Em busca do pensamento livre.

Sexta-feira, 21.04.17

 

 

Nota: "(...)O fármaco da dura austeridade, como observaram vários economistas, em vez de curar o doente, enfraquece-o de modo ainda mais implacável. Sem se interrogarem sobre os motivos que levaram as empresas e os Estados a endividarem-se - estranhamente, o rigor não faz mossa à corrupção que prolifera e aos chorudos ordenados de ex-políticos, administradores, banqueiros e conselheiros! -, os múltiplos orquestrares desta deriva recessiva não estão nada perturbados com o facto de serem sobretudo a classe média e os mais cadenciados a pagar(...). Não significa que se fuja estupidamente à responsabilidade da situação. Mas também não é possível ignorar a destruição sistemática de qualquer forma de compreensão e de solidariedade, pois os bancos e os credores exigem sem piedade, como Shylosk em O Mercador de Veneza, o arratável de carne viva a quem não consegue regularizar a dívida.(...)". Nuccio Ordine (2013:07), "A utilidade do inútil", Faktoria de Livros.



publicado por paulo prudêncio às 16:20 | link do post | comentar | partilhar

 

 

Um título sugestivo como manual para a sobrevivência no estado organizacional das escolas portuguesas. Mas a leitura transporta-nos para outras paragens. É uma obra interessante.

 

image

 

image

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:27 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 17.04.17

 

 

"Não fiquem cansados tão depressa: o mal é mais tenaz do que o bem", é o título de mais um texto muito interessante de Pacheco Pereira. O discurso sobre o mal vem a propósito de "Trump é um perigo de dimensões mundiais e pode conduzir o mundo ao patamar de uma guerra". 

A contenda entre o mal e o bem continua sobreaquecida. O bem, e quem o promove, é odiado pelo mal que é persistente e usa disfarces sofisticados. É preciso estar atento, parece-me a preocupação mais evidente do texto de JPP. Miguel Real (2011:113), na "Nova teoria do mal", Lisboa, D. Quixote, tem uma passagem interessante, mesmo que algo pessimista:

"(...)O bem corresponde, assim, a tudo o que contribua, num tempo e num espaço civilizacionais, para a perseveração integral da especificidade de um ser, e o mal a tudo o que o impeça, frustre ou destrua. Na tensão entre a preservação e a destruição, só existem equilíbrios provisórios, não permanentes, o mal impera e vence sempre.(...)"



publicado por paulo prudêncio às 21:48 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 10.04.17

 

 

 

Maria Helena da Rocha Pereira (1925-2017)

 

mhrp

 



publicado por paulo prudêncio às 20:38 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 07.03.17

 

 

 

Os totalitarismos estabelecem-se através de leis. Desde logo, com as que são impossíveis de cumprir. Com a velocidade legisliva, é natural que os destinatários se interroguem com a vigência. Faz tempo que o direito abandonou a visão positivista do primado absoluto da lei para integrar uma concepção mais moderna que se pode designar por um "ir e vir constante entre a norma e o caso". Nesse sentido, as fontes que socorrem a capacidade de decisão dos juízes continuam a ser as normas, mas também a jurisprudência e a jurisprudência dogmática (ou doutrina). Ou seja, para além das normas deve considerar-se cada caso em si e também a ciência jurídica produzida pelos jurisconsultos.

 

Importa sublinhar que os totalitarismos não se estabelecem sem a "presença" (nem que seja por alheamento) da maioria das pessoas. As sociedades vão criando um caldo propício às ditaduras, venham elas donde vierem. Desde logo, e como foi dito, pela construção de leis impossíveis de cumprir, mas também por práticas anti-democráticas. Podemos pegar em muitos exemplos. São casos de "impossibilidade" que criaram um estado de sítio legislativo. Em muitos casos, só o fingimento permite o "cumprimento" legal.

 

Para a partilha no facebook acrescentei:

 

Estranhei o conteúdo inocente na SIC (nem sabia e recorri à box). Um juiz tão naïf? E esta mediatização agora? Este nonsense? Acabei de ler a entrevista ao Expresso (dada antes da outra) e percebi muito mais. "Querem afastar-me de tudo; estou cercado; sou escutado; tenho manuais de espiões à porta; decidi falar; são alocados tostões à justiça e milhões à recuperação bancária". Sim; o Juiz Carlos Alexandre pode ser acusado de estar aos papéis em alguns processos, e daí a mediatização, mas a sua narrativa é tão interessante. Sei lá: aconselho a obra maior de Laurence Sterne (e da literatura), "A vida e opiniões de Tristram Shandy". Nota: quando, e durante meses, ou anos, a fio, ligamos a determinados amigos (mais ainda se forem bloggers) e as chamadas são ruidosas e difíceis, e não raramente vão parar ao voice mail, significa que estamos a ser escutados? E anda uma pessoa a trocar de telefone e a dizer mal do hardware:)

Usei parte deste texto noutro post.

