Em busca do pensamento livre.

Quinta-feira, 16.02.17

 

 

 

 

1109972

Cópia de 1109972

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 11:23 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 15.02.17

 

 

 

 

image

 



publicado por paulo prudêncio às 11:02 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 07.02.17

 

 

 

 

Portugal é o país da OCDE onde os professores perdem mais tempo com a disciplina para começar uma aula e é onde existem, como hoje se conclui, salas de aula em que "reina a "pequena indisciplina"". E não saímos disto, com o discurso circular de "especialistas" (no caso o antigo responsável pelo Observatório de Segurança em Meio Escolar) a culpar "mais os professores do que os alunos".

E se procurássemos, definitivamente, outras culpas? Sumariemos: escola a tempo inteiro, ou "armazém", como resultado da sociedade ausente; aluno-cliente como negação dos elementares princípios docimológicos (não tarda e a publicitação da calendarização de testes chega ao primeiro ciclo para que um petiz convoque os advogados porque o professor o submeteu a um questionário de avaliação sem calendarização; isto sim, o nefasto "facilitismo"); uma década de devassa, mediatizada em primeira página, da carreira dos professores; indústria de exames nacionais, com os respectivos quadros de mérito e com a publicitação de resultados de crianças (é a preparação para a selva, dizem "especialistas da ordem contrária"); "supressão" de intervalos escolares; aulas de noventa minutos como receita do 5º ao 12º ano e em todas as disciplinas; mais alunos por turma; mais turmas por professor; terraplenagem do estatuto da carreira dos professores; agrupamentos de escolas como negação da gestão de proximidade e com aumento da hiperburocracia como factor ilusório de controle; legislação de disciplina escolar na lógica de um "tribunal dos pequeninos"; e por aí fora. Se nada de moderado, sensato e democrático acontecer, daqui por uma década voltaremos, seguramente, ao mesmo e, obviamente, aos culpados do costume.

 

Captura de Tela 2017-02-07 às 13.52.11

 



publicado por paulo prudêncio às 15:13 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 30.11.16

 

Captura de Tela 2016-11-30 às 15.02.28

 

É, objectivamente, uma descida na confiança nas instituições, e na democracia, a sucessão de habilitações falsas. Depois dos últimos casos, o Expresso "apurou que o Governo" procurou mais irregularidades. Houve duas pessoas que pediram exoneração sem entrega da documentação. Percebeu-se que o fizeram por terem declarado habilitações falsas. É, e sei lá que se diga mais no meio deste pântano, uma atenuante. O Público revela uma prática muito negativa para o crédito das nomeações em concursos públicos: "no momento da nomeação, foi-lhe pedido que apresentasse o currículo para que fosse colocado no despacho e “acreditou-se que as informações eram as correctas”.



publicado por paulo prudêncio às 15:01 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 22.11.16

 

  

 

"Os rankings apenas mostram a qualidade dos alunos que fazem os exames e não nos permitem inferir se a escola trabalha bem ou mal" é uma óbvia conclusão que não se alterará com o que se anuncia: "nas escolas de topo mais de metade dos alunos chumba pelo menos uma vez".

 

Captura de Tela 2016-11-22 às 22.12.24



publicado por paulo prudêncio às 22:18 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 05.11.16

 

 

 

 

Se não fizer isso conseguirá entrar na universidade? As duvidas na resposta a esta interrogação condicionam, demasiado cedo, os sistemas educativos. Aos seis anos começa a corrida de obstáculos que impede, desde logo, a eliminação do abandono escolar precoce. Com excepção dos países onde não se restringe o acesso ao superior, e em que o secundário é transversalmente estimulante, a regra nos restantes assume as interrogações: e se não fizer muitos trabalhos de casa desde cedo conseguirá aceder ao superior? E se não fizer exames a eito desde cedo conseguirá aceder ao superior? E se não tiver explicações desde cedo conseguirá aceder ao superior? E se não for desafiado por quadros de honra desde cedo conseguirá aceder ao superior? E se não tiver o tempo todo ocupado desde cedo conseguirá aceder ao superior? Para agravar a condição portuguesa, a sociedade ausente apresenta inúmeras famílias pobres que nem imaginam essa desinformada ambição escolar enquanto os informados do costume (alguém, com propriedade e humor, classificou-os de descomplexados competitivos) discutem ciclicamente a falta de tempo para os petizes brincarem.

Captura de Tela 2016-11-05 às 15.41.41

 



publicado por paulo prudêncio às 21:20 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 14.09.16

 

 

 

O escolar da última década "rendeu-se" à selva. Assisto ao "contorcionismo do real" dos que repetiam: "isso jamais cairá". Que aprendam alguma lição, porque o que é "sólido dissolve-se no ar".

 

Red arrow around Earth.



publicado por paulo prudêncio às 12:03 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 13.09.16

 

 

 

O Grande Salto Atrás



publicado por paulo prudêncio às 12:47 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Segunda-feira, 05.09.16

 

 

 

Só a ideia assusta milhares de professores que concorrem. Diz o Dn que "as escolas vão insistir com o ministro para voltarem a poder contratar" o que faz temer o pior. E logo este ano em que o processo caminha para a decência.

