dos professores na queda e até se esperava que propusessem qualquer coisa como "(...)não faltará muito para Portugal agradecer aos professores por mais esta lição de cidadania. Serão mais 115 mil comendadores com a ordem da Espada à Cinta.(...)". Mas não, claro. Nem o cronista M. S. Tavares que considerou Vitor Gaspar como uma tragédia; enfim.


Gomes Ferreira foi aos números e escandalizou-se com os 150 milhões anuais que custará a greve dos professores. Diz que se terá de contratar mais 3.000 professores a 30 mil euros anuais cada um. Gaguejou um bocado, naturalmente. É que mesmo com 14 salários, o rendimento bruto de cada um andará entre os 18.000 e os 20.000 euros. Mas mais: duvido muito que sejam contratados mais 3000 professores, mas mesmo assim o suposto investimento de cerca de 100 milhões (é bom não esquecer que estes novos contratados só se efectuarão com a reforma de cerca de 6.000 professores com salários mais elevados e isso será redução de despesa, mas enfim), que é despesa para Gomes Ferreira, será uma migalha no meio dos biliões de corrupção, swaps incluídos e agora omitidos, que denuncia todos os negócios da semana. Estranhos, ou nem tanto assim, estes critérios: é mau perder ou obsessão.



4 comentários

Comentar post