Em busca do pensamento livre.

Quinta-feira, 31.08.17

 

 

 

Apesar da ubiquidade dos media, uma pessoa lá se afasta umas semanas do turbilhão na esperança de que a distância e o silêncio aumentem o grau de inteligibilidade. Contudo, o regresso continua a trazer perplexidades. Não tanto o tragicómico Trump - só a sua aparição no ecrã põe o mundo a rir para embaraço norte-americano - mas principalmente o terrorismo, as mortes e as tragédias lusitanas. Por cá, os fenómenos mortais são provocados por incêndios - pela incapacidade, com décadas, dos poderes políticos (central, regional e local) em cuidar de valores preciosos como a organização e a gestão do território (para cúmulo, a plateia substituiu os culpados: dos pirómanos da aldeia passou-se para a máfia organizada) - e pela queda de um carvalho. Não se belisque. Foi mesmo isso. Sim, uma árvore caiu e matou mais de uma dezena de pessoas e deixou umas cinco dezenas de feridos. E não se pense que aconteceu numa área vastíssima ou por acção de um tufão. Foi numa ilha (741 km²) tutelada pelos Governos central e regional. No caso (um parque), havia ainda a supervisão de uma Câmara Municipal, de uma Junta de Freguesia e de uma instituição religiosa; será o ministério público a apurar "a eventual responsabilidade". E, ao que consta, o dia esteve solarengo e sem vento e há muito que os avisos técnicos alvitraram a possibilidade da queda: a árvore estava oca. E é isto. Afinal, sem novidades. Ninguém tinha a incumbência de zelar pela verticalidade e conteúdo das árvores de grande porte. É um sossego, realmente.

 

2ª edição

 

IMG_0132

 

 algures no Oeste de Portugal continental

dia de praia perfeito

Agosto de 2017



publicado por paulo prudêncio às 18:10 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 19.08.17

 

 

 

Apesar da ubiquidade dos media, uma pessoa lá consegue afastar-se umas semanas do turbilhão na esperança que a distância e o silêncio aumentem o grau de inteligibilidade. Contudo, o regresso continua a trazer perplexidades. Não tanto o tragicómico Trump - só a sua aparição no ecrã põe o mundo a rir para embaraço norte-americano - mas principalmente o terrorismo, as mortes e as tragédias lusitanas. Por cá, os fenómenos mortais são provocados por incêndios - pela incapacidade, com décadas, dos poderes políticos (central, regional e local) em cuidar de valores preciosos como a organização e a gestão do território (para cúmulo, a plateia substituiu os culpados: dos pirómanos da aldeia passou-se para a máfia organizada) - e pela queda de um carvalho. Não se belisque. Foi mesmo isso. Sim, uma árvore caiu e matou mais de uma dezena de pessoas e deixou umas cinco centenas de feridos. E não se pense que aconteceu numa área vastíssima ou por acção de um tufão. Foi numa ilha (741 km²) tutelada pelos Governos central e regional. No caso (um parque), havia ainda a supervisão de uma Câmara Municipal, de uma Junta de Freguesia e de uma instituição religiosa; será o ministério público a apurar "a eventual responsabilidade". E, ao que consta, o dia esteve solarengo e sem vento e há muito que os avisos técnicos alvitraram a possibilidade da queda. E é isto. Afinal, sem novidades. Ninguém tinha a incumbência de zelar pela verticalidade das árvores de grande porte. É um sossego, realmente.



publicado por paulo prudêncio às 18:28 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 18.08.17

 

 

 

 

As pessoas fizeram um semestre no "estado islâmico" e regressaram como quem esteve em "erasmus"?

Por outro lado, as redes sociais ampliam a "ágora" e os sinais de intolerância. Vê-se ódio ao que os outros pensam. É o sinal mais evidente. Daí a actos terroristas irá um qualquer passo dependente de circunstâncias, oportunidades e distúrbios diversos, como se percebe com a identidade dos fanáticos. Amos Oz é, mais uma vez, muito claro:

"A essência do fanatismo reside no desejo de obrigar os outros a mudar... O fanático é uma das mais generosas criaturas. O fanático é um grande altruísta."

 

19018385_PfZtr

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:22 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 04.06.17

 

 

 

"(...)Entretanto, o Presidente americano Donald Trump voltou a publicar um twit sobre os atentados, desta vez acusando o Presidente da Câmara de Londres, Sadik Kham, um britânico de origem paquistanesa, de não levar a sério a ameaça terrorista.

"Pelo menos sete mortos e 48 feridos num atentado terrorista e o presidente da Câmara de Londres diz que "não há razão para ficarmos alarmados", escreveu Donald Trump. Sadik Khan tinha no entanto condenado em termos muito fortes os ataques, designando-os nomeadamente como "actos bárbaros".(...)"

 

Impressiona! Como é que os EUA elegeram este Presidente é a perplexidade mil vezes repetida.



publicado por paulo prudêncio às 16:13 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Terça-feira, 08.11.16

 

 

 

Sabemos que a diplomacia internacional se exerce no espírito das guerras. Podemos dizer o mesmo de algumas campanhas eleitorais. A eleição presidencial nos EUA é sempre disputada. Obama concretizou um momento histórico inesquecívelmas o tempo em exercício foi insuficiente para "resolver" a grave situação que encontrou no médio oriente. O pragmatismo das campanhas eleitorais tem exigências, mas gostaria que o dia seguinte não continuasse a alimentar a indústria do terror. No caso da desejada, e esperada, vitória de Hillary Clinton, espera-se que o Partido Republicano ouça as suas vozes democratas.



publicado por paulo prudêncio às 16:14 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 22.07.16

 

 

 

 

"Em comunicado, as autoridades pedem a não divulgação de vídeos ou fotos do acto terrorista", repetem as televisões imediatamente a seguir à apresentação do vídeo amador mais oportuno. Os actos terroristas têm uma ocorrência quase diária, hoje é em Munique, e os canais de cabo já só têm que programar as horas sobrantes. O mal faz sempre o seu caminho, como lemos na história e temos registado nestes tempos de triunfo do neoliberalismo como caminho ideológico único.

