Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

semântica da desesperança

18.06.12

 

 

A última semana ficou marcada pela fraca adesão dos professores contratados (e noutras condições, claro) numa manifestação em Lisboa. Note-se que estamos também a falar de pessoas que estão há mais de uma década nessa condição.

 

Há várias explicações para o fenómeno.

 

Os tempos são de individualismo e de salve-se quem puder e a isso não escapam os professores. Há muito, pelo menos desde a década de setenta do século passado, que ouço dizer que já não há empregos para a vida. Normalmente, os assinantes dessa novidade eram, e são, pessoas bem instaladas dentro de oligarquias.

 

Por outro lado, desde meados da década de oitenta que a profissionalização dos professores entrou em plano inclinado.

 

Ninguém contestará que o sucesso dos sistemas públicos ocidentais se conseguiu à volta de carreiras de funcionários públicos admitidos após provas públicas. Tudo isso já se esboroou, com consequências no apoio aos idosos, na educação das crianças e nas taxas de natalidade.

 

O que se desenha para os professores contratados, a exemplo da maioria das cooperativas de ensino, é mais um passo em frente rumo à precariedade e aplaudido pelos descomplexados competitivos que têm desregulado os contratos de trabalho e a harmonia social.

 

Há, por fim, um argumento que me parece decisivo. Nos últimos anos, a situação dos professores contratados foi usada até à exaustão como tábua de salvação negocial entre governos e sindicatos. Tenho ideia que só uma minoria desses professores conseguiu, na avaliação do desempenho, por exemplo, um exercício arriscado de responsabilidade individual.

 

Haverá, portanto, muita gente envergonhada e descrente nos poderes formais.

 

É bom que se olhe para este problema. Não há sistema escolar que resista em ambiente emparedado na realidade sem esperança ou na esperança sem realidade e constituído por professores exaustos e em estado de profunda desesperança.

 

 

Protesto de professores com pouca adesão

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.