Em busca do pensamento livre.

Sábado, 25.02.17

 

 

 

 

Os governantes parece que têm o cuidado de, ao contrário do radicalismo de Crato, não falar de reforma curricular. Prevalece a ideia de "uma forma diferente de gerir o currículo, possibilitando, desde logo, que as escolas organizem, com flexibilidade multidisciplinar, 25% do currículo". Se a ideia é interessante, mas muito exigente, é necessário que, e repito, se elimine o que resta do radicalismo organizacional imposto por Lurdes Rodrigues. 



publicado por paulo prudêncio às 10:36 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 19.10.15

 

 

 

 

 

 

É um argumentário aflito invocar a NATO ou qualquer outro assunto internacional para sustentar o arco da governação. Basta ler o que se escreveu recentemente sobre os gregos e olhar para o que Varoufakis confirmou em Coimbra: o Syriza não tinha como plano B a saída do euro.

 

Sabemos que o ineditismo do euro tem uma variável a rever com urgência: os tratados que "amarram" economias com ritmos muito diferentes. Mas também conhecemos a história política da Europa e até a mais recente nos mostra como os parisienses fugiram, com os haveres que tinham à mão, da invasão dos tanques alemães. É um exemplo do que sufragou a ideia de União e que olhou para o euro como um instrumento decisivo para a paz. Dá ideia que só há dois caminhos: União ou implosão, sendo a NATO importante mas algo remota. Pode ver o vídeo com o registo completo de Varoufakis em Coimbra.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:46 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 16.01.15

 

 

 

image.jpg 

image.jpg 

 

Basta googlar por "Noruega mesquitas" para se encontrar informação sobre o assunto.

 

Desde a viragem do milénio que a integração (no sentido das polémicas em curso) de outros povos na Europa é muito discutida. No relatório de Jacques Delors, 1998,  "A educação - um tesouro a descobrir", as questões do multiculturalismo e do relativismo cultural tiveram uma abordagem interessante e polémica.

 

Defendeu-se que o fenómeno do multiculturalismo contribuiu, na Europa, para acentuar as bolsas de "ghetização" com as consequências conhecidas. Invocou-se como negativa a preservação a todo o custo das matrizes culturais de origem por parte das comunidades imigrantes que se foram "ghetizando". Os resultados estão aí.

 

Em alternativa, o relatório propôs a ideia de interculturalidade, através da educação, para a "normalização" de costumes que assentassem num valor primeiro: a liberdade entendida como impossibilidade de invasão no espaço de liberdade do outro.

 

É neste patamar de discussão que se coloca a questão dos "véus escolares" ou dos templos religiosos.

 

Estamos numa encruzilhada?

 

Claro que estamos e perdemos muito tempo na Europa. Mas só há uma solução: tolerância, determinação na defesa dos nossos valores, muita persistência e uma corajosa atitude de não desistência. Quem chega deve respeitar os valores vigentes. A história não deve registar um qualquer caminho de luta pela liberdade que se tenha feito só com vitórias e sem vítimas brutais e injustiçadas. É assim a natureza humana e os tempos nunca mudam tão depressa: só o afastamento histórico nos permite perceber melhor as épocas que fomos vivendo.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 09:48 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 11.01.15

 

 

 

 

10897759_1044194895597562_9126763263586557407_n.jp

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 15:36 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 07.01.15

 

 

 

 

10422441_10203504067017644_2042045166707925732_n.j

 

"Ataque a jornal francês Charlie Hebdo faz pelo menos 12 mortes"

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:16 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 09.07.14

 

 

 

 

 

 

Passos Coelho disse ao que vinha: revolucionar o país com uma "destruição criadora" através do empobrecimento, da emigração e de uma revisão profunda da constituição. Afirmou-se para além da troika, enquanto disfarçava o recuo constitucional, e essa espécie de PREC de sinal contrário só não é recordado porque vivemos tempos de eliminação das memórias de médio e longo prazos.

 

Na última reunião europeia dos ministros das finanças dos 28, Portugal foi o país mais ortodoxo na defesa da inflexibilidade do pacto de estabilidade e crescimento. Ao que se se vai sabendo, a ministra MLAlbuquerque advogou o radicalismo austeritarista com o comprovado flagelo que já impôs aos portugueses e contrariou as intenções do Governo que mais esperança transporta para a Europa: o italiano.

 

A imagem parece elucidativa. O presidente da reunião, o ministro holandês que há pouco tempo declarou um mestrado falso, parece muito satisfeito a cumprimentar esse génio das finanças que exerce as funções de ministra no Governo português. Devem estar a caminho do FMI.

