Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

do depois (com desculpas)

19.04.13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Encontro um assunto interessante noutro blogue, faço um post com um comentário inicial e a respectiva ligação, temporizo a publicação para outra altura e esqueço-me. Quando o reencontro está, por norma, desactualizado e, como aconteceu hoje, é publicado na versão rascunho; peço desculpa.

 

Em 25 de Julho de 2012 li uma discussão sobre o pós-Nuno Crato.

 

Talvez nem se acreditasse que o ministro se mantivesse tanto tempo nas funções. À medida que o tempo passa, o legado resume-se assim: achamentos curriculares, desconhecimento aflitivo do "terreno" e completa cedência a um mundo da finança (já deve estar baralhado também aí com as falhas comprovados dos "génios" financeiros que o tutelaram) que esburaca o regresso a um abandono escolar imprevisível há poucos anos. O retrocesso civilizacional que se acentua nas humanidades e nas artes já não passa despercebido.

 

Na altura, comentei mais ou mesno assim essa espécie de depois:

 

"É uma discussão importante. O ruído estabelece-se por causa da inevitável fulanização. Defendo que o back to basics consiste na eliminação da má burocracia e do rol de inutilidades que foram tirando o oxigénio às escolas portuguesas há mais de uma década. Para ser mais detalhado, direi que isso não está ao alcance de info-excluídos (só isto dava para imensos caracteres)"