Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

das empresas e das pirâmides

24.02.13

 

 

 

 

 

 

Imagem sem referência a direitos de autor.

 

 

 

Quando alguém quer dar mais crédito ao discurso sobre cultura organizacional invoca o substantivo empresa. Este empreendimento de difícil execução com fins lucrativos ocupa o lugar cimeiro na imagem de mercado deste tipo de saberes. Todos os modelos organizacionais devem, se querem ter poder legislativo, adaptar-se à pirâmide empresarial.

 

Os organigramas piramidais apenas oscilam no número de patamares. Os modelos tayloristas (com muitos e rígidos patamares) suavizaram-se com as ideias de empowerment (negociação de decisões) e downsizing (achatamento do modelo). E porquê? Porque o topo percebeu que estava longe da primeira linha e que perdia o controlo imediato (a tão famigerada informação de retorno imediato (feedback)) da frente de produção com prejuízo significativo para a empresa.

 

Podemos afirmar que é a imposição empresarial piramidal que acentua a crise que parece acompanhar as organizações escolares. E porquê? Porque a primeira linha das escolas é uma sala de aula que só existirá enquanto garantir a liberdade de ensinar e de aprender e, como se comprova, de dificílimo feedback. Se perder o axioma poderá existir, mas não será uma sala de aula de dimensões humanas.

 

Nesse sentido, devemos considerar que o organigrama das escolas deve ser de geometria variável, construído com fundamentos teóricos e empíricos e não fotocopiáveis. Na escola, tudo começa e acaba na sala de aula e o que gira em torno da sua existência só tem um sentido: melhorar as condições de realização de cada uma delas.

 

Aos ultraliberais que impõem às escolas os pirâmides empresariais, não chega socorrerem-se de Adam Smith e da sua divisão do trabalho. O pai da economia política referia-se a fábricas de alfinetes e não a organizações produtoras de conhecimento sem fins lucrativos imediatos.

 

 

 

 

 

 

Adam Smith (2010:80) em Riqueza das nações, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.