1ª edição em 16 de Setembro de 2016.

 

19216379_JmfWW

 



publicado por paulo prudêncio às 21:47 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

image

 



publicado por paulo prudêncio às 12:26 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 12.02.17

 

 

image

 

Contactei a primeira vez com a formulação em título nos conselhos, sensatos para aquele contexto, diga-se, para sobreviver nos comandos: não te distingas, sê discreto e passa o mais possível despercebido. Vem isto a propósito dos especialistas que aconselham a enésima reforma de sentido único do estado social e para a conversão à absolutização da estatística.

A sugestão para o tempo militar não subscreveu os modelos do tipo BPN ou BES. Nem as instâncias internacionais de supervisão detectaram milhares de milhões em fuga porque só tiveram olhos para a média; para o homem médio.

Para Quételet "(...)o homem médio é para a nação o que o centro gravidade é para um corpo(...)". Há quem entenda que se deve levar muito a sério esta metáfora. O homem médio pode resumir todas as forças vivas de um país, coligando-as numa espécie de massa única.

Os modelos assentes na obstinação estatística, e que socorreram a troika, advogam uma excelência da média como tal, seja na ordem do bem ou do belo: "(...)O mais belo dos rostos é aquele que se obtém ao tomar a média dos traços da totalidade de uma população, do mesmo modo que a conduta mais sábia é aquela que melhor se aproxima do conjunto de comportamentos do homem médio(...)", disse ainda Quételet quando reflectia sobre a génese dos totalitarismos. Ou seja, é fundamental que as políticas olhem mesmo para além da média antes que esta se desloque para o extremo de mais baixos rendimentos.



publicado por paulo prudêncio às 22:22 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

 

 

 

Cavaco Silva foi célebre na "apresentação das memórias" sobre o tempo recente. O livro terá como título "Quinta-feira e outros dias". Aguarda-se, e já agora estranha-se o atraso, o livro de memórias sobre o tempo do BPN e das suas companhias como primeiro-ministro e chefe do PSD. Ou será que Paula Rego foi premonitória no revisionismo?

 

10569786_YTiQQ

 

"Na companhia de mulheres". Paula Rego.



publicado por paulo prudêncio às 17:01 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 03.02.17

 

 

 

"(...)Baudolino estava de facto a contar a Niceta o que havia calado a Beatriz, ou seja, que estava a tornar-se um desses clérigos que estudavam as artes liberais em Paris, ou jurisprudência em Bolonha, ou medicina em Salemo, ou magia em Toledo, mas em parte nenhuma aprendiam os bons costumes, Niceta não sabia se havia escandalizar-se, espantar-se ou divertir-se.(...)"

 

Umberto Eco

Baudolino (2016:75)

Gradiva, Lisboa.

 

image

 



publicado por paulo prudêncio às 11:06 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 02.02.17

 

 

 

 

A nona elegia.


Porquê, se é possível viver o prazo da existência,
até ao seu termo, como loureiro, um pouco mais escuro do que
todos os outros tons de verde, com pequenas ondas no rebordo
da folhagem (como o sorriso de um vento) -: porquê então esta
forçosa existência humana -, e, evitando o destino,
ter saudades do destino?...

(continua)




Rainer Maria Rilke.
As Elegias de Duíno,
Tradução de Maria Teresa Dias Furtado,
Assírio & Alvim.



publicado por paulo prudêncio às 10:10 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 02.01.17

 

 

 

Com todos os riscos de quem retira do contexto uma passagem, não resisto a citar Ulrich Beck (2015:22) "Sociedade de risco mundial - em busca da segurança perdida", Lisboa, Edições 70,

 

"(...)o risco constitui o modelo de percepção e de pensamento da dinâmica mobilizadora de uma sociedade, confrontada com a abertura, as inseguranças e os bloqueios de um futuro produzido por ela própria e não determinada pela religião, pela tradição ou pelo poder superior da natureza, mas que também perdeu a fé no poder redentor das utopias.(...)".

 

A perda da "fé no poder redentor das utopias" indicia um risco de decadência se não se circunscrever ao inevitável cinismo com que a maturidade olha para a prevalência do mal. Se a descrença nas utopias e no combate às desigualdades atravessar todas as gerações, a decadência entranha-se; como a história, de resto, já nos explicou.

