Em busca do pensamento livre.

Sexta-feira, 14.07.17

 

 

 

O estudo da especialização desportiva percebeu, há muito, que existe um esgotamento das capacidades volitivas. O corpo reage. A energia psicológica não é inesgotável. É também por isso que se contraria a precocidade na especialização desportiva. Os modelos de formação bem sucedidos são graduais na exposição aos quadros competitivos e "exigem" que as políticas de competição escolar (as mais diversas e não apenas as desportivas) destinadas às crianças sejam diferentes das aplicadas aos jovens e aos adultos. Em geral, quem começa muito cedo a competir como se de um adulto se tratasse atinge a saturação volitiva quando era esperado um rendimento que maximizasse as potencialidades desportivas. Os muito difíceis estudos empíricos neste domínio dão passos e são fundamentais para comprovarem os efeitos da saturação da vontade. O psicólogo Roy Baumeister é citado com importantes contributos. Criou o conceito "depleção do ego". É como se a vontade fosse um músculo que deixa de ser irrigado; acelera a queda de açúcar e cria um efeito geral de fadiga. Estes estudos são usados para explicar o burnout dos professores que tomam milhares de decisões diárias debaixo de forte ansiedade. Daí ao esgotamento é um passo frequente com o prolongamento, e a degradação, das carreiras associado a um indicador fundamental representado na imagem que acompanha o post: o número de horas de sono. Ou seja, abandonámos o tempo das incertezas em relação ao esgotamento da força de vontade.

salvador-dali

 

Sleep.

Salvador Dali



publicado por paulo prudêncio às 10:56 | link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar

Terça-feira, 09.05.17

 

 

 

O Expresso dá eco a estudo que conclui que os "alunos pobres chumbam duas a três vezes mais". Há décadas que os estudos indicam esta realidade, embora existam os que tergiversam de acordo com outros interesses. Em Portugal, por exemplo e onde se fez o estudo, a escola é a mais transbordante da Europa. Não há escola na Europa com um caderno de encargos tão impossível de cumprir. A escola portuguesa é tudo. É como se não existisse sociedade. Não será por acaso que continuamos com os piores registos da OCDE no insucesso e abandono escolares (isto também se lê no PISA). Repito um algoritmo que já tem quase uma década e que não interessa (e, pelos vistos, continua a não interessar) a quem tem governado em grande parte do milénio.

A história dos sistemas escolares evidencia: sociedades com mais ambição escolar e com meios económicos que a sustentem atingem taxas mais elevadas de sucesso escolar. É irrefutável. Podíamos até atribuir a essa condição uma percentagem próxima dos 90%. Ou seja: se conseguíssemos sujeitar 100 crianças a uma escolaridade em duas sociedades de sinal contrário, os resultados seriam reveladores. Deixemos esta responsabilidade nos 60% para que sobre espaço para os outros níveis.

Se testássemos 100 alunos em escolas com organizações de níveis opostos mas na mesma sociedade, esperar-se-iam resultados diferentes. Todavia, essa diferença não seria tão acentuada como no primeiro caso. As condições de realização do ensino (clima escolar, disciplina, número de alunos por turma e na escola, autonomia da escola, desenho curricular, meios de ensino) devem influenciar em 30% e são mais significativas do que o conjunto dos professores.

Se 100 alunos cumprissem duas escolaridades, na mesma sociedade e organização, com 100 professores diferentes, os resultados oscilariam muito pouco. É neste sentido, abrangente, histórico e generalista que se deve considerar os 10% atribuídos aos professores.

É também por isso que é um logro que uma sociedade com baixos níveis de escolaridade consuma as suas energias à volta do desempenho dos 10% ou sequer se convença que tudo se resolve mudando o conteúdo físico dos 30%. A componente sociedade é decisiva e se fecharmos bem os olhos podemos até considerar que 60% é um número por defeito. Mas mais: por paradoxal que pareça, sem os 10% não há ensino.

