Em busca do pensamento livre.

Domingo, 21.05.17

 

 

 

1133562

Cópia de 1133562

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 11:56 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 12.05.17

 

 

 

"Se apresentar joelhos esfolados ou bolhas nas extremidades inferiores do objecto de profanação, o corpo, tem mais três dias de tolerância de ponto". Ouvi a informação bem humorada, convenhamos, e ainda não a confirmei. Pareceu-me que a bênção, a exemplo da já confirmada, não excluirá os professores por serem muitos.

Não é a primeira vez que a Geringonça não excluí os professores por serem muitos. Foi assim com a reposição salarial no ímpeto inicial da governação (embora o líquido mensal esteja inamovível), que não excluiu os professores por serem muitos. Contudo, quando se fala que em muitos casos o descongelamento de carreiras atingirá dois escalões, excluem-se os professores por serem muitos; quando se projectam reformas voluntárias favoráveis, excluem-se os professores por serem muitos; quando se recupera dignidade no estatuto das carreiras, excluem-se os professores por serem muitos; quando se defende o princípio inalienável dos profissionais votarem nas instituições que servem, excluem-se os professores por serem muitos. Abençoemos, então, o dia de hoje. No caso, que não será o meu, de o leitor se exaltar na adenda descrita no início, sugiro o link por baixo da imagem.

 

Nota: dizem-me que o Diabo está novamente desiludido depois de fazer bolhas nas extremidades superiores do objecto de profanação por tanto esfregar as mãos. Porquê? Porque desejou que a Geringonça não tolerasse o ponto.

 

bolhas-nos-pes-5

 

Guia completo para o tratamento das bolhas (também se aplica a joelhos esfolados)



publicado por paulo prudêncio às 14:25 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 10.05.17

 

 

 

 

 

 

mw-960

 

Requer atenção, muita atenção, às faces e aos detalhes.

Imagem encontrada na internet sem referência ao autor.



publicado por paulo prudêncio às 17:41 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 05.05.17

 

 

 

 

18301262_1037308343069119_8074149789474343030_n

Antero



publicado por paulo prudêncio às 14:08 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 04.05.17

 

 

 

 

1128850

Cópia de 1128850

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 18:23 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 26.04.17

 

 

 

1126708

Cópia de 1126708

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 09:57 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 04.04.17

 

 

Houve uma fase em que os bancos eram avaliados nos testes de stresse; nem sei se ainda o são, tal o surreal da coisa. Havia uma espécie de variável independente (dito assim em registo humorado): banco aprovado no stresse falia de seguida; lembro-me de um que obteve um excelente imediatamente antes da queda.

Os contribuintes também desconfiam dos elogios dos presidentes da República aos bancos. Sempre que os PR´s se metem nisso, o resultado é oposto. 

 

1121756

Cópia de 1121756

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 17:21 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 19.03.17

 

 

 

32915586116_0ac346ed59

 

Antero



publicado por paulo prudêncio às 20:47 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 15.03.17

 

 

 

1116690

Cópia de 1116690

 

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 16:07 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 10.03.17

 

 

 

Estas epifanias são cíclicas e podemos esperar como a proposta do Francis Bacon: sentados. Lembro-me de um pico semelhante em 2004 que foi o ano em que comecei o blogue. Receei que não tivesse registado o momento, mas não. Em 27 de Maio de 2004 escrevi assim e os resultados são conhecidos no presente (é muito interessante a plêiade de especialistas):


"Não foi fácil. Só ao terceiro encontrei a auto-estima. Passei pelo que estava mais à mão, o da Porto Editora, um só volume, e nada. Fui ao grande dicionário da língua portuguesa, do Círculo de Leitores, seis volumes, e zero. Não desisti. Recorri ao Houaiss da língua portuguesa, também do Círculo de Leitores, seis volumes, seguramente os mais pesados e por isso ficaram para o fim, e lá encontrei: qualidade de quem se valoriza, de quem se contenta com o seu modo de ser e demonstra confiança nos seus actos e julgamentos

A minha dúvida não estava tanto no significado. Situava-se mais na questão da palavra composta o ser por justaposição ou por aglutinação; ter ou não hífen. Neste caso tem, porque, e muito justamente, o sujeito até pode não ter muita estima por si próprio.

Ouvi hoje uma notícia surpreendente: um conjunto de sábios comprovados, ao que julgo saber afectos à maioria que nos desgoverna, vai discutir o porquê da baixa auto-estima dos portugueses. O painel inclui: Marcelo Rebelo de Sousa, Clara Ferreira Alves, Vasco Graça Moura e António Borges, que julgo que seja um empresário bem sucedido. Espera-se que, depois da mesa-redonda (por justaposição porque existem mesas que não são redondas), a auto-estima dos conferencistas suba em flecha."

18723532_0ueVH

 

Francis Bacon.

Albertina, museum.