 

www.cartoonstock.com/cartoonview.asp?catref=cgo0149

 



publicado por paulo prudêncio às 21:39 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 30.12.16

 

 

 

"(...)A História distingue-se da Pré-História quando começou a informação escrita. Acho que daqui a 100 anos as pessoas vão olhar para trás e dizer que até ao segundo milénio estávamos na Pré-História. O que sabemos dos gregos é o que Heródoto e mais alguns escreveram. Mas só agora estamos finalmente a registar tudo e vai ser possível compreender muito melhor o presente.(...)"

 

 

Pedro Domingos, Revista do Expresso 

de 13 Agosto de 2016:23

Autor de "The Master Algorithm"



publicado por paulo prudêncio às 11:50 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 28.12.16

 

 

 

 

Foto em 26-12-16 às 20.46

 



publicado por paulo prudêncio às 11:47 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 01.12.16

 

 

 

"A vegetariana" de Han Kang é o meu livro de 2016, mesmo que outro me surpreenda no que resta do ano. Numa conservadora atmosfera sul-coreana, Yeong-hye, "uma mulher absolutamente normal, que não era bonita nem feia, que fazia as coisas sem entusiasmo de maior, mas que nunca reclamava, e que deixava o marido viver a sua vida sem sobressaltos como ele sempre gostara", deixou, no dia em que teve um pesadelo terrível, de comer carne; e de a cozinhar. Provocou uma revolução relacional dentro e fora de casa. Terminou classificada como louca, como um qualquer Giordano Bruno. É um romance tão inesquecível que merece um segundo post.

 

29732538183_a47dc17c94

 



publicado por paulo prudêncio às 20:52 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 04.11.16

 

 

 

 

Venho do imperdível e dilacerante romance de Han Kang, "A Vegetariana", e entro no prometedor "O Passageiro Walter Benjamin" de Ricardo Cano Gaviria. A literaratura é exigente mas inigualável. A construção da imagem do que vamos lendo é mesmo um exercício maior e isto escrito por um pequeno cinéfilo que vem de um duríssimo, mas não menos imperdível, "Julieta" de Pedro Almodóvar.

 

image

 



publicado por paulo prudêncio às 10:03 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 29.10.16

 

 

 

"Os clássicos são livros de que se costuma ouvir dizer: "estou a reler..." e nunca: "estou a ler..."; um clássico é um livro que nunca acabou de dizer o que que tem a dizer; os clássicos são livros que quanto mais se julga conhecê-los por ouvir falar, mais se descobrem como novos, inesperados e inéditos ao lê-los de facto; é clássico o que tiver tendência para relegar a actualidade para categoria de ruído de fundo, mas ao mesmo tempo não puder passar sem esse ruído de fundo"(...).

 

 

Italo Calvino (1991), "Porquê ler os clássicos?" 

tradução de José Colaço Barreiros, 

edição da Teorema

 

calvino_italo-19810625-2_png_300x307_q85

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:18 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 26.10.16

 

 

 

"Se o sentido da política é a liberdade, isso significa que neste âmbito - e em nenhum outro - temos o direito de esperar milagres. Não porque sejamos supersticiosos, mas porque, na medida em que podem actuar, os homens têm condições para realizar o inverosímil e incalculável e porque habitualmente o realizam quer saibam quer não." 

 

Hannah Arendt (1906-1975



publicado por paulo prudêncio às 18:31 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 16.10.16

 

 

 

Só lendo. Mas "(...)O júri, presidido por Boyd Tonkin, jornalista do The Independent, e composto pela antropóloga e escritora Tahmina Anam, pela poeta Ruth Padel e pelos académicos David Bellos e Daniel Medin, considerou a história que marca a estreia de Han Kang no mercado de língua inglesa, tão “lírica” quanto “dilacerante”. Uma mulher revolta-se quando essa decisão é o que menos se espera dela. Estamos no quotidiano sem ambições de um casal sul-coreano de classe média sem outras ambições que não o dia-a-dia sem nada assinalar. Yeong-hye, assim se chama a protagonista, decide tornar-se vegetariana e esse acto torna-se sobretudo político, muito mais do que uma simples atitude de consequências aparentemente domésticas.(...)"