 

Numa matéria relacionada, os sindicatos contrapõem reformas antecipadas ao "rejuvenescimento" do corpo de professores através da vinculação dos jovens. É justo, embora requeira atenção aos detalhes. Neste sentido, é importante recordar que a luta de professores mais difícil das últimas décadas foi em Junho de 2013 para evitar que os 34 mil professores "desaparecidos" não fossem 50 mil. impôs-se um crédito de horas que o permitiu. A fórmula foi agora alterada e reduziu o crédito para cerca de 25% e daí tantos horários zero. E fica assim sem qualquer ruído. Mais tarde poder-se-á pagar a distracção. A táctica do espantalho já deu péssimas provas.

 

depositphotos_67305663-Coloring-book-scare-crow-ca

 



publicado por paulo prudêncio às 15:30 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 02.09.16

 

 

 

CGD não voltará a falir de imediato uma vez que chumbou nos testes de stress do BCE. Sempre que um banco português passou nestes testes, faliu na semana seguinte. O BES teve mesmo um excelente antes da necessidade de requalificação (o eufemismo dos média para as falências na alta finança que, como na imagem, jamais pisa a relva). Entretanto, a injecção de capital na CGD já serviu, garante a nova administração, de fármaco para o stress. Para o ano, a síndrome anual (um banco por ano desde 2008) deve atingir o Montepio.

 

16668411_hfKkl.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 15:26 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 29.08.16

 

 

Milhares de professores esperam que hoje, 29 de Agosto, se publiquem as listas de colocações na Mobilidade Interna e na Contratação Inicial. O site respectivo já está incomunicável para adensar o clima.

Se assim acontecer, a aceitação da colocação terá de ser feita até ao dia 31 de Agosto (48 horas) e a apresentação até ao dia 1 de Setembro (72 horas). Se as listas forem publicadas amanhã, os prazos indicados avançam, obviamente, um dia; e assim sucessivamente em dias úteis porque os outros são inúteis :).

Recorri ao desenho que publico há uns anos por esta altura.

 

cartoon.jpg

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 10:44 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

Enuncia-se um suposto rigor na rede escolar e na distribuição do serviço docente, mas a histórica desorganização do Estado, e principalmente a malfadada ocupação dos serviços centrais e locais por "girls & boys", fica todos os anos espelhada no seguinte:

"Respeitar os professores é dar-lhes tempo para fazerem as malas...é um post muito certeiro do Alexandre Henriques do blogue ComRegras.

 

394504_189644917835470_91333175_n.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 09:44 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 14.08.16

 

 

 

 

Li uma entrevista, dada com desassombro, de quem vai coordenar o perfil do aluno no final do 12º ano.

 

Lembrei-me deste post.

 

Começa assim:  

 

A febre reformista no sistema escolar em Portugal não é nova: é mesmo imparável. O que é engraçado, e com o passar do tempo, é que vemos recuperar ideias antigas como se de grandes novidades se tratassem. Parece um percurso circular.

Escrevia, algures em 1998, uns textos para uma revista sobre educação e o coordenador pediu-me que inscrevesse algumas ideias sobre o assunto. Lembrei-me dos remédios. Fui ler a literatura do “Benuron” - medicamento para todas as dores e para todas as maleitas gripais e constipais - peguei no seu modelo organizativo e fui andando. Foi uma noite bem passada. Quase 16 anos depois, e aproveitando as competências do blogue, publico-as de novo. Só dois detalhes antes de começar: se em 1998 era possível este grau de má burocracia e eduquês, não é de admirar que com mais 17 anos intensivos isto tivesse chegado a este estado.

 

Republico apenas o perfil do aluno. Para os restantes medicamentos terá que ir ao original no link referido.

 

0000s43c.jpeg

 

 

Perfil do aluno. 

Registo da patente: equipa coordenadora dos programas escolares na reforma Roberto Carneiro em 1989. 

Composição: registo preciso e rigoroso do estado do produto aluno somados x anos de laboração. 

Indicações terapêuticas: impede desvios acentuados nos complexos processos de apreciação global dos alunos; facilita a criação de mecanismos rigorosos de análise transversal do desempenho de humanos sujeitos ao agressivo contexto escolar. 

Contra-indicações: pode provocar ligeiras dores de cabeça quando verificada a sua articulação com os programas escolares das disciplinas dos anos terminais de ciclo. 

Precauções especiais de utilização: não deve ser aplicado a alunos muito curiosos nem aos que se posicionem de frente ou de costas. 

Prazo de validade: um ciclo escolar, precisamente.



publicado por paulo prudêncio às 12:44 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 17.07.16

 

 

 

 

Crato confessa: acentuou o mercado desregulado aplicado à educação crente que no mundo actual é suficiente um qualquer regresso ao "back to basics" numa espécie de escola transbordante. Mas mais: quem discorde do seu trajecto de mercado é classificado como "puramente ideológico", como se o "radicalismo ideológico" não fosse a sebenta que o sustentou na estratosfera. Afirmar-se professor não significa que se conheça a escola e que se tenha desenvolvido estudos sobre a sua gestão. Dizer que teve os professores do seus lado, não significa que a realidade o tivesse confirmado. O resto da entrevista é poeira.

