Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

editorial (6)

12.04.11

 

 

 

 

Candidatei-me sempre ao exercício de uma função pública pela positiva Ou seja, nunca me propus ao que quer que fosse para evitar a vitória de outra pessoa. Já passei por situações exigentes nesse domínio e consegui aguentar-me.

 

Tento votar com o mesmo espírito, mas nas próximas legislativas vou ter como prioridade que o actual chefe do governo de gestão perca. Como professor tenho mais do que argumentos para isso e como cidadão também.

 

Basta pegar naquele quase fascismo por via administrativa que se denominava por avaliação do desempenho para arrumar a questão. E se estou a sobrevalorizar o assunto a culpa não é toda minha. O chefe do PS e antigos presidentes da República consideraram, em tempos recentes, a suspensão do modelo como um motivo para a demissão do governo ou para explicar a bancarrota técnica do país.

 

Por outro lado, suspeito que o ainda chefe do governo se bate até à exaustão por regimes de fingimento. Não conheci farsa maior do que o modelo de avaliação que se quis impor. Se havia dúvidas sobre a obstinação doentia do chefe do PS, elas dissiparam-se.

 

Pressinto que ninguém o demitiu de primeiro-ministro e que tudo não passou de uma simulação; qual chumbo do PEC 4 qual quê. O que esteve em causa foi toda a encenação à volta da não perda da face de quem falhou mergulhado num mar de inverdades e de taticismos. E se alguém consegue fazer isto ao futuro do seu país, não merece a mais ínfima confiança.

4 comentários

Comentar post