 

Captura de Tela 2016-10-16 às 17.22.01

 



publicado por paulo prudêncio às 17:23 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 14.10.16

 

  

 

"O Velho e o Mar"”, de Ernest Hemingway (1952), é uma obra-prima do Nobel da Literatura de 1954. Li-o, a primeira vez, na adolescência (a minha época do "Moby Dick", de Herman Melville o autor do fascinante “Bartleby”). Recordo-o como contemporâneo das letras que Bob Dylan, o Nobel da Literatura de 2016, musicava. São "romances" paralelos, se me permitem. A actualidade certifica o fenómeno. "O Velho e o Mar"” retrata a amizade de um velho e pobre pescador com um rapaz. Tudo acontece no dia em que o velho, que há muito nada pescava, se confrontou com o peixe da sua vida. Chegou a terra apenas com o esqueleto de um espadarte delapidado por tubarões. Está tudo ali. 

Não resisto a transcrever um pedaço da tradução de Jorge de Sena:

- Que tens para comer? – perguntou o rapaz. 
- Um tacho de arroz de peixe. Queres? – perguntou o velho. 
- Não. Como em casa. Queres que eu acenda o lume? 
- Não. Acendo-o eu depois. Ou como o arroz frio.
- Posso levar a rede? 
- Claro que podes.

Não havia rede, o rapaz lembrava-se de quando a tinham vendido, mas todos os dias representavam esta cena. Também não havia tacho de arroz, o que o rapaz também sabia. 

 

14163678_OWvne 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:02 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 13.10.16

 

 

 

É, no mínimo, muito interessante. Conheço, naturalmente e há muito, a obra musical, mas era um nome que não imaginava para o Nobel da Literatura. Se isto significa uma "qualquer mudança dos tempos" é que já me recuso a concluir. Bem, o planeta gira diariamente, mas não é a isso que me refiro.

 

Captura de Tela 2016-10-13 às 17.51.55

 



publicado por paulo prudêncio às 17:52 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 08.09.16

 

 

 

"- Se ficasses a beber vinho tinto italiano até às três da manhã, ias ver que também tinhas visões." Respondeu o velho padre ao aluno que aludia ao boato das visões místicas do papa Pio (1955); em DeLillo, Don (2010:547), "Submundo", Sextante Editora, Lisboa.

Captura de Tela 2016-09-07 às 16.02.24

 Fotografia de Luís Moreira



publicado por paulo prudêncio às 10:07 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 04.09.16

 

 

 

 

  

Talvez o melhor livro de Italo Calvino (a cada leitura mais isso se acentua)

Joseph Stiglitz (justifica sempre quando é alguém do lado dos fracos e ponto final).

 



publicado por paulo prudêncio às 18:09 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 31.08.16

 

 

 

Impressões da situação no Brasil

 

"(...)Às vezes, ela chamava àquele prato a sua mousse de frango com gelatina, outras vezes chamava-lhe mousse de gelatina e frango. Eis mais uma de entre mil e uma facetas práticas da gelatina. A palavra encaixa em qualquer lado, no princípio, no fim ou no meio. Era uma palavra semelhante a um botão, basta premir e já está, à imagem de tantas outras coisas hoje em dia, o mundo inteiro a desvendar-se atrás de um botão, basta premir.(...)"

 

mousse-de-frango-f8-6357.jpg

DeLillo, Don (2010:527). "Submundo". Sextante Editora. Lisboa.

 



publicado por paulo prudêncio às 18:13 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 17.08.16

 

 

 

 

Não aprecio multidões e há muito que perdi a paciência para estádios. Encontrei uma passagem interessante sobre essa "fuga" que "homenageia" o saltador francês (Renaud Lavillenie, medalha de bronze no salta à vara do Rio2016).

 

17277041_ur8rA.jpeg

 

DeLillo, Don (2010:94). "Submundo". Sextante Editora. Lisboa.



publicado por paulo prudêncio às 20:39 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 13.08.16

 

 

 

 

"(...)A História distingue-se da Pré-História quando começou a haver informação escrita. Acho que daqui a 100 anos as pessoas vão olhar para trás e dizer que até ao segundo milénio estávamos na Pré-História. O que sabemos dos gregos é o que Heródoto e mais alguns escreveram. Mas só agora estamos finalmente a registar tudo e vai ser possível compreender muito melhor o presente.(...)"

 

 

Pedro Domingos, Revista do Expresso

de 13 Agosto de 2016:23

Autor de "The Master Algorithm"

 



publicado por paulo prudêncio às 17:55 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 08.08.16

 

 

 

 

"Vida e morte do sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação" é o título de um livro de Diane Ravitch, ex-secretária de Estado na administração do Bush mais crescido; bem à direita, portanto. A ex-governante tem outra obra fundamental, "Reign of Error: The Hoax of the Privatization Movement and the Danger to America's Public Schools" (qualquer coisa como: o reinado do erro: A farsa do movimento de desestatização e o perigo para as escolas públicas da América). 