Viena.



publicado por paulo prudêncio às 11:31 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 03.03.17

 

 

 

A propósito do post do Paulo Guinote, "Paulo, conta-nos lá o que sabes", e em que ele confessa, desde logo, que pode ser em vão, remeto-me para o que escrevo. Já li várias opiniões sobre o tema, incluindo o "perfil do aluno do século XXI". O que tenho escrito é independente do que se venha a aprovar. Recorro a mais este post que ajudará a compreender a minha posição. Escrevi-o no século passado e intitulei-o "Reformas e remédios" (há tempos acrescentei-lhe: a pensar no perfil do aluno do século XXII; muito à frente, portanto). Tem a seguinte introdução:

A febre reformista no sistema escolar em Portugal não é nova: é mesmo imparável. O que é engraçado, e com o passar do tempo, é que vemos recuperar ideias antigas como se fossem novidades. Parece um percurso circular.

Escrevia, algures em 1998, uns textos para uma revista sobre educação e o coordenador pediu-me que inscrevesse algumas ideias sobre reformas. Lembrei-me dos remédios. Fui ler a literatura do “Benuron” - medicamento para todas as dores e para todas as maleitas gripais e constipais - peguei no seu modelo organizativo e fui andando. Foi uma noite bem passada. Quase 19 anos depois, e aproveitando as competências do blogue, publico-as de novo.

 

image

 



publicado por paulo prudêncio às 11:16 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 27.02.17

 

 

 

1112502

Cópia de 1112502

 

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 10:07 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 18.02.17

 

 

 

17594976_rf5UK

Antero

 



publicado por paulo prudêncio às 11:54 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 10.02.17

 

 

 

 

16640615_1628448963838816_9099195499236097944_n

Antero



publicado por paulo prudêncio às 09:29 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 06.02.17

 

 

 

 

1107725

Cópia de 1107725

  

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 16:10 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 24.01.17

 

 

 

Foi em 2003 que os concursos de professores iniciaram o movimento descendente. O rol de injustiças (inúmeras já irreparáveis) cresceu e lançou os procedimentos num labirinto em forma de imbróglio. Entre tanta justificação, o mérito no exercício dos professores destacou-se ciclicamente.

O sistema integrado de avaliação do desempenho da administração pública nasceu para resolver de vez, diziam os mentores, esse tipo de "lacuna". O SIADAP reuniu uma linguagem sedutora e bem-pensante como as que deram origem aos totalitarismos. A "meritocracia industrial" é, objectivamente, uma impossibilidade.

SIADAP hibernou, mas sobrevive em regime de faz de conta e degrada o clima das organizações. Para que a comédia tivesse um episódio marcante, em "Outubro de 2012" o Governo eliminou, como corte financeiro, as distinções por "mérito" e os sindicatos exigiram, de modo cínico, obviamente, a continuação da tragédia. É um processo que exige atenção agora que se assiste, nos concursos de professores, ao regresso "inspirador" das ideias datadas que secundarizaram a graduação profissional e permitiram dois desmiolos: bolsa de contratação de escola e prova de ingresso.

 

3e0637022b9895d79ae8b2793c1c4228

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:56 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 19.12.16

 

 

 

15492442_945923035540984_6436409041921304546_n 

Antero



publicado por paulo prudêncio às 15:36 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 10.12.16

 

 

 

15268069_935961256537162_9158025337478904833_n

Antero

 



publicado por paulo prudêncio às 10:46 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 09.12.16

 

 

 

1094561

Cópia de 1094561

 

Luís Afonso

 

 



publicado por paulo prudêncio às 13:50 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 08.12.16

 

 

 

As extrapolações à volta do PISA 2015 têm episódios risíveis. Recebi por email o gráfico sem referência ao autor. Vem acompanhado da defesa das políticas educativas das figuras em imagem; não publico o parágrafo porque usa uma linguagem imprópria, mas faço-o com o gráfico para dar a opinião solicitada.

 

Os alunos testados no PISA têm 15 anos e frequentam anos entre o 7º e o 11º. A subida constante portuguesa responsabiliza alunos, encarregados de educação e professores. As políticas ajudam, mas se forem de sinal contrário, como é o caso dos fotografados, atrapalham. E nos dois casos parece que atrapalharam muito, uma vez que a sua influência, mesmo que residual, só pode ser verificada, obviamente, no triénio seguinte. Lurdes Rodrigues sucedeu a um período "sem governo" (2000/2006), mas que regista uma subida substancial em 2009. Parece que o sistema português funciona melhor "sem ministério", uma vez que quando a ministra (2006/2009) saiu os resultados estagnaram no fim do triénio seguinte (2012). Sucedeu-se outro "sem governo" com Isabel Alçada (2009/2012). Saiu e os resultados do triénio que se seguiu melhoraram (2015). Apareceu Crato (2012/2015) e veremos a sua influência, por reduzida que seja, em 2018.

 

pisaevol-1024x649

 



publicado por paulo prudêncio às 16:35 | link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Inadmissível. Nunca mais o cumprimentava!
Ontem ouvi o ministro das finanças a falar do assu...
E também de muito défice de atenção (ao problema).
Julgo que será por causa do défice; claro que será...
ligações
posts mais comentados
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

subscrever feeds
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
mais sobre mim
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676