 

Captura de Tela 2016-07-17 às 14.05.02.png

 



publicado por paulo prudêncio às 14:06 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 16.07.16

 

 

 

 

O Governo criou um programa para o sucesso escolar (PSE) que as escolas devem operacionalizar. Para além do tradicional mais do mesmo que remete para a escola um caderno de encargos insuportável e ausenta a sociedade, o que mais obriga a umas beliscadelas é a existência de empresas que se dedicarão a elaborar os tais PSE´s. Leu bem. Empresarialização em modo outsourcing e desculpem os inglesismos para mais em tempo de brexit. Sim, é risível que programas com estas características tenham este trato. Isso reforça os argumentos de quem desconfia que, para além do temor justificado com a epidemia caciquista, a tal municipalização passa muito pela guloseima do aparelhismo com fundos estruturais. Como dizia um antigo pedagogo: tudo-está-ligado-a-tudo-nada-está-solto-de-nada.

 

polyp_cartoon_corporate_school.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 09:26 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 06.07.16

 

 

 

Afinal a gabarolice do mais com menos dos "privados" escolares não era apenas à custa da indecente precarização de profissionais. Criavam turmas irreais no modelo de fantasma amealhador.

 

image.jpeg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 19:47 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 28.06.16

 

 

 

"Na escola x, uma aluna do 7º ano passou com sete negativas. Na turma da minha filha, na escola y, reprovou um aluno com duas negativas, a português e a matemática, e outro com três". E é isto. Ciclicamente é isto. Uma regra administrativa nacional (RAN) nestes assuntos deixa tudo mais claro, mas a invenção da roda também se tornou cíclica. Havendo uma RAN, os conselhos de turma ponderam o que têm que ponderar; como sempre aconteceu e está mais do que comprovado. Ou será que os anti-RAN acham que o insucesso escolar é culpa absoluta de professores e escolas? Parece-me que sim. Aliás, dá ideia que pensam o mesmo das causas do flagelo do abandono escolar que também é histórico e "eterno".



publicado por paulo prudêncio às 11:20 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 21.05.16

 

 

Num momento em que se aplaude uma solução tutorial-exclusivamente-escola para uma pequena componente da praga do insucesso e abandono escolares, recupero um algoritmo que escrevi há uns seis anos.

 

A história dos sistemas escolares evidencia: sociedades com mais ambição escolar e com meios económicos que a sustentem atingem taxas mais elevadas de sucesso escolar. É irrefutável. Podíamos até atribuir a essa condição uma percentagem próxima dos 90%. Ou seja: se conseguíssemos sujeitar 100 crianças a uma escolaridade em duas sociedades de sinal contrário, os resultados seriam reveladores. Deixemos esta responsabilidade nos 60% para que sobre espaço para os outros níveis.

 

Se testássemos 100 alunos em escolas com organizações de níveis opostos mas na mesma sociedade, esperar-se-iam resultados diferentes. Todavia, essa diferença não seria tão acentuada como no primeiro caso. As condições de realização do ensino (clima escolar, disciplina, número de alunos por turma e na escola, autonomia da escola, desenho curricular, meios de ensino) devem influenciar em 30% e são mais significativas do que o conjunto dos professores.

 

Se 100 alunos cumprissem duas escolaridades com 100 professores diferentes, os resultados deveriam oscilar muito pouco. É neste sentido, abrangente, histórico e generalista que se deve considerar os 10% atribuídos aos professores.

 

É também por isso que pode ser um logro absoluto que uma sociedade com baixos níveis de escolaridade consuma as suas energias à volta do desempenho dos 10% ou sequer se convença que basta mudar o conteúdo físico ou contratual dos 30% para que tudo se resolva. A componente sociedade é decisiva e se fecharmos bem os olhos podemos até considerar que 60% é um número por defeito. Mas mais: por paradoxal que pareça, sem os 10% nada acontece e não há ensino.

 

11240456_1607991426154835_803042280_n.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 19:10 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 07.05.16

 

 

Haverá concelhos com o perfil "do Expresso". No que conheço, o desgosto é centrão ou inclinado para o CDS. Para além de outras motivações (algumas justificadas), há o modelo "autarca GPS", com escola de jotinha e anos a fio de aparelho, que teme a perda da aura da cunha e de outros metabolismos de sobrevivência política. Os mais desesperados usarão um de dois estratagemas: o anunciado pelo Expresso em defesa acérrima dos patrocinados ou a mudança de lado descartando os que empregaram.

 

Captura de Tela 2016-05-07 às 10.20.07.png

 



publicado por paulo prudêncio às 14:11 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 24.04.16

 

 

As elevadas taxas de insucesso escolar evergonham-nos e aumentaram nos últimos anos. O empobrecimento só podia dar nisto. Choca saber que, em 2014, 11 mil crianças reprovaram no 2º ano de escolaridade, o tal que o inferno da medição vai passar a aferir depois de inúmeros seminários, colóquios e horas mediáticas.

