Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

dinheiros públicos, vícios privados (2)

01.12.12

 

 

 

 

 

 

 

Depois de ter visto o anúncio, encontrei no site da TVI a seguinte sinopse:.

 

 

"PRÓXIMO PROGRAMA: "Dinheiros Públicos, Vícios Privados - 3 de dezembro de 2012

 

"São colégios privados, totalmente financiados pelo estado, ou seja, pagos por todos nós. Só este ano receberam de financiamento, qualquer coisa como 25 milhões de euros.

Foram construídos de Norte a Sul do país, onde supostamente, as escolas públicas já não podiam receber mais alunos. Mas, na realidade o que uma equipa da TVI encontrou no terreno é completamente diferente.

Fomos encontrar escolas públicas subaproveitadas, com salas vazias, à espera de alunos que foram transferidos para os colégios privados. O «Repórter TVI» mostra-lhe também um retrato do que se passa nesses colégios, com professores a serem ameaçados de despedimento, denúncias de manipulação de notas, professores que se sujeitam a humilhações. Ao todo são 26 colégios, todos do Grupo GPS, que tem como consultores, deputados e Ex-Secretários de Estado que depois de deixarem o cargo, passaram a trabalhar para o grupo.

«Dinheiros Públicos, Vícios Privados» é uma reportagem da jornalista Ana Leal, com imagem de Gonçalo Prego e montagem de Miguel Freitas."

2 comentários

  • Compreendo o seu desalento. Como diz que é professora numa cooperativa de ensino, e como se esforça tanto, é natural o seu desânimo e apreensão. Ninguém gosta de ver a instituição onde trabalha nestas condições, mais ainda se exerce a sua actividade com profissionalismo.

    Mas não está a ser justa com as escolas do Estado.

    Não sei por onde tem andado, mas já leccionei em mais 13 escolas do norte a sul do país, ao longo de cerca de 30 anos e em todos os ciclos de escolaridade, e encontrei uma legião de professores e de outros profissionais a "massificarem" o ensino sabe-se lá em que condições. Podia ficar a noite toda a testemunhar a verdadeira dedicação à causa, que foi muito para além do exigível.

    Escreve: "(...)Falam falam… que os professores do público deveriam ir para o privado/cooperativo, mas estariam dispostos a fazer 200 km por dia, a gastar este valor em combustível, ter 500 alunos e no fim apresentar excelentes resultados?(...). É isto que defende como padrão de qualidade?

    Desculpe, mas os números que apresenta não estão correctos.

    Tenho num post mais abaixo o seguinte:

    "(...)E por que é pessoas informadas na actual maioria estão tão desesperadas?

    Em primeiro lugar, porque os últimos estudos e relatórios não ajudam os seus propósitos como esperavam.

    O derradeiro, encomendado pelo MEC, apresenta, de forma resumida, os seguintes números para o investimento médio por turma: 70000 euros nos 2º e 3º ciclos do ensino básico e 89000 euros no ensino secundário (apura-se um valor médio de 76000 euros) nas escolas do Estado e 85000 euros nas escolas cooperativas. Ou seja: nos 2º e 3º ciclos do ensino básico o custo por turma nas escolas do estado é inferior em 15000 euros em relação ao das cooperativas.(...)"
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.