 

Na primeira obra citada,

"(...)Diane Ravitch expõe de forma acessível e detalhada a evolução das reformas de mercado no sistema escolar dos Estados Unidos nas últimas décadas, criticando os seus pressupostos ideológicos e denunciando os seus resultados, que contribuíram para agravar a crise da educação pública americana.(...)A autora adota uma postura sincera e corajosa ao rever as suas posições e admitir que as soluções de mercado não estão alcançando as melhorias esperadas no desempenho dos alunos. Os EUA permanecem estagnados em avaliações nacionais (Naep) e internacionais (Pisa).3 Para além dos números, a crítica mais fundamental de Ravitch é que essas soluções de mercado estão erodindo os valores públicos e a própria educação pública, que ela advoga como uma instituição essencial para a democracia e para a constituição de uma nação economicamente forte e repleta de oportunidades. Ela manteve sua posição em defesa da escola pública e das referências curriculares. Permanece endossando que o sistema educacional defina claramente seus objetivos, através de um currículo rico e coerente que englobe uma formação abrangente, além das habilidades básicas, que têm sido o alvo restrito dos testes atuais. No início do livro, ela analisa como as novas reformas se distanciaram dessa preocupação fundamental com o currículo e passaram a acreditar que mudanças na gestão e na estrutura do sistema seriam prontamente a solução para os problemas da educação. Os princípios empresariais de gestão e contratação de profissionais, escolha, recompensas e punições para incentivar a força de trabalho, decisões e metas baseadas em um bom sistema de dados, passam a ser soluções por si mesmas, negligenciando as dimensões pedagógica e política da educação.(...)"



publicado por paulo prudêncio às 18:46 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 06.08.16

 

 

 

A imagem seguinte é de uma Praza Miguel de Cervantes, em Santiago de Compostela, em homenagem ao inigualável, e incansável, combatente de moinhos de vento. É uma Praza pequenamovimentada e com um busto do genial criador de "D. Quixote" ao centro.

IMG_0263.jpg

Se nos aproximarmos da placa com o nome da Praza encontramos outras, que se "sobrepõem" à de Cervantes, que têm uma curiosa associação que foi determinante para o escritor que muitos consideram o autor do primeiro romance moderno e seguramente um importante clássico de toda a literatura e, obviamente, da "língua de Cervantes". Repare-se então na associação em forma de interrogação: o idioma que nos calha em sorte é uma loteria determinante para as romarias da vida?

Cópia de IMG_0263.jpg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 15:18 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 05.08.16

 

 

 

 

Na imprevisibilidade do comportamento da Massa, a "segurança" aconselha a não constituição e muito menos o aumento.

 

"(...)Nada o homem receia mais do que ser tocado pelo desconhecido. Uma pessoa quer ver aquilo que lhe toca, quer ser capaz de o reconhecer ou, pelo menos, de o situar. Em toda a parte, o homem evita ser tocado pelo desconhecido. Sobretudo de noite ou no escuro, um contacto inesperado pode levar o susto a transformar-se em pânico. Nem mesmo a roupa garante segurança suficiente, já que é tão fácil rasgá-la, já que é tão fácil penetrar até à carne nua, macia e indefesa do agredido!

Todas as distâncias que os homens criaram em seu redor foram ditadas por esse receio de contacto. As pessoas encerram-se em casas, nas quais ninguém pode penetrar, e só dentro delas se sentem mais seguras.(...)É só na massa que o homem se pode libertar desse receio de contacto. É a única situação em que esse temor se transforma no seu contrário.(...)"

 

Canetti, Elias, (2014:13,14). "Massa e Poder". Cavalo de Ferro. Lisboa.



publicado por paulo prudêncio às 09:49 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 26.07.16

 

 

 

"(...)Às vezes, ela chamava àquele prato a sua mousse de frango com gelatina, outras vezes chamava-lhe mousse de gelatina e frango. Eis mais uma de entre mil e uma facetas práticas da gelatina. A palavra encaixa em qualquer lado, no princípio, no fim ou no meio. Era uma palavra semelhante a um botão, basta premir e já está, à imagem de tantas outras coisas hoje em dia, o mundo inteiro a desvendar-se atrás de um botão, basta premir.(...)"