 

director-geral de uma tal de EPIS (empresários pela inclusão) que se dedica há muito ao apoio social a estudantes, também se choca e escreveu para o Expresso. E não se indigna com a fuga aos impostos através dos Panamás Leaks nem sequer com o empobrecimento. Toca ao de leve nos problemas das famílias e das comunidades e conclui no género "são 11x11 e no fim ganha a Alemanha": "É, pois, urgente transformar a escola dos seis aos dez anos". Não defendo um qualquer modelo de escola como fim da história, mas já se torna sei lá o quê ler vezes sem fim as mesmas coreografadas, e circulares, conclusões.

 

Captura de Tela 2016-04-23 às 21.39.53.png

 

Captura de Tela 2016-04-23 às 21.44.12.png

Expresso, 1º caderno de 23 de Abril de 2016



publicado por paulo prudêncio às 10:41 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 18.03.16

 

 

 

Se há sinal evidente na polémica das provas (finais ou de aferição) do ensino básico é a desorientação da sociedade e não é de agora. Não há sociedade presente que passe o tempo mediático com estas discussões. Fazê-lo não é sintoma de saúde, uma vez que não fazemos outra coisa há décadas e nem o analfabetismo ainda eliminámos; nos últimos anos até aumentámos o insucesso escolar.

 

Um exemplo do desmiolo foi a curta entrevista do ministro da Educação na RTP1. O irado jornalista questionava o transtorno logístico das famílias por ainda não saberem a data de uma prova de aferição para crianças de sete anos e o ministro contra-argumentava metendo os pés pelas mãos. Mas que desorientação: no meio destas trapalhadas, não há uma qualquer sensatez que diga às pessoas que uma prova requer preocupações com a logística das escolas mas que em termos pedagógicos até deve ser feita sem grandes avisos prévios e que nem necessita de se realizar a todos os alunos nos anos todos como se faz nas sociedades normais? Não há pachorra, realmente.

 

image.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 09:46 | link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar

Segunda-feira, 07.03.16

 

 

 

Resultados da Sondagem | É a favor da existência de Quadros de Honra nas escolas?

 

"Na sondagem desta semana do ComRegras, o tema era o da existência de quadros de honra. As opiniões dividiram-se de forma muito equivalente. Este é o meu comentário, breve qb devido às contingências do fim de semana,a que acrescentarei a imagem dos resultados logo que chegue."

 

A segunda ligação é para o novo blogue do Paulo Guinote onde deixei os seguintes comentários:

 

"O que também me espanta é que não se consiga observar os efeitos destas coisas aplicadas com iguais critérios a crianças do primeiro ciclo ou a jovens do secundário."

 

Perante a concordância da Anabela Magalhães, que escreveu "Paulo Prudêncio, no meu agrupamento são entregues desde o 4º ano. E as exigências vão para além das notas.", acrescentei:

 

"Sei disso. Penso que haverá muitos mais. Surpreende-me que não se consiga perceber a progressividade nestes assuntos. Os sistemas desportivos conhecem há muito estes problemas. Há um autor francês, Jacques Personne, que tem uma obra muito importante “Nenhuma medalha vale a saúde de uma criança”. É uma obra do século passado, mas o recuo civilizacional obriga-nos a recuar também na argumentação."

 

20130530160549.jpg

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:08 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 05.03.16

 

 

 

 

José Gil (2005:44) escreveu assim: “(...)Em contrapartida, somos um país de burocratas em que o juridismo impera, em certas zonas da administração, de maneira obsessiva. Como se, para compensar a não-acção, se devesse registar a mínima palavra ou discurso em actas, relatórios, notas, pareceres – ao mesmo tempo que não se toma, em teoria, a mais ínfima decisão, sem a remeter para a alínea x do artigo y do decreto-lei nº tal do dia tal de tal mês do ano tal.(...)”


E mais à frente, Gil (2005:57), sublinha: “(...)duplo regime que vigora em serviços de toda a ordem. Ora se tenta inscrever freneticamente tudo, absolutamente tudo em actas, para que nada se perca, ora reina a maior negligência nos arquivos que ninguém consulta nem consultará (espera-se).(...)”

 



Gil, J. (2005). Portugal, hoje. O medo de existir.
Lisboa: Relógio D´Água

 

(É um livro de 2005 e confirmamos com muita

frequência a caracterização do duplo regime. Mas quem diria

que este retrato nos levaria a mais uma bancarrota

e que explicaria o perfil da malta do subprime, do BPN,

do BCP, do BPP, do BES, do Banif e do que mais virá.)

 

 

18293005_YqGB5.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 23:49 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 14.02.16

 

 

 

 

As condecorações mediatizaram um regresso indignado aos legados de Lurdes Rodrigues e Nuno Crato. Bem sei que a memória é ainda mais curta na democracia mediatizada, mas o apoio incondicional do ainda PR às duas tragédias comprovadas terá uma qualquer relação com o ex-MEC David Justino que iniciou a queda da escola pública.

