Em busca do pensamento livre.

Quinta-feira, 02.02.17

 

 

 

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou hoje que um "sistema político mais "plástico" tem evitado populismos em Portugal(...)e que algumas forças políticas, como o Bloco de Esquerda ou o PCP, tiveram capacidade de “enquadramento institucional” de movimentos de protesto que originaram forças populistas noutros países." Ou seja, o Presidente omitiu os populismos de direita que, a ser assim, estão integrados no antigo arco governativo com os resultados que conhecemos. Por falar em populismos, o PR também comentará um dia a vitória presidencial sem campanha, e com apoio partidário que o incomodava, porque a sua força, quase invencível, residia em anos a fio de presença televisiva que é o espaço onde se afirmam os populismos que vão tomando conta do poder mundial (e isto não é uma avaliação do seu desempenho presidencial que é mais coerente e consistente - portanto, menos populista e demagogo - que o de comentador).

 

Captura de Tela 2017-02-02 às 22.24.02

 

 



publicado por paulo prudêncio às 22:24 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 29.07.14

 

 

1ª edição em 29 de Agosto de  2013.

 

 

 

A frase em título é a que se segue ao parágrafo que escolhi para a imagem do post e foi obtida em Amos Oz (2013:202), "Cenas da vida de aldeia", D. Quixote, Lisboa.

 

A obra de Amos Oz tem um fascínio comovente. A literatura tem o condão inigualável de nos fazer viajar sem sair de casa, mas "As cenas da vida de aldeia" chegaram-me na ida e na volta de uma inesquecível viagem com um final em coincidência temporal com mais uma tragédia dos bombeiros portugueses comentada pelos que "sempre avisaram" para as pragas dos eucaliptos e das responsabilidades locais e que me recordam a única certeza existencial dos populistas na ajuda aos pobres: a publicitação do acto.

 

 

 

 
Desde então nada disso aconteceu (página 203). 


publicado por paulo prudêncio às 11:28 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 03.06.13

 

 

 

 

Passos Coelho afirma que 2014 será o ano da "restauração nacional". A patologia parece mais séria do que se supunha. Há quem considere que os actuais governantes são sociopatas ou psicopatas sociais e não deixa de se registar nesse domínio a sucessão de provocações depois da tragédia social originada pelo radicalismo ideológico.






publicado por paulo prudêncio às 21:19 | link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar

Domingo, 07.04.13

 

 

 

 

A crónica de ontem, na impressa do Público, de J. Pacheco Pereira é uma página que anda à volta do programa "Impulso jovem" e de Miguel Relvas.

 

Para o cronista, o ultimo acto púbico do ex-ministro é "(...)um retrato ao mesmo tempo ridículo e preocupante do estado actual da governação. O impulso jovem é um típico programa "jota", e tudo o que envolva a política para a juventude é sempre, nos governos PS e PSD, entregue aos caciques(...)".


O embaixador que Relvas escolheu no youtube é um exemplo de uma classificação que J. Pacheco Pereira inventou: descomplexado competitivo.


Este não é um problema novo, nem terminou com Miguel Relvas. Dá ideia que os ambientes "jotas" nos grandes partidos são terreno fértil para os populismos que acabam sempre por correr mal e que vão arrastando o país para o estado que se vai vendo.

 

Percebo a relevância que o cronista dá ao assunto, pois anda por estes domínios a causa maior que pode provocar o fim desta República, ou seja, com o euro, com estes partidos políticos e com esta constituição. Se a dívida pública continuar a aumentar e as rendas se mantiverem intocáveis (os orientais sabem bem onde e com quem investir, principalmente os de partido único) por obra das redes partidárias (os tais aparelhos), não haverá solução que não passe pelo fim da III República.

 

O cronista termina assim e dum modo que não nos cansamos de observar:

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:53 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 01.02.11

 

 

 

Quem acusa a central da europa, ou as nossas máquinas partidárias, de benesses ilimitadas ou de despesismo inconsciente corre o riso de ser acusado de populista ou invejoso. Haverá decerto intentos menos democráticos ou mesquinhos em quem se move no terreno dessa denúncia, mas a utilização da vida do povo ou a cobiça não podem ter as costas assim tão largas.

 

Quem pauta a sua vida pela honestidade tem de levantar a voz. Portugal é rico de história e de potencial prosperidade para que o bem-estar material chegue à maioria. É difícil coabitar num espaço preenchido pela elogio do chico-esperto, sabemos isso, mas não há riqueza mais rica do que a que se aloja na consciência. E o belo não é fácil, como se constata.



publicado por paulo prudêncio às 22:44 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
uma opinião favorável aos profs nos jornais, é um ...
fica registado como facto cientifico que 'paga-se ...
Muito preocupante.
Também preocupante...
O texto de António Guerreiro é muito interessante.
Pois... é tudo muito bonito, mas estou farto de am...
Enfim. Parece Roma à beira do fim.
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
1 comentário
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676