 

Captura de Tela 2016-07-22 às 20.28.18.png

 



publicado por paulo prudêncio às 20:17 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 15.07.16

 

 

 

"Um outro passo para a paz exige que os quatro das Lajes sejam julgados no TPI e não pelo Goldman Sachs", 

 

é um raciocínio que ouvi a quem conhece o efeito devastador que Bush, Aznar, Blair e Barroso provocaram no médio oriente. O Tribunal Penal Internacional deve ter a palavra para tentar pacificar (e absolver os "quatro", se for esse o caso) a onda de terror e delinquência que se vai globalizando.

 



publicado por paulo prudêncio às 11:56 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

 

Agora é Nice a viver horas de terror com mais de 70 mortos e uma centena de feridos. O terrorismo é, cada vez mais, uma arma global. 

 

Captura de Tela 2016-07-15 às 00.49.42.png

 



publicado por paulo prudêncio às 00:45 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 27.03.16

 

 

 

10288755_784486178351338_7242826508541222073_n.jpg

 

 

Antero Valério



publicado por paulo prudêncio às 09:49 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 22.03.16

 

 

 

E é isto:

 

Captura de Tela 2016-03-22 às 14.13.07.png



publicado por paulo prudêncio às 14:13 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 07.12.15

 

 

 

Registar com satisfação a derrota eleitoral chavista na Venezuela, desejar uma derrota da Frente Nacional francesa na segunda volta e considerar "que o Estado Islâmico sempre existiu: é a Arábia Saudita."

 

19080799_q7lmU.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 23:34 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 19.11.15

 

 

 

As pessoas fazem um semestre no "estado islâmico" e regressam como quem esteve em "erasmus"?



publicado por paulo prudêncio às 20:32 | link do post | comentar | partilhar

 

 

A questão "estado islâmico" tem diversos ângulos de análise. A venda de armamento e o petróleo são, por exemplo, dois temas incómodos para o ocidente. Para além disso, é importante olharmos para dentro e para a história recente. 

 

O célebre relatório de Jacques Delors, "A educação - um tesouro a descobrir", abordou o multiculturalismo, as migrações e o relativismo cultural de modo polémico. Defendeu-se que o multiculturalismo contribuiu para bolsas de "ghetização" ao preservar as matrizes culturais dos imigrantes. Propunha-se a interculturalidade, através da educação, para a "normalização" com um valor primeiro: a liberdade com a impossibilidade de invasão na liberdade do outro. Foi neste patamar que se colocaram os "véus escolares" e os fluxos migratórios.

 

Estamos agora numa encruzilhada?


Estamos. Alguém disse há muito: se colocarmos a segurança acima da liberdade perdemos as duas. Há um caminho sensato: tolerância, muita persistência e não desistência em defesa da liberdade. A história não regista qualquer luta pela liberdade só com vitórias e sem vítimas. É assim a natureza humana, os tempos nunca mudam tão depressa e só o afastamento histórico permite perceber o que fomos vivemos.

 

Voltando ao vestuário, olhemos para alguns herdeiros de Maio de 1968. Defendiam a liberdade sem limites, opuseram-se à proibição do uso do vestuário que impedia a identificação das pessoas e confundiam o direito de asilo com o de migração noutra condição. Por outro lado, quem advogou a proibição defendia a liberdade das jovens, a exemplo da proibição da mutilação genital feminina em crianças, como agora distingue quem desespera por um asilo de quem se dedica ao terrorismo. Há sempre uma interrogação barómetro que se pode fazer: de que lado é que está a defesa da liberdade?

 

 

image.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 14:15 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 17.11.15

 

 

 

As redes sociais ampliam a "ágora" e os sinais de intolerância. Vê-se ódio ao que os outros pensam. É o sinal mais evidente. Daí a actos terroristas irá um qualquer passo dependente de circunstâncias, oportunidades e distúrbios diversos, como se percebe com a identidade dos fanáticos de Paris. "És amigo de um homossexual? Levas com uma campanha negra", ouvi há pouco num fórum TSF este exemplo. Mas pior deverá ser, imagina-se, para os próprios homossexuais ou para as inúmeras diferenças que incomodam nos outros. O "ouvinte" acrescentava que esse tipo de campanhas são normalmente a "brincar". Ou seja: os fanáticos são uns divertidos. Amos Oz é, mais uma vez, muito claro:

 

"A essência do fanatismo reside no desejo de obrigar os outros a mudar... O fanático é uma das mais generosas criaturas. O fanático é um grande altruísta."

 

cartoon.jpg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:15 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 03.05.11

 

 

Sabemos que a diplomacia internacional se exerce no espírito das guerras. Podemos dizer o mesmo de algumas campanhas eleitorais e das desavenças entre os estados e os movimentos armados que se classificam como terrorismo.

 

A eleição de Obama foi um momento histórico inesquecível. O pragmatismo das campanhas eleitorais lá fará as suas exigências, mas não gostei de ver tanto regozijo pela morte de um ser humano; mesmo que se tratasse de Bin Laden.



publicado por paulo prudêncio às 22:00 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
MINHA POMBA GIRA MARIA Padilha RAINHA DAS SETE ENC...
A última ida A Marte? Espero que seja para continu...
Peço, uma vez mais, desculpa pela invasão do Quadr...
Desculpas?Passo por lá mais logo. Obrigado.Disponh...
Pedindo desculpas pela invasão (temporária) do esp...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
2 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676