 

image

 



publicado por paulo prudêncio às 15:31 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 16.04.17

 

 

 

A especialização desportiva percebeu, há muito, que existe um esgotamento das capacidades volitivas. O corpo reage. A energia psicológica não é inesgotável. É também por isso que se contraria a precocidade nessa especialização. Os modelos de formação bem sucedidos são graduais na exposição aos quadros competitivos e "exigem" que as políticas de competição escolar (as mais diversas e não apenas as desportivas) destinadas às crianças sejam diferentes das aplicadas aos jovens e aos adultos. Em geral, quem começa muito cedo a competir como se de um adulto se tratasse atinge a saturação volitiva quando era esperado um rendimento que maximizasse as potencialidades desportivas. Os muito difíceis estudos empíricos neste domínio dão passos e são fundamentais para comprovarem os efeitos da saturação da vontade. O psicólogo Roy Baumeister é citado com importantes contributos. Criou o conceito "depleção do ego". É como se a vontade fosse um músculo que deixa de ser irrigado; acelera a queda de açúcar e cria um efeito geral de fadiga. Estes estudos são usados, e por incrível que pareça, para explicar o burnout dos professores (e não apenas dos portugueses) porque tomam muitas decisões diárias em clima de ansiedade. Daí ao esgotamento é um passo frequente com o prolongamento, e a degradação (mais turmas, mais alunos, mais burocracia, mais procedimentos inúteis, menos confiança), das carreiras associado a um indicador fundamental representado na imagem: o sono. Ou seja, abandonámos o tempo das incertezas (é também o tempo dos governos mudarem de vez a agulha) em relação ao esgotamento da força de vontade que não era mensurável por "invisibilidade" e que os crédulos, que só admitem o perdão da dívida dos bancos, "confundiam" com corporativismo ou com classificações desinformadas.

salvador-dali

 

Sleep

Salvador Dalí



publicado por paulo prudêncio às 11:16 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Domingo, 06.03.16

 

 

 

 

Numa sexta-feira às 21h00, e a abrir um ciclo de conferências integrado na formação contínua da congeladíssima carreira dos professores e abrangido por um modelo de avaliação do desempenho que faz tudo menos o que transporta no nome, é reconfortante encontrar um auditório quase cheio e que se aguentou até perto das 24h00. Foi muito agradável ser convidado por pares e ter o Paulo Guinote também como conferencista. O assunto, "O papel da comunicação na valorização da profissionalidade docente", tem variados ângulos de análise e é muito interessante. As abordagens centraram-se numa breve caracterização do tempo que vivemos, no conceito de comunicação dirigido para o fenómeno da blogosfera e na relação com os fundamentos da profissionalidade docente. As imagens são do Nicolau Borges, director do CFAE-Oeste.

 

 

960_1288024731224405_1026090509430512323_n.jpg

 

 

 

12821585_1288024857891059_7006037722118349332_n.jp

 

 

 

12802952_1288025494557662_8549455113930497075_n.jp

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:51 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 04.03.16

 

 

 

Captura de Tela 2016-03-03 às 17.28.44.png

 



publicado por paulo prudêncio às 11:30 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 21.09.14

 

 

 

 

Está aqui o "Relatório estado da Educação de 2013", do CNE, cujo presidente, o ex-ministro no MEC, David Justino, se tem desdobrado em afirmações do género: "(...)Há uma completa desregulação do fenómeno de recrutamento e, havendo essa desregulação, safa-se quem fizer batota, nomeadamente com as classificações", alerta David Justino, apontando que a maior parte dos professores contratados são provenientes das universidades privadas.(...)".

 

É evidente que este problema é antigo, que tínhamos de olhar para a história da formação de professores nas últimas três a quatro décadas para o compreender e o post ficava muito longo.

 

Mas quando os aparelhos partidários promoviam o ensino privado com a atribuição de licenças como verdadeiros euromilhões, tudo isto era silenciado. Já se conheciam os fenómenos inflacionários há muito e nada se fez.

 

Retirou-se, erradamente, paulatinamente a profissionalização dos professores das escolas, que era um mecanismo de seriação e de formação no real, a par da desregulação mercantil da formação de professores. Mas o mercado era deus e as pessoas da família dos promotores acordaram tarde. Mas pior: culpam os concursos de professores por lista graduada e passam a vida com epifanias "empresariais" que infernizam a vida das escolas e dos seus profissionais.

 

Já em relação à inflação de notas no não superior, percebe-se que está implícito o mesmo problema e o silêncio ensurdecedor repete-se. E depois é apenas uma questão de escada e de treino na impunidade.

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:11 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 13.05.14

 

 

 

 

O CFAE Oeste (centro de formação de professores com sede nas Caldas da Rainha) organizou um ciclo de conferências a propósito dos "40 anos de Abril" que terminou ontem com Guilherme D'Oliveira Martins. O tema foi a corrupção.

 

Há um conjunto de princípios em que fomos educados que são consensuais quando discutimos a génese da corrupção.