 

{4BBEED95-421E-4A3D-992E-B6FAC3B2AB1E}_mousse.jpg

  

DeLillo, Don (2010:527). "Submundo". Sextante Editora. Lisboa.



publicado por paulo prudêncio às 10:29 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 25.07.16

 

 

 

"(...)O gesto é extremo porque o espírito está a cessar a sua actividade. É o fim da consciência. É por isso que o corpo fica destrambelhado. O corpo mostra-nos o que está a acontecer ao espírito. Assim como a amargura de uma pessoa lhe verga o corpo. É este o aspecto físico da consciência. É assim que ela se debate e se agita com brutalidade, quando o fim é súbito e violento e o espírito não está preparado.(...)"

9789896760144.jpg

 

DeLillo, Don (2010:521). "Submundo". Sextante Editora. Lisboa.



publicado por paulo prudêncio às 11:41 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 22.07.16

 

 

 

 

"Em comunicado, as autoridades pedem a não divulgação de vídeos ou fotos do acto terrorista", repetem as televisões imediatamente a seguir à apresentação do vídeo amador mais oportuno. Os actos terroristas têm uma ocorrência quase diária, hoje é em Munique, e os canais de cabo já só têm que programar as horas sobrantes. O mal faz sempre o seu caminho, como lemos na história e temos registado nestes tempos de triunfo do neoliberalismo como caminho ideológico único.

 

Captura de Tela 2016-07-22 às 20.28.18.png

 



publicado por paulo prudêncio às 20:17 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 08.05.16

 

 

Jorge Sampaio reagiu de imediato, e com indignação, às declarações de Durão Barroso que responsabilizam o ex-presidente na invasão do Iraque. É um assunto com importância histórica. Quem se interessa por estes assuntos, deve ler, e se me permitem, o muito bom romance de Clara Ferreira Alves, "Pai Nosso", que é demolidor para Durão Barroso.



publicado por paulo prudêncio às 19:31 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

image.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 17:27 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 30.04.16

 

 

 

A poesia de Rainer Maria Rilke não é fácil. Exige leitura repetida. O resultado é sempre sublime. É um dos meus poetas preferidos.

 

Uma das suas obras maiores, "As elegias de Duíno", confunde-se com a aura do local onde o poeta a iniciou: o castelo de Duíno, que se situa perto da cidade de Trieste e sobre o mar Adriático.

 

Deixo-vos uma parte - na tradução de Maria Teresa Dias Furtado - da primeira elegia.

 

  

Se eu gritar quem poderá ouvir-me, nas hierarquias

dos Anjos? E, se até algum Anjo de súbito me levasse

para junto do seu coração: eu sucumbiria perante a sua

natureza mais potente. Pois o belo apenas é

o começo do terrível, que só a custo podemos suportar,

e se tanto o admiramos é porque ele, impassível, desdenha

destruir-nos. Todo o Anjo é terrível.

 

Por isso me contenho e engulo o apelo

deste soluço obscuro. Ai de nós, mas quem nos poderia

valer? Nem Anjos, nem homens,

e os argutos animais sabem já

que nós no mundo interpretado não estamos

confiantes nem à vontade. Resta-nos talvez

uma árvore na encosta que possamos rever

diariamente; resta-nos a rua de ontem

e a fidelidade continuada de um hábito,

que a nós se afeiçoou e em nós permaneceu.

 

Oh, e a noite, a noite, quando o vento, cheio de espaço do universo

nos devora o rosto -, por quem não permaneceria ela, a desejada,

suavemente enganadora, que com tanto esforço se ergue em frente

do coração isolado? Será ela para os amantes menos dura?

Ah, um com o outro eles se ocultam da sua própria sorte, apenas.(...)



publicado por paulo prudêncio às 11:23 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 27.04.16

 

 

image.jpeg

 

 

A espiral recessiva foi atenuada pela acção do tribunal constitucional. A história lá se encarregará de explicar. Talvez ajude a leitura seguinte:

 

"(...)O mesmo é válido na crise decorrente, em que uma das reações espontâneas à mesma é recorrer a uma diretriz de senso comum: "As dívidas têm de ser pagas!", "Não se pode gastar mais do que se produz!" ou algo parecido - e isto, claro está, é a pior escolha que se pode fazer, uma vez que, deste modo, se é imediatamente apanhado numa espiral descendente.(...)"

 

Zizek (2014:45),
em "Problemas no paraíso"



publicado por paulo prudêncio às 17:19 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

image.jpeg

 

 

O texto de John Searle que se encontra no livro "Mente, Cérebro e Ciência" pode ajudar a explicar o desinvestimento (que também se expressa nas inutilidades que o poder central exporta incessantemente) na escola pública em Portugal.

