Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

cultura de agrupamento

06.05.12

 

 

 

modismos que têm contribuído de forma decisiva para os mais nefastos atavismos do nosso sistema escolar: a má burocracia e a inundação de procedimentos inúteis. Em regra, as ideias e os instrumentos que se generalizam no universo organizacional têm como ponto de partida a má didáctica que é utilizada por quem tem de fazer gestão escolar nos diversos patamares, mas que nada sabe de sistemas de informação. E depois é como no ensino: só se ensina o que se sabe.

 

Os modismos mais recentes, duas a três décadas, têm nome (e podia ficar a tarde toda a elencar): interdisclinaridade, projecto curricular (e com uma série interminável de apêndices), projecto educativo (sem sociedade e com visão e missão), comunidade educativa (sem sociedade), articulação (em diversos planos) e cultura de agrupamento.

 

Apesar do legislador estar afastado do terreno, nota-se que aprendeu alguma coisa com os fracos resultados verificados nos agrupamentos de escolas em pouco mais de uma década. Pelo menos a semântica evoluiu no sentido de eliminar a impensada ideia de cultura de agrupamento (há quem diga que este modismo foi herdado das multinacionais tayloristas), substituindo-a por agregação ou unidade administrativa.

 

É que as nossas escolas, algumas com décadas, têm história. Dirigem-se a grupos de alunos de idades muito diferentes, têm percursos escolares diferenciados e caminhos organizacionais elaborados ao longo de anos de trabalho árduo. Uma agregação ou unidade administrativa deve respeitar a autonomia pedagógica das diversas escolas e não terraplenar a história de cada uma delas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.