 

Desde logo, o conferencista considerou a necessidade da prova como o imperativo para as queixas do domínio da corrupção e advogou a necessidade imperiosa de se combater a resistência à denúncia. Enfatizou, esteve bastante tempo a detalhar o referido e sentenciou: "a corrupção começa num favor legítimo a quem conhecemos melhor e acaba num crime".

 

Estabeleceu três níveis: um primeiro para a excessiva produção de leis; um segundo para a investigação criminal; e um terceiro para a prevenção da corrupção, para a importância da cidadania e dos planos de prevenção por parte de todas as entidades públicas com destaque para a circulação (mudança) das pessoas que decidem e para a colegialidade dos órgãos de decisão com vista à partilha e à transparência.

 

Apenas cerca de 10% do discurso de Guilherme D'Oliveira Martins se centrou na corrupção de Estado, dos offshores (devem fechar na opinião do conferencista) e na grande corrupção que começa nos aparelhos partidários, passa pelas organizações ditas secretas e acaba nos grandes escritórios de advogados. Em suma, a corrupção que passa pela política.

 

E considerando o estado a que chegámos, e mesmo que estejamos algo epidérmicos, é tempo de alterarmos a retórica. Já não é admissível compararmos a tal "antecâmara" da corrupção, o pequeno favor legítimo, com que tropeçamos com o crime que nos consumiu. E a história mais recente também nos aconselha a desconfiarmos da superioridade moral dos povos do centro e norte da Europa.

 

Quanto mais não seja, devemos recordar o seguinte:

 

"Sim, sim, claro que é a justiça, mas primeiro está a minha mãe", foi mais ou menos assim que Lawrence Kohlberg caracterizou o nível cimeiro da sua taxonomia que se destinava a estudar o desenvolvimento moral, retomando e aperfeiçoando o modelo piagetiano.

 

Ou seja, o pequeno presente é condenável, mas é tão ancestral que não pode ser considerado da família do grande crime. A não ser que teimemos na anestesia que impede que saiamos do estado a que chegámos como uma nova versão do relativismo cultural.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 20:55 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 29.10.13

 

 

 

 

 

 

A formulação de Nuno Crato existe, já tem uns 20 anos e causou outros constrangimentos semelhantes. Não conhecemos é a frequência, ou seja, quantos professores é que estão nessa situação.

 

Sabe-se que na origem (onde o ministro não toca) esteve o negócio ligada à formação inicial de professores e a teimosia das Universidades do Estado em adiarem a profissionalização de professores para todos os graus de ensino. Os resultados estão aí: milhares de professores profissionalizados desempregados, redução drástica de investigadores em áreas fundamentais das humanidades (por exemplo) e não escolha da profissão de professor por parte dos alunos com melhores resultados no final de secundário.

 

Só que mais importante que tudo isto é constatação que a sucessão de ministros da Educação identifica uma causa primeira para o abandono e insucesso escolares: a formação de professores. Assim não vamos lá. O principal problema português é a ausência da sociedade na Educação das crianças e jovens, onde a escola só pode desempenhar um papel reduzido. Enquanto os governos não fizerem da presença da sociedade o principal parceiro da Educação, gastaremos muita energia para obtermos recuos civilizacionais.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 21:32 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Domingo, 08.09.13

 

 

 

Apesar das muletas e dos cuidados com a contratura muscular (diagnóstico quase definitivo), não faltei ontem ao convite para falar do processo de ensino em Educação Física que denominei como "modelo tridimensional". Foi uma manhã muito bem passada, acompanhado pela atenção dos meus colegas e do director do CFAE-Oeste. O convite mais agradável é sempre o que é feito por pares.

 

Já lá vão cerca de oito anos que fiz a última intervenção do género para professores de Educação Física. A designação que escolhi até pode ser algo enigmática, mas a intenção foi abordar o processo de ensino, até ao detalhe do controle informacional de cada aula nas diversas metodologias, englobado numa geometria que inclui duas variáveis indissociáveis: a escola como organização e os sistemas de informação. A ideia de geometria variável é simples: a abordagem das variáveis não sai do triângulo e sem essa dimensão abrangente qualquer dos vértices entra em crise, em entropia ou torna-se quase inútil.

 

Apresento alguns dos slides que ilustram um breve resumo.

 

 

 

 

 

Fiz uma abordagem às três dimensões (mais aprofundada, naturalmente, no processo de ensino), cumprindo a ideia inicial: focar cada uma delas sempre em ligação com as outras duas (umas vezes mais com uma, outras vezes mais com outra).

