Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

uma síntese (reedição)

10.10.08

 

Têm sido umas semanas cansativas e hoje estou particularmente saturado. Não queria este tipo de desassossego, confesso. Desejo agitar-me de modos diversos. Estar, e continuar, em rede num momento como este, é um imperativo cívico.

 

Não me lembro de ter visto tantos programas - jornais, entrevistas e debates - televisivos. Quando perdia algum, ia procurá-lo nos vídeos dos sítios na internet dos canais televisivos. Os mails tiveram entradas inéditas. Descobri blogues: alguns passaram a receber a minha visita frequente.

 

Nem sei o que vem por aí, durante a semana logo se vê, mas espero voltar a um ritmo mais próximo daquele que tento incutir nos meus alunos: diversificação de tarefas.


Amanhã. volto ao ginásio e ao cinema: No Vale de Elah, de Paul Haggis, é o escolhido.

 

"As minhas leituras", de José Luiz Sarmento, é um blogue que passei a frequentar. Num tempo em que os professores portugueses vivem o seu dia seguinte, encontrei por lá a seguinte síntese:


"Quero reformas, já!

Primeira reforma: reduzir drasticamente o colete de forças burocrático que torna quase impossível o ensino.


(Mas esta, a ministra nunca a fará, porque para isso teria que desmantelar a maior parte dos organismos do Ministério e com isso muita gente ia perder poder).


Segunda reforma: tirar aos cientistas da educação o poder de impor administrativamente as suas teorias e dar liberdade às escolas para adoptarem a filosofia educativa que entenderem, de forma a que não se infantilizem os alunos e não se desvalorize o conhecimento.


(Mas esta, a ministra nunca a fará, porque o eduquês é já uma indústria que move milhões).


Terceira reforma: reprimir fortemente o incivismo, que destrói a paz necessária ao ensino e à aprendizagem.


(Mas esta, a ministra nunca a fará, porque vai mexer no lumpen e o governo tem quase tanto medo do lumpen como dos banqueiros)".

 

 



José Luiz Sarmento tem aqui uma prosa notável a que chamou de "Intifada". Vale a pena ler.

 

 









(Reedição. 1ª edição em 10 de Março de 2008.
Quer ler o que já escrevi sobre educação?
Clique aqui.)