Fica-se com a ideia que os sucessivos governantes não conhecem a semântica que envolve as escolas portuguesas: ficam, quando muito, pela sintaxe.

Ora leia. 


"A razão por que nenhum programa de computador pode alguma vez ser uma mente é simplesmente porque um programa de computador é apenas sintáctico, e as mentes são mais do que sintácticas. As mentes são semânticas, no sentido de que possuem mais do que uma estrutura formal, têm um conteúdo.
Para ilustrar este ponto, concebi uma certa experiência intelectual. Imaginemos que um grupo de programadores de computador escreveu um programa que capacitará um computador para simular a compreensão do chinês. Assim, por exemplo, se ao computador se puser uma questão em chinês, ele conferirá a questão com a sua memória ou a base de dados e produzirá respostas apropriadas para as perguntas em chinês. Suponhamos, em vista da discussão, que as respostas do computador são tão boas como as de um falante chinês nativo. Ora bem, entenderá o computador, nesta base, o chinês tal como os falantes chineses entendem o chinês? Bem, imaginemos que alguém está fechado num quarto e que neste quarto há vários cestos cheios de símbolos chineses. Imaginemos que alguém, como eu, não compreende uma palavra de chinês, mas que lhe é fornecido um livro de regras em português para manipular os símbolos chineses. As regras especificam as manipulações dos símbolos de um modo puramente formal em termos da sua sintaxe e não da sua semântica. Assim a regra poderá dizer: «Tire do cesto número 1 um símbolo esticado e ponha o junto de um símbolo encolhido do cesto número 2.» Suponhamos agora que alguns outros símbolos chineses são introduzidos no quarto e que esse alguém recebe mais regras para passar símbolos chineses para o exterior do quarto. Suponhamos que, sem ele saber, os símbolos introduzidos no quarto se chamam «perguntas» feitas pelas pessoas que se encontram fora do quarto e que os símbolos mandados para fora do quarto se chamam «respostas às perguntas». Suponhamos, além disso, que os programadores são tão bons a escrever programas e que alguém é igualmente tão bom em manipular os símbolos que muito depressa as suas respostas são indistinguíveis das de um falante chinês nativo. Lá está ele fechado no quarto manipulando os símbolos chineses e passando cá para fora símbolos chineses em resposta aos símbolos chineses que são introduzidos. [...].
Ora, o cerne da história, é apenas este: em virtude da realização de um programa formal de computador, do ponto de vista de um observador externo, esse alguém comporta se exactamente como se entendesse chinês, mas de qualquer modo não compreende uma só palavra de chinês. [...] Repetindo, um computador tem uma sintaxe, mas não uma semântica. Tudo o que a parábola do quarto chinês pretende é lembrar um facto que já conhecíamos. Entender uma língua ou, sem dúvida, ter estados mentais, implica mais do que a simples posse de um feixe de símbolos formais. Implica ter uma compreensão ou um significado associado a esses símbolos. (John Searle, Minds, Brains and Science, Cambridge [Mass.], Harvard University Press, 1984, pp.31-33; Mente, Cérebro e Ciência, trad.port., Lisboa, Ed.70, 1987, pp.39-41).



publicado por paulo prudêncio às 09:42 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 23.04.16

 

 

"On bullshit”" é o título do livro do filósofo americano Harry Frankfurt. Na tradução portuguesa ficou "a conversa da treta”". Apesar da enorme quantidade do fenómeno, não há, diz o autor, estudos profundos sobre o tema. 

Não existe uma teoria geral do “bullshit”, o que é paradoxal considerando a sua ubiquidade. Reconhece-se que é uma ameaça mais insidiosa para a verdade do que a mentira, uma vez que não tem qualquer preocupação com o rigor. O “bullshit” é objecto de uma estranha tolerância, enquanto que a mentira é vista sem benevolência. “A principal razão para o seu aumento é o facto da sociedade exigir que todos tenham opinião sobre tudo, mesmo sobre aquilo que desconhecem. É evidente que o mundo da comunicação social, e das redes sociais, constitui um abundante caldo de cultura “bullshit “”.  

 

 

onbullshit.gif

 



publicado por paulo prudêncio às 16:17 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 20.04.16

 

 

A crítica ao eurocentrismo anuncia a "criação de uma universidade por semana numa China que olha para a Europa como um futuro museu". E parece que já não é apenas a China que atribui esse destino ao velho continente. 