 

 

 

Escolhi as três ideias seguintes para terminar a primeira análise teórica do processo de ensino. 

 

 

Detalhei três metodologias do processo de ensino em EDF: por blocos, por etapas e misto. Apresentei, de forma sucinta, um sub-programa que comecei a construir em 1993 e que explica as opções didácticas a partir dos programas em vigor. Salientei, no slide seguinte, um parágrafo deste subprograma que me parece lapidar.

 

 

Terminei com uma citação de George Steiner.

 

 

 

Apresentei, com se vê na imagem seguinte e de forma sucinta, uma base de dados (FileMaker) que comecei a construir em 1995 e que permite controlar o processo de ensino, também em tempo real, através daquilo que vulgarmente se designa por plano de aula.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:30 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 25.01.13

 

 

 

 

 

 

 

Podemos considerar a pedagogia do silêncio como uma espécie de metáfora que contraria o insuportável caderno de encargos da escola actual, que atribui à instituição um papel centrado na sala de aula e que contraria o excesso de informação e de ruído a que se sujeitam as crianças até no ambiente escolar. A pedagogia do silêncio elege a sala de aula para além do registo tradicional, situando-a no vasto elenco de possibilidades que definem o conhecimento transformacional da categoria aprendizagem que teve uma espantosa evolução.

 

O parágrafo anterior é o que de mais significativo registei na interessante conferência de António Nóvoa que se realizou ontem à noite no auditório da Escola Secundaria Rafael Bordalo Pinheiro e que foi organizada, numa iniciativa que inclui conferências às quintas-feiras, pelo Centro de Formação de Associação de Escolas Centro-Oeste.

 

António Nóvoa sistematizou um modelo que procura respostas para os desafios da escola do futuro através de um olhar atento para o presente e com uma profunda incursão num passado muito enriquecido por relevantes referências.

 

O conferencista continua à procura das palavras certas que ajudem a encontrar um caminho. Nesse sentido, talvez fosse curial reflectir sobre o uso da asserção "escola centrada na aprendizagem". É que foi quase exactamente assim que se instituíram as correntes pedocentristas como de alguma forma sistematizo aqui. Prefiro a "escola centrada no ensino", reconhecendo o risco do regresso ao outro termo da contradição, e talvez a "escola centrada na sala de aula" permitisse uma leitura menos equívoca. O peso das palavras é incontornável.

 

Para António Nóvoa continuamos na pedagogia do século XX e isso deve ser questionado. As ideias de "à sociedade o que é da sociedade e à escola o que é da escola" e "o regresso dos professores" são duas asserções que devem corporizar a ideia de uma "escola centrada na aprendizagem".

 

O conferencista fez analogias entre o que vivemos e o período iniciado com as correntes pedocentristas. As crianças são o "centro da vida". Propôs como fundamental a ideia de "ensinar os alunos que não querem aprender, porque os outros acabam sempre por o fazer" e socorreu-se de Alain que considerou que "difícil é conduzir as crianças a ficarem agradadas, no fim, com aquilo que, no princípio não lhes agradava nada".



publicado por paulo prudêncio às 21:37 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sábado, 05.01.13

 

 

 

Recebi por email com pedido de divulgação.

 

 

 

FREQUÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA

para efeitos de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO e PROGRESSÃO NA CARREIRA



1. Os ciclos de avaliação dos docentes integrados na carreira coincidem com o período correspondente à duração dos escalões da carreira docente. A formação contínua é um dos requisitos obrigatórios para efeitos de progressão na carreira. O reconhecimento do direito à progressão ao escalão seguinte, para além dos outros requisitos, depende da frequência, com aproveitamento, de formação contínua ou de cursos de formação especializada, num total não inferior a:


    • 25 horas, no 5º escalão da carreira docente; 
    • 50 horas, nos restantes escalões da carreira docente.


O processo de avaliação de docentes integrados na carreira deve ser concluído no final do ano escolar anterior ao fim do ciclo avaliativo. O relatório de autoavaliação é anual e reporta-se ao trabalho efetuado nesse período, com exceção para os docentes posicionados nos 8º (se observados os requisitos da alínea a), do nº1, do artigo 27º do Decreto Regulamentar no 26/2012, de 21 de fevereiro) e 9º escalões o qual é entregue no final do ano escolar anterior ao fim do ciclo avaliativo e para os docentes posicionados no 10º escalão que é entregue quadrienalmente.