 

Para quem não se recorda, o exercício de Justino incluiu o primeiro abalo sério na imagem da escola pública com um concurso de professores, interminável por incompetência política, que abriu portas aos desmandos que se seguiram. No auge mediático do processo, apareceu, ladeado por João Rendeiro do BPP, a afirmar que só não contratava pessoas do calibre do investidor em fundos de alto risco para dirigir as escolas "porque não tinha dinheiro para lhes pagar". Numa sociedade com memória, deixava a Educação em paz por umas décadas.

 

Um ano depois foi assessorar Cavaco Silva. Esteve dez anos em funções com o PR e em cooperação estratégica com os legados condecorados. É Presidente de um CNE que ainda recentemente não se entendeu "sobre as provas de aferição das crianças". É triste, mas é assim. Se elencarmos os problemas educativos das nossas crianças, esta coisa de mais ou menos uma prova não aparecerá nas vinte primeiras preocupações mas é "conversa da treta" e não perturba os lóbis da Educação; embora o orçamento do recém privatizado IAVE viva de exames. Justino apresenta hoje no Público uma "obra sua sobre o fontismo" (de 1868 a 1889) que foi um período de muito betão financiado pela banca britânica e que acabou em "colapso financeiro". Nada que um profissional do cavaquismo não entenda em pormenor.

 

Captura de Tela 2016-02-14 às 14.52.37.png



publicado por paulo prudêncio às 15:57 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 12.02.16

 

 

 

No dia em que N. Crato e L. Rodrigues são condecorados, e desculpem-me voltar a estas figuras, o primeiro desdobra-se em entrevistas e revela uma continuidade política que explica alguns enigmas. Lurdes Rodrigues olhava para o sistema como um grande primeiro ciclo e infantilizou-o. Numa decisão inevitável e positiva, alargou a escolaridade obrigatória até ao 12º ano e originou o maior aumento da história de alunos no ensino secundário nos anos seguintes.

 

Chegou Crato e aplicou exames a eito com as mesmas normas e procedimentos em todos os ciclos de escolaridade. Ou seja, para Crato & Lurdes até ao 12º ano é ensino precoce e comprovo-o com duas respostas da entrevista do primeiro ao DN. Como se sabe, no exercício de Crato o insucesso escolar subiu todos os anos. Com o referido aumento de frequência do secundário, o abandono escolar desceu acentuadamente. A jornalista pediu-lhe opinião. A coisa é de tal modo, que a segunda pergunta transmite a perplexidade da perguntadora que ainda tentou atenuar a manipulação. Como retrata o cartoon do Antero, Crato ganhou o direito ao fatinho completo de Lurdes Rodrigues e Cavaco Silva reconheceu-o.

 

"(...)Em 4 anos o abandono escolar caiu de 23 para 13,7%. Como ME durante esse período que analise faz dos números?

Todos nos devemos congratular pelos enormes progressos conseguidos pela Escola portuguesa nos últimos anos, nomeadamente com este que agora acaba de ser verificado: a grande redução do abandono escolar precoce. 

A que se deve esta redução? Ao alargamento da escolaridade obrigatória até ao 12.° ano?

Não se deve apenas ao alargamento da escolaridade obrigatória, mas a um conjunto de medidas que permitiram que o alargamento fosse um sucesso.(...)"

 

18735908_vS8D8.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 18:34 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

 

 

 

 

Impressiona-me, sinceramente que me impressiona, a interminável indignação mediática à volta da supressão de uma prova final (vulgo exame do quarto ano) para as crianças. Desconfio que o eurogrupo discutirá essa eliminação como ponto prévio ao orçamento português ou mesmo à crise financeira alemã, também orçamental e da bancocracia, responsável pela investida dos mercados à zona euro.

 

Até Crato, e a propósito de uma condecoração presidencial à sua veia provadora, vem sentenciar: "não é por deixar de haver avaliação que os alunos aprendem mais". Valha-nos não sei o quê. As crianças fazem, e inevitavelmente, provas sobre provas durante os quatro anos do primeiro ciclo e há quarenta anos que aprendiam sem essa prova final como acontece, de resto, com as crianças dos países mais avançados há quase um século. O problema não são as crianças, nem se aguentam a pressão; esse argumento chega a ser ridículo. O mistério está na cabeça dos adultos, no modo como tratam os resultados dessa prova e na indústria que agregam. E sobre isso as crianças nada podem fazer. Começam a receber comendas como a de Crato por causa dos resultados dessa prova e até prémios monetários. Algumas até se vêem impedidas de ir para a mesma escola dos colegas que conseguem melhores resultados na tal prova final. O que as crianças sentem mais é, por exemplo, a inabalável política dos manuais escolares, o número de alunos por turma, a falta de tempo para brincar ou o apoio, em modo de privilégio, dos Cratos deste mundo ao ensino privado. Mas sobre isso, nem o Crato, nem os indignados diários, debitam uma linha em modo de descalabro orçamental. Estranho, no mínimo, para quem se preocupa tanto com as aprendizagens das crianças.