 

Slavoj Zizek (2014:31), em "Problemas no paraíso", tem uma passagem que ajuda à reflexão: 

 

"(...)Portanto, encontramos, na Coreia do Sul, um desempenho económico de topo mas com um ritmo de trabalho de intensidade frenética; um paraíso de consumo desenfreado mas atravessado pelo inferno da solidão e do desespero; riqueza material abundante mas com a desertificação da paisagem; a imitação de tradições ancestrais mas a maior taxa de suicídio do mundo. Esta ambiguidade radical perturba a imagem da Coreia do Sul como derradeira história de sucesso da actualidade - sucesso, sim, mas que tipo de sucesso?(...)"



publicado por paulo prudêncio às 11:05 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 13.04.16

 

 

"A terceira guerra já está curso pela Ásia e África. Só que é dividida em partes e não se nota tanto." Este facto que ouvi na TSF parece alastrar-se. Pela Europa e Américas, e também por cá e basta observar o que nos rodeia, estamos em francos preparativos. Clara Ferreira Alves (2015:421), em "Pai Nosso", tem uma passagem de arrepiar:

"(...)Nunca peça a um judeu para ser neutral. Veja o que a neutralidade nos fez. Nunca tomámos partido e veja como acabámos. Nos fornos. Nas valas. Amontoados. Que faria num mundo sem guerra?(...)"



publicado por paulo prudêncio às 10:52 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 04.04.16

 

 

 

Têm-me solicitado que explique melhor os mais 750 milhões de euros por ano motivados pela redução de alunos por turma.

 

Imaginemos que, em 2013, Nuno Crato não era ministro e se candidatava a director de uma escola. Com o modelo em curso, Nuno Crato, para quem "uma turma com 30 alunos pode trabalhar melhor do que uma com 15. Depende do professor e da sua qualidade", teria todo o apoio do MEC, e bastava-lhe o de uma minoria da "comunidade escolar", para constituir turmas com esse número; e até por excesso e nunca por defeito, naturalmente. Beneficiaria de todas as possibilidades legais para "obrigar" os professores às suas descobertas. É precisamente por causa de casos destes, em que Portugal é fértil, que deve existir um limite máximo legal de alunos por turma.

 

A estimativa de custos da página 45, os tais 753.290 milhões, do estudo do CNE, carece, desde logo, da observação de uma passagem de Adam Smith (2010:80) em Riqueza das Nações: alunos não são alfinetes.

 

Se usássemos uma regressão linear múltipla e se considerássemos os alunos por turma a variável dependente e incluíssemos o número de salas, de escolas, de professores por turma, de alunos por escola e por ano de escolaridade, de professores com insuficiência de serviço e por aí fora como variáveis independentes, verificaríamos da complexidade de se chegar a conclusões numéricas como as que são apresentadas no estudo do CNE.

 

O estudo tem a virtualidade, da página 30 à 41 no capítulo 5, de explicar a sensatez que é reduzir gradualmente o limite máximo de alunos por turma e até de acordo com o parágrafo da página 6, da autoria de David Justino, que é mais avisado do que as conclusões da página 45: "(...)A manutenção do controlo burocrático e centralizado da constituição de turmas deveria naquele contexto dar lugar a um critério mais geral de distribuição de recursos cuja afetação seria da inteira responsabilidade das escolas e agrupamentos, em função das características dos seus alunos e das opções de desenvolvimento educativo consagradas nos seus projetos educativos(...)".

 

A lei em vigor estabelece um limite máximo que não é cumprido pela maioria das turmas dos diversos ciclos, como é o caso que apresento no gráfico que acompanha o post. Se Nuno Crato, por absurdo, dirigisse todas as escolas do país, usaria a metodologia do estudo do CNE, encheria as turmas de acordo com a lei que fez aprovar, cortaria mais uns 10 a 20% no depauperado orçamento da Educação e teria direito a umas belas férias no Panamá financiadas pelas farmacêuticas da área da burnout.

 

Captura de Tela 2016-04-04 às 15.56.56.png

 



publicado por paulo prudêncio às 16:37 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
comentários recentes
Oh Caríssimo Mário. Muito obrigado. Quem diria. Re...
Muito obrigado António. É bom integrar uma blogosf...
Caro Paulo,Parabéns que felizmente se repetem ano ...
Parabéns ao Correntes, que julgo ser o decano da b...
podem não aumentar salários mas têm de permitir pr...
Muito obrigado pelas palavras Miguel e aquele abra...
ligações
posts mais comentados
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

subscrever feeds
arquivo
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676
mais sobre mim