Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

faço greve em defesa dos "não competitivos"

21.03.12

 

 

 

 

Alguém disse, e concordo, que a democracia e a revolução foram substituídas pela competitividade e pela mobilidade. A análise desta afirmação é muito interessante.

 

Vivo num país em regime de falência, em que as PPP´s e por aí fora se mantêm incólumes apesar de terem delapidado financeiramente o país e porque quem Governa considera que os funcionários públicos devem pagar a fatia maior com excepção dos que podem fugir para o sector privado - os competitivos da CGD, da TAP e de sei lá mais o quê.

 

Não sei identificar com rigor se estamos perante uma luta de classes. Há muitos que o afirmam de forma bem sustentada. Sei que existe uma minoria que parece enriquecer como nunca. Dizem-nos que são gananciosos. Por outro lado, os portugueses, enquanto empobrecem a uma velocidade impensada, têm sido considerados anestesiados e muito compreensivos por parte da opinião publicada. O que lhes resta, afinal? Como podem lutar e manifestar a sua indignação? Se se manifestam é porque é mais do mesmo, se fazem greves de um dia é porque são insuficientes, se fazem greves de mais dias é porque são irresponsáveis, se são bloggers são elitistas e podia estar aqui a noite toda a elencar as verdadeiras anestesias.

 

Há quem diga que a Europa mergulhará numa explosão social. Tenho ideia que poucos o desejam e incluo-me nos que preferem a democracia, a liberdade e o progresso e quando faço greve não hipoteco o meu registo a quem a convoca.

 

Fiz imensas greves e raramente anunciei a decisão antecipadamente. Hoje quebrei o compromisso democrático.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.