Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

rankings na primeira página do expresso

13.10.12

 

 

 

 

 

 

Deixem-me sorrir um bocado: não tarda e estamos a implorar o regresso dos professores que fugiram com penalizações e que foram empurrados pelos descomplexados competitivos.

 

No caso português, nunca devemos esquecer a agenda de descredibilização das escolas públicas e dos seus professores e as "impossibildades" criadas com a gestão escolar e com os agrupamentos de escolas.

 

Sempre que leio as conclusões do rankings de escolas, como as da primeira página do Expresso, recomendo o seguinte algoritmo:

 


A escolha da escola, e a natureza desta, parece ser mais um dos algoritmos do momento. O nosso sistema escolar caminha de forma circular e em estado de permanente alteração. Parece contraditório, mas são só parecenças. Há uma década que a voragem se instalou e foi premonitória para o estado de desorientação em que estamos.

 

formulação que a seguir volto a apresentar, e que escrevi há uns dois anos, parece-me sempre oportuna.

 

 

A história dos sistemas escolares evidencia: sociedades com mais ambição escolar e com meios económicos que a sustentem atingem taxas mais elevadas de sucesso escolar. É irrefutável. Podíamos até atribuir a essa condição uma percentagem próxima dos 90%. Ou seja: se conseguíssemos sujeitar 100 crianças a uma escolaridade em duas sociedades de sinal contrário, os resultados seriam reveladores. Deixemos esta responsabilidade nos 60% para que sobre espaço para os outros níveis.

 

Se testássemos 100 alunos em escolas com organizações de níveis opostos mas na mesma sociedade, esperar-se-iam resultados diferentes. Todavia, essa diferença não seria tão acentuada como no primeiro caso. As condições de realização do ensino (clima escolar, disciplina, número de alunos por turma e na escola, autonomia da escola, desenho curricular, meios de ensino) devem influenciar em 30% e são mais significativas do que o conjunto dos professores.

 

Se 100 alunos cumprissem duas escolaridades com 100 professores diferentes, os resultados deveriam oscilar muito pouco. É neste sentido, abrangente, histórico e generalista que se deve considerar os 10% atribuídos aos professores.

 

É também por isso que pode ser um logro absoluto que uma sociedade com baixos níveis de escolaridade consuma as suas energias à volta do desempenho dos 10% ou sequer se convença que basta mudar o conteúdo físico ou contratual dos 30% para que tudo se resolva. A componente sociedade é decisiva e se fecharmos bem os olhos podemos até considerar que 60% é um número por defeito. Mas mais: por paradoxal que pareça, sem os 10% nada acontece e não há ensino.

 

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    ana

    13.10.12

    Isto não merece mais posts, Paulo, sob pena de parecer uma telenovela mexicana.

    O Paulo Guinote publicou o ranking do Jornal de Notícias, aparentemente mais completo, pois apresenta os dados por cada disciplina de exame.

    Aí a minha escola realizou 100 provas a Português e 102 a Matemática, o que totaliza 202 provas e não as 102 que o Expresso avançou.
    Mesmo aquém da realidade, não estranho que o número de provas realizadas, divulgado pelo Jornal de Notícias, seja diferente nas duas disciplinas, pois houve alunos que realizaram prova de Português Língua Não Materna e que, pelos vistos, não terão sido contabilizados.
    O que estranho é que entre a posição no ranking e as médias obtidas, pelos dados dos dois jornais (mesmo fazendo a média das duas posições que a escola obteve no jornal que apresenta as duas disciplinas), o baile da escola para cima e para baixo seja tão grande!
    Quem dá mais, quem dá mais???

  • Sem imagem de perfil

    ana

    13.10.12

    Referia-me apenas aos números do 6º ano.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.