 

image.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 09:54 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 02.02.16

 

 

 

 

Aumentam as desigualdades, os tais 1% vencem a guerra (e confessam; lá isso) em modo proporcional à ganância e isso é irrefutável (e se calhar "compreensível" numa sociedade de mercado quase sem limites morais). Não é isso que mais me impressiona e não é de agora. O que mais me intriga (digamos assim porque não me intriga nada) é o apoio fervoroso que os 1% encontram em grupos numerosos dos 99%; são verdadeiros soldados que votam, discutem e sei lá mais o quê. Normalmente acabam como o soldado da imagem, mas o problema é que costumam acordar demasiado tarde.

 

19234284_q9zr4.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 18:17 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 10.01.16

 

 

 

 

 

Desde os sofistas e de Aristóteles que se sabe que a política é também a arte da mentira. Proclamar A e o seu contrário é o modo de ser dos institucionalistas que nos empurraram para onde estamos. O branqueamento da corrupção e a eliminação da memória são consequência e causa de primeira grandeza. O refúgio na "amizade" é o argumento que esconde a obstinação da oligarquia.

 

Embora com contornos diferentes do já referido, não se percebe, por exemplo, o que tem sustentado o apoio inicial sem limites aos últimos ministros da Educação.

 

O facto tornou risível o "discurso dos arrependidos", como aconteceu com Carlos Fiolhais (falou em science killer e avaliação destruidora, imagine-se) que era amigo de Crato, que conhecia as suas ideias sobre ensino superior e investigação e que se desiludiu. Só que Crato era também ministro do ensino não superior e quem o conhecia nesses domínios apressou-se a avisar que o ministro estava impregnado de preconceitos contra a escola pública e que nada sabia de gestão escolar onde não se conhecia uma frase do seu pensamento. Tudo comprovado. O contágio ao ensino superior e à investigação foi uma questão de tempo.

 

Até o eduquês, que importou de Marçal Grilo, sempre se pareceu com o do crítico original: uma espécie de versão II que na prática resultava em mais do mesmo. As polémicas à volta do excessivo linguajar das ciências da Educação são apenas uma milionésima parte do inferno informacional em que mergulhou a gestão escolar e os últimos ministros limitaram-se a acrescentar ruído com os institucionalistas sempre à espera de uma nova vaga. E depois de tanto radicalismo pouco informado, como é que querem que fique tudo na mesma?

 

1ª edição em 18 de Maio de 2015



publicado por paulo prudêncio às 11:12 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Domingo, 20.12.15

 

 

 

"As falhas dos programas da troika são assumidas pelo próprio FMI que assume que teria sido melhor fazer uma reestruturação das dívidas públicas demasiado elevadas como a portuguesa", destaca o Público. E podemos recordar outros trios com argumentos na matéria: dois Nobel, Stiglitz e Krugman, e um a caminho, Piketti, adivinharam a tragédia lusitana sustentada por trios de colossos incompreendidos: Medina Carreira, Camilo Lourenço e Gomes Ferreira (César das Neves como suplente) ou PaFistas, Cavaquistas e "Compromisso Portugal". Do último trio espera-se que não reneguem o legado "além da troika e destruição criadora". Tragédias que a história explicará.

 

Captura de Tela 2015-12-20 às 15.36.03.png

 



publicado por paulo prudêncio às 17:02 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 15.12.15

 

 

 

 

A faseada queda dos bancos deve ser planeada: cai um banco, os contribuintes são lesados, ouvem-se iras e protestos e regressa a calmaria com cortes nos do costume e venda de anéis a preço de saldo. Sossegada a memória colectiva, acciona-se outra queda. Desta vez é o Banif, o Montepio está na fila e a CGD ainda não está porque não foi privatizada. Nada me move, naturalmente, contra a iniciativa privada, mas o que cansa "nesta malta" é o seu desprezo pela gestão pública que tem há muito um objectivo conhecido: delapidar o orçamento de Estado, porque de privado só conhecem o lucro fácil. Espero estar enganado, mas a história registará esta parte maior da queda de democracia nascida com o 25 de Abril de 1974.

 

 

image.jpeg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 09:20 | link do post | comentar | ver comentários (12) | partilhar

Segunda-feira, 30.11.15

 

 

 

E Nuno Crato não recuperou os exames do 4º ano de um dia para o outro sem qualquer recomendação conhecida? Para além disso, ainda se contraditou ao generalizar sem testar e deu razão aos que o acusaram de motivações exclusivamente ideológicas.

 

A repetição tornou-se o nosso modo de ser e o sistema escolar não escapa ao desnorte, mesmo que se considere que para aprender é necessário repisar muitas vezes. Os exames são um metabolismo útil nos sistemas que incluem mais do que um aluno. Desta vez, o eduquês (ou rol de inutilidades inventado por quem tem falta de terreno), que vem sempre de onde menos se espera, baptizou-os de prova final.