2. O ciclo de avaliação dos docentes em regime de contrato a termo tem como limite mínimo 180 dias de serviço letivo efetivamente prestado.

Os docentes contratados não são obrigados a frequentar ações de formação contínua de professores para efeitos de avaliação do desempenho docente.

A circunstância do docente contratado não ter frequentado com sucesso ações de formação contínua de professores não o impede de ser avaliado. Neste contexto, a classificação da avaliação deverá ser atribuída considerando somente as ponderações previstas nas alíneas a) e b) do nº 2 do artigo 21º do Decreto Regulamentar no 26/2012, de 21 de fevereiro, devendo o seu somatório corresponder proporcionalmente a 100% da classificação final.

O relatório de autoavaliação é anual, e reporta-se ao trabalho efetuado nesse período. A avaliação realiza-se no final do período de vigência do respetivo contrato e antes da eventual renovação da sua colocação.


3. A avaliação dos docentes em período probatório é feita no final do mesmo e reporta-se à atividade desenvolvida no seu decurso.



OBSERVAÇÕES


    • A inexistência de formação não é impeditiva da atribuição da classificação.
    • Sobre o regime de avaliação do desempenho docente consultar o Decreto Regulamentar no 26/2012, de 21 de fevereiro.
    • Sobre a progressão na carreira docente consultar o Artigo 37º do Decreto-Lei no 41/2012, de 21 de fevereiro.


publicado por paulo prudêncio às 09:59 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 13.04.12

 

 

Tenho ideia que uma boa parte das "intenções de implosão" por iniciativa do actual ministro da Educação já foram engolidas pela traquitana do MEC e pelos seus satélites. A formação de professores, a inicial e a contínua, tem movido milhões e movimenta-se num terreno que se aproveita da falta de esclarecimento dos formandos e da ausência de escrúpulos por parte de muitas instituições.

 

A certificação em competências TIC, uma coisa um bocado risível que acompanhou o despesismo no plano tecnológico da Educação, vai entrar na 3ª vaga e parece nascer poluída. Será publicada uma portaria que alterará a configuração do programa. E mesmo antes dessa publicação, já há um sindicato a promover acções de formação, pagas pelos professores, acreditadas junto do CCPFC.

 

Será que o Sindicato Independente dos Professores tem informação privilegiada? Será que estas coisas têm alguma relação com o assina-ou-não-assina acordos com o Governo?

Pode saber mais aqui.


publicado por paulo prudêncio às 11:20 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 29.06.11

 

 

Há coisas tão óbvias que até já cansa a argumentação. Pelo menos desde finais da década de oitenta do século XX que os sucessivos governos desprezaram a formação inicial e contínua dos professores e temos de incluir aí os denominados estágios profissionais. A chuva de fundos estruturais criou uma ganância tal que não deve existir instituição ligada ao assunto que se possa apresentar de cabeça levantada.

 

Somos sempre capazes de dar mais um passo em frente na desgraça. A organização não é um valor precioso na sociedade portuguesa e o facto deverá ter uma qualquer explicação. São vários os que dizem que quem dirige leva a fatia maior da responsabilidade e que os dirigidos pecam um bocadito por causa dos mal-dizentes compulsivos.

 

Neste momento assiste-se a mais uma decisão cuja operacionalização poderá ter resultados desastrosos. O novo governo não está para arrumar a formação inicial de professores, sabe-se lá o porquê, mas está determinado em impôr uma prova comum de acesso à carreira. A última vez, há quase 20 anos, salvo erro, que alguém teve uma ideia do género no acesso ao ensino superior criou um processo desmiolado que terminou pouco tempo depois do início.



publicado por paulo prudêncio às 15:05 | link do post | comentar | partilhar

 

 

A Forma Mais Fácil É Entalar O Mexilhão?



publicado por paulo prudêncio às 12:57 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 23.06.11

 

 

Li algures, que na Europa a burocracia avança em proporção da contracção da democracia. Concordo. Principalmente a má burocracia tem-se alastrado que nem uma bactéria. A necessidade de organização das sociedades criou uma clientela tecno-europeia de tal dimensão que já existem comparações pertinentes com o nefasto soviete supremo e com o kafkiano centralismo democrático.