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 19:34 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Quinta-feira, 22.05.14

 

 

 

 

 

 

A história repete-se: no período de transição entre anos lectivos o MEC faz uma absoluta terraplenagem sobre a vidas das escolas. Desta vez, a acusação é feita por um órgão de dirigentes escolares, o Conselho de Escolas, que considera que é o IAVE quem comanda o MEC. O desprezo pela organização das escolas vai muito para além da troika e das questões financeiras e parece fundamentar-se num universo preconceituoso de radicalismo ideológico.

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 20:44 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 20.02.14

 

 

 

 

Se um cidadão comum quiser remunerar com juros umas poupanças consegue taxas de 2% ou menos. Se pretender mais do que isso, arrisca-se a perder tudo com o risco.

 

Os protegidos pelos mercados compram dívida dos estados e são remunerados a mais de 5% e com todas as garantias dos governos, da Comissão Europeia, do BCE e até do FMI. Os certificados de garantia prevêem esmifrar as classes médias e nem os idosos no limiar da pobreza são dispensados. Ao cidadão comum está impedido o acesso a estes "produtos de qualidade".

 

É avisado que quem festeja a austeridade não faça das pessoas uma espécie de parvalorem. A desigualdade crescente e contínua nunca acaba bem.



publicado por paulo prudêncio às 20:45 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Segunda-feira, 17.02.14

 

 

 

 

 

Joseph Stiglitz chama-os à razão. A destruição provocada por esta austeridade assente em radicalismo ideológico levará anos a recuperar.

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 19:55 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Sexta-feira, 01.03.13

 

 

 

 

 

Notei Passos Coelho com mau perder. É uma espécie de segunda pele que vem à tona quando chantageia a baixa de impostos com mais cortes a eito nas políticas sociais. Esse desequilíbrio é insensato e trágico, como se comprova.

 

Sabíamos da presença da troika, mas também conhecíamos o fanatismo ideológico do Estado mínimo. Esse para além da troika não devia ser uma coisa experimental nem uma brincadeira de jotas retardados misturados com uma espécie de nerds. Estas coisas são sérias e arrasaram a vida de milhares de pessoas.

 

 

Passos: Para baixar impostos temos de reduzir as despesas do Estado



publicado por paulo prudêncio às 18:32 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 29.11.12

 

 

 

 

Passos Coelho terá dito, ontem à TVI, que vai implementar um co-pagamento (um eufemismo para o substantivo propinas) no ensino secundário. Ouvi a pergunta, nesse sentido, de José Alberto Carvalho, mas a resposta escapou-me. O que ouvi foi Passos Coelho afirmar que o sector privado já se ajustou e que o público não. Esta enormidade só se pode justificar por radicalismo ideológico.

 

Compreendo a indignação com as propinas no secundário. As pessoas intuem a realidade. Com a chegada de Passos Coelho ao poder, a agenda de privatização tout court ganhou um alento inédito reforçado pelo sentimento da derradeira oportunidade.

 

E por que é pessoas informadas na actual maioria estão tão desesperadas?

 

Em primeiro lugar, porque os últimos estudos e relatórios não ajudam os seus propósitos como esperavam. O derradeiro, encomendado pelo MEC, apresenta, de forma resumida, os seguintes números para o investimento médio por turma: 70000 euros nos 2º e 3º ciclos do ensino básico e 89000 euros no ensino secundário (apura-se um valor médio de 76000 euros) nas escolas do Estado e 85000 euros nas escolas cooperativas.

 

Este estudo tem um relatório com os números apresentados. Foi, depois, feita uma adenda que incluiu outras variáveis independentes. Os valores nas escolas do estado subiram e o valor médio passou para 86000 euros.

 

Em segundo lugar, e se olharmos para a discussão em curso, percebe-se o desespero da maioria em propor propinas no ensino secundário. Já não têm espaço para mais supressões de disciplinas, não podem advogar as quatro dezenas para o número de alunos por turma ou aumentar o despedimento sem apelo de milhares de professores (são os que mais contribuem para que Passos e Gaspar andem pelo mundo a elogiar um modelo que cortou na despesa com funcionários públicos).

 

Para além disso, não conseguem refutar os que defendem uma poupança a custo zero: passar turmas das cooperativas de ensino para as escolas do Estado que têm salas de aula vazias e professores com horários zero. Qualquer que seja a posição de quem se move nesta área, começa a ser impossível o silêncio ensurdecedor.



publicado por paulo prudêncio às 20:20 | link do post | comentar | ver comentários (9) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
É impressionante como a CFA oscila nos extremos. S...
Fui ler.É, de facto, incrível como CFA fala sobre ...
não há conspirações; isso são coisas de hollywood....
A triste realidade.
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
6 comentários
3 comentários
2 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676