 

Num sistema com escala industrial, generalizar sem testar pode criar um peso burocrático que transforme um procedimento docimológico num pesadelo organizacional redundante, que apenas confirme o que já se sabia e que se vire contra o próprio como comprovam a história das correntes ideológicas e pedagógicas. E já que estamos em maré de exaustivas repetições, e para além de não nos devermos esquecer que a primeira regra para aferir a saúde de uma sociedade é verificar se a retórica coincide com a realidade, repito um post de há uns dias:


Discutir em que anos é que há exames, e em que disciplinas, é uma matéria interessante. Tornar a questão numa contenda ideológica só é possível em sociedades imaturas ou em crise (não estou a ser ingénuo, não). E como me tenho cansado de escrever, a nossa sociedade é a parte maior do problema.

 

Unknown.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 16:29 | link do post | comentar | ver comentários (16) | partilhar

Segunda-feira, 05.10.15

 

 

 

"E amanhã vão todos trabalhar porque foi para isso que votaram em nós", foi mais ou menos assim que Portas terminou ontem o discurso de vitória. Para além de impressionar a desfaçatez Para além de impressionar a desfaçatez e a habitual infantilização do outro, pode ser que haja algum recado a Cavaco Silva que decidiu faltar ao trabalho no dia da República que lhe permite ocupar o cargo. A não ser que o "vale tudo" de Portas considere a reflexão como actividade laboral.



publicado por paulo prudêncio às 13:45 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 29.07.15

 

 

 

Captura de Tela 2015-07-29 às 20.34.46.png

 

"Foram poucos os alunos que conseguiram passar depois de repetir os exames", diz o Público em referência aos exames dos 4º e 6º anos.

 

Fui ao histórico do blogue e encontrei uma notícia igual datada de 27 de Junho de 2014: "Apoio extra para alunos fracos a matemática e a português é um "engodo"". Sabemos que os exames são terreno fértil para a demagogia e o populismo nas sociedades atrasadas. Por isso são tão mediatizados. Mas vou colar "o que escrevi" há um ano e espero não o voltar a fazer no próximo.

 

"Nuno Crato, esse misturador do "além da troika" com o Eduquês II, aumentou o número de alunos por turma, cortou a eito em tudo o que achava não estruturante e acentuou a infernização da profissionalidade dos professores. Para além disso, criou, ou permitiu, uma catadupa de exames acrescentados de apoios no período pós-lectivo para as crianças com negativas. Os resultados do conhecido mais do mesmo são inequívocos: "foi uma espécie de engodo".

Achar que se recupera crianças com apoios entre Junho e Julho testados por uma segunda fase de exames, é algo só ao alcance do mix referido. Turmas mais pequenas, apoios ao longo do ano e professores motivados são ideias despesistas.(...)"



publicado por paulo prudêncio às 20:33 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Domingo, 26.07.15

 

 

 

Captura de Tela 2015-07-26 às 11.25.07.png

 

A receita da maioria lá vai andando de forma mais ou menos disfarçada. No concelho das Caldas da Rainha, podiam encerrar os dois colégios GPS que as turmas entravam em quatro escolas sublotadas que se encontram num raio de 1 km do colégio mais frequentado. 

 



publicado por paulo prudêncio às 11:26 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Domingo, 19.07.15

 

 

 

chaplin_1.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"O MEC e os sindicatos reuniram e concluíram: os professores do quadro do processo "colocados no vazio" que reclamem". Foi mais ou menos assim que há cerca de um mês se noticiou a saga dos professores do quadro que  foram colocados noutras escolas em vagas sem horário.

 

E repete-se a estupefacção kafkiana:

 

E se estão, naturalmente, satisfeitos com a nova colocação e não reclamam?

 

E se não estão, naturalmente, satisfeitos mas colocaram essa escola no concurso?

 

E como é que reclamam os que não correram e que passaram para horário zero porque o colocado com erro é mais graduado?

 

Nas seguintes seis variáveis encontramos explicação para a coisa:

 

1. o MEC errou no lançamento das vagas a concurso;

2. a aplicação informática está errada;

3. o Mec errou no apuramento das vagas;

4. as escolas erraram no planeamento;

5. as escolas erraram a lançar as vagas;

e 6. as escolas erraram no lançamento e o MEC não corrigiu mesmo que avisado.

 

Havendo esta objectividade, o MEC e os sindicatos passam a responsabilidade para os professores através do tal recurso hierárquico?

 

É impressionante a cultura portuguesa de apropriação do bem comum e de irresponsabilidade.



publicado por paulo prudêncio às 16:55 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 09.07.15

 

 

"Armando Vara detido no âmbito da investigação a Sócrates", diz o Público. Francamente: tenho a sensação que já li tantas detenções deste indivíduo, que já nem sei que diga. Recorda o caso "Vale e Azevedo" que chegou a ser detido quando saía da cadeia. Não tarda e passa a "Vara - o detido de serviço".



publicado por paulo prudêncio às 23:26 | link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar

Segunda-feira, 06.07.15

 

 

 

Inúmeros (sim, foram muitos e não se sabe quantos) professores dos quadros foram colocados, por erro, em vagas sem horário e restou-lhes o recurso hierárquico?

 

E se estão satisfeitos com a nova colocação e não reclamam?

 

E como é que reclamam os que não correram e que passaram para horário zero porque o colocado com erro é mais graduado?