 

O que é que podemos fazer? Muito. Desde logo, combater a praga no meio de nós. Em 2005, chegaram ao sistema escolar português umas guardas avançadas desses totalitarismos que se apressaram a decretar: os professores, os outros, nunca foram avaliados. Até na formação contínua a coisa vai passar a ser a sério com a introdução de quotas e de pontuações para que entrem na normalização. Deu em tragédia, como se comprovou também recentemente nas causas profundas do dez-geral-para-os-magistrados. A farsa em forma de módulos de 25 horas instalou-se num ápice. 99% das avaliações são má burocracia e faz de conta. Os conteúdos das inúmeras acções não incluíram um guião para a utilização de telemóveis, mas estiveram perto.

 

Não existe soviete supremo, nem sequer nacional-socialismo, sem o contributo, consciente ou não, da maioria das pessoas em estado de infantilização; e o mais grave, é que os construtores começam sempre ao serviço do povo, da ordem, do desconhecimento histórico, do agora-é-que-vai-ser e da normalização e contra a liberdade e a confiança nas pessoas e esquecendo a singularidade dos seres humanos.



publicado por paulo prudêncio às 18:55 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Quarta-feira, 09.03.11

 

 

12.º ano. As melhores notas dependem mais dos pais

"Inquérito a 58% dos estudantes mostra que quanto mais habilitações têm as famílias melhor é o desempenho(...)".

 

Esta notícia do I é mais uma demonstração do desperdício que tem sido a saga portuguesa de combater o insucesso e o abandono escolares através da perseguição aos professores perpetrada pela inesquecível cooperação estratégica. Temos de melhorar as formações inicial e contínua e de criar um sistema de olhos nos olhos que, e a exemplo de todas as outras profissões, reclassifique os que não são vocacionados. O resto é despesismo de energias e outras coisas mais nocivas ainda.

 

Há tempos escrevi assim:

 

A história dos sistemas escolares evidencia: sociedades com mais ambição escolar e com meios económicos que a sustentem atingem taxas mais elevadas de sucesso escolar. É irrefutável. Podíamos até atribuir a essa condição uma percentagem próxima dos 90%. Ou seja: se conseguíssemos sujeitar 100 crianças a uma escolaridade em duas sociedades de sinal contrário, os resultados seriam reveladores. Deixemos esta responsabilidade nos 60% para que sobre espaço para os outros níveis.

 

Se testássemos 100 alunos em escolas com organizações de níveis opostos mas na mesma sociedade, esperar-se-iam resultados diferentes. Todavia, essa diferença não seria tão acentuada como no primeiro caso. As condições de realização do ensino (clima escolar, disciplina, número de alunos por turma e na escola, autonomia da escola, desenho curricular, meios de ensino) devem influenciar em 30% e são mais significativas do que o conjunto dos professores.

 

Se 100 alunos cumprissem duas escolaridades com 100 professores diferentes, os resultados deveriam oscilar muito pouco. É neste sentido, abrangente, histórico e generalista que se deve considerar os 10% atribuídos aos professores.

 

É também por isso que pode ser um logro absoluto que uma sociedade com baixos níveis de escolaridade consuma as suas energias à volta do desempenho dos 10% ou sequer se convença que basta mudar o conteúdo físico dos 30% para que tudo se resolva. A componente sociedade é decisiva e se fecharmos bem os olhos podemos até considerar que 60% é um número por defeito. Mas mais: por paradoxal que pareça, sem os 10% nada acontece e não há ensino.

 



publicado por paulo prudêncio às 21:01 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 01.03.11

 

 

 

A DGRHE seleccionou 24 professores para o curso de formação de formadores nesta avaliação do desempenho. Era uma informação que me escapava se um amigo não me tivesse falado no assunto. O espanto dele, e o meu, é que se candidataram mais de 600 professores. Há centenas de professores que acreditam que são capazes de formar colegas avaliadores no desmiolo que inferniza a vida das escolas.



publicado por paulo prudêncio às 09:33 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Quarta-feira, 09.02.11

 

Pode ser um excelente conteúdo para a formação cívica (não desista por causa dos 17 minutos de duração).

 

 



publicado por paulo prudêncio às 15:16 | link do post | comentar | ver comentários (14) | partilhar

Segunda-feira, 18.10.10

 

 

Dizia-me um amigo entendido no assunto: à medida que o programa avança, fico ainda mais surpreso com a dimensão da monstruosidade. A formação contínua de professores do não superior é tão degradante que até dá dó.
Vamos ao princípio. Talvez bastasse se escrevesse que falamos dum negócio de milhões e