Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

fasquias

11.07.12

 

 

 

 

Por muito que se critique o corporativismo, não duvidemos: as classes profissionais estão irremediavelmente sós e quem tem preenchido o arco governativo tudo fará para as precarizar. Hoje ficou a saber-se que a classe médica navega em tarefeiros e resolveu dar um justo, e bem audível, murro na mesa em defesa do serviço nacional de saúde.

 

Hoje também se conheceram as propostas de revisão do contrato colectivo de trabalho dos professores com vínculo a escolas abrangidas pela Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo.

 

As propostas apontam para a redução de vencimentos, "através da aprovação de uma tabela que estabeleça valores mínimos de retribuição abaixo dos que vigoram", para o congelamento das carreiras "deixando apenas em aberto as excepções referentes a regimes transitórios (relativas a docentes que se encontram há mais de sete anos sem qualquer progressão em níveis que têm a duração de apenas quatro)", para a alteração do regime de horário e para que "seja omitida qualquer referência a regras de organização dos tempos lectivos, o que, a acontecer, poderia dar lugar aos mais variados abusos". 

 

É o tipo de estatuto que se quer impor como fasquia da reforma estrutural em curso.