 

Nas seguintes cinco variáveis encontramos explicação para a coisa:

1. o MEC errou no lançamento das vagas a concurso;

2. a aplicação informática está errada;

3. as escolas erraram no planeamento;

4. as escolas erraram a lançar as vagas;

e 5. as escolas erraram no lançamento e o MEC não corrigiu mesmo que avisado.

 

Havendo esta objectividade, o MEC e os sindicatos reuniram e passaram a responsabilidade para os professores através do tal recurso?

 

É impressionante a cultura portuguesa de apropriação do bem comum e de irresponsabilidade.

 

14040059_yEhzo.jpeg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:22 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 25.06.15

 

 

 

Como ontem interroguei, "professores do quadro concorreram e foram colocados noutras escolas em vagas sem horário?"

 

O Público diz hoje que os "sindicatos denunciam erros e injustiças nos concursos".

 

Lendo os depoimentos sobre o assunto, conclui-se: existem dois tipos de erros das escolas: de planeamento ou no lançamento digital das vagas a concurso. No segundo caso, o MEC não terá corrigido as solicitações para a reparação do erro.

 

Mas há erros do MEC: num possível lançamento digital das vagas ou no algoritmo da aplicação informática. Percebe-se que o processo errático tem uma grande dimensão e que os professores seriamente lesados (os que concorreram e os que não concorreram e ficaram com horário zero) não podem entrar em mobilidade especial. É o mínimo; mas mais: era uma boa oportunidade para acabar com esta praga dos horários zero.



publicado por paulo prudêncio às 14:51 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 21.06.15

 

 

 

 

É natural nos países europeus que as escolas encerrem para férias algumas vezes por ano de modo a que alunos, professores e outros profissionais escolares renovem as energias. É assim e ponto final. Em Portugal é diferente, é o grau sei lá o quê dos eufemismos: os "órgãos" das escolas dizem que interrompem para reflectir e os dos pais que querem os alunos a frequentar a escola durante 11 meses ao ano (e com férias nas escolas, digo eu).

 

Há em Portugal outra perda grave (com mais uns faz de conta à mistura): a autoridade escolar. Como se confunde legitimidade democrática com comunidade educativa e se tratam alunos e filhos como iguais e não como "o outro", a autoridade escolar vive num género de PRECeterno. A ideia do cliente escolar nivelou muito por baixo, como se comprovou.

 

O blogue Atenta Inquietude tem um bom texto, se me permitem, sobre o assunto em que acrescenta uma reflexão sobre a industria dos exames cratiana que tira ritmo às disciplinas "não estruturantes" durante uns cinco meses seguidos.

 

Encontrei um cartoon (já o vi noutras alturas) com uma boa análise da sociedade ausente que remete os tais 11 meses para a escola, como remete os problemas rodoviários, o empreendedorismo, o consumo das pastilhas elásticas, o uso excessivo das tecnologias em casa, a obesidade precoce pelas horas no sofá caseiro, o excesso de doces à venda no café da esquina, a hora tardia a que as crianças se deitam e tudo o que der trabalho a educar.

 

11392985_850746451681468_2126855054709667173_n.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 15:04 | link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar

Sexta-feira, 19.06.15

 

 

 

É preciso muita paciência, realmente, para o pânico cíclico da sonsice. Os sonsos não se enxergam mesmo e não aprendem. Esquecem-se que é preciso estudar qualquer coisita.

 

E depois é o habitual: tanto querem proteger os seus, mesmo que atropelem os restantes, que acabam por prejudicar os seus e os restantes. E depois andam num afã a passar pelos pingos da chuva, a acentuar as trapalhadas e a julgar que a mudança de discurso de acordo com os ouvintes é táctica de longa duração.



publicado por paulo prudêncio às 09:55 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
comentários recentes
A ideia de democracia implica optimismo e crença n...
Sem nem a ditadura mais tirânica consegue eliminar...
O grande desafio de uma sociedade democrática é es...
"Não posso ensinar a falar a quem não se esforça p...
Quando perguntei se a Ana leu mesmo o post não est...
Se não parecesse brincadeira de mau gosto, eu come...
Desculpe Ana, mas leu mesmo o post?Começa assim: "...
posts recentes

Do excesso de consumo?

Do lado mais comentador d...

E estranhamos a indiscipl...

mais duas baixas por habi...

À volta dos rankings de e...

ligações
posts mais comentados
tags

agrupamentos

além da troika

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

banda desenhada

bartoon

blogues

caldas da rainha

campanhas eleitorais

cartoon

cinema

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

crise mundial

crónicas

democracia mediatizada

desenhos

direito

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

exames

falta de pachorra

filosofia

finanças

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

mais do mesmo

manifestação

movimentos independentes

música

organização curricular

paulo guinote

política

política educativa

portugal

professores contratados

público-privado

queda de crato

queda do governo

rede escolar

sociedade da informação

tijolos do muro

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

sua excelência (2) (reedi...

sua excelência (1) (reedi...

subscrever feeds

web site counter
Twingly BlogRank
arquivo
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676
mais sobre mim