Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

novidade?

05.05.12

 

 

Basta estarmos com atenção ao que nos rodeia para certificarmos a institucionalização do laxismo cívico, da pequena corrupção, do deixa-me-estar-sem-fazer-ondas-a-ver-se-me-safo e, como cereja em cima do bolo, na convivência ou condescendência humorada com comprovados caciques e politicamente delinquentes. Confundimos amiúde tolerância com falta de determinação e dever cívico com radicalismo ético. Somos um bocado baralhados.

 

Depois é só aumentar a escala, desenhar o país e sorrir com o leque de posições através desse caso Pingo Doce em que pobres combateram com pobres, literal, e ainda há pensadores que se refugiam nas filas de trapos ou de gadgets tecnológicos para um safanço sociológico da nação. Somos assim: nas manifestações, nas greves, nas tomadas de posição, na afirmação da cidadania e na veneração à corrupção e aos instintos totalitários. Estamos sempre preparados para apontar o dedo a quem protesta e para duvidar dias-sem-fim dos corruptos encartados que, e normalmente, até são absolvidos pelo voto.

 

O que é que podia ser ainda pior?

 

Justiça vulnerável à corrupção 

 

Portugal "chumbou" num estudo sobre combate  à corrupção. Há falta de vontade política, excesso de tolerância e incompetência. "Portugal é vulnerável à corrupção" e entre aquilo que a lei determina como formas de a combater e a prática das instituições "há uma enorme disfunção". Motivos? Há vários e nenhum deles abonatório para o país: incompetência, uma cultura cívica demasiado permissiva e, como cereja em cima do bolo, "uma enorme falta de vontade política".(...)"

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.