Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

horários zero

13.09.11

 

 

 

As notícias são contraditórias: há alunos que anularam as matrículas nas escolas privadas e aumentou o número de professores sem serviço lectivo nas escolas do estado. A estranha incoerência tem explicação. A fuga às escolas privadas é simples: tem uma vertente económica. Em tempo de crise não há dinheiro para propinas. O aumento do número de professores sem serviço tem outra explicação. Não é porque se tenha reduzido a carga horária dos alunos, embora num ou noutro grupo disciplinar haja menos serviço lectivo decorrente das últimas alterações curriculares.

 

O facto é que desde de 2003 que aumentou significativamente o número de escolas cooperativas (onde é o estado que paga). Muitas dessas escolas foram construídas à revelia de lei, em clima de excesso de oferta e na pior lógica das PPP´s. Grande parte das turmas que as frequentam tinham lugar nas escolas do estado e originam os horários zero de professores com mais de 20 anos de serviço e a impossibilidade de se renovarem milhares de contratos. O estado duplica a despesa e a situação tornou-se insustentável.

 

Há muitos concelhos onde o poder municipal, associado a outros stakeholders, se comprometeu com esta situação. Usam as possibilidades que a lei lhes oferece (agrupamentos de escolas, transportes escolares e novo modelo de gestão) para enfraquecerem a imagem das escolas do estado e garantirem a sobrevivência das escolas cooperativas. Se fosse possível estudar, nesses concelhos, a degradação da imagem das escolas do estado junto das comunidades nos últimos 7 a 8 anos, as conclusões seriam concludentes no sentido que acabei de enunciar.

 

(1ª edição em 25 de Agosto de 2011;

a data da 1ª publicação é significativa; para que conste) 

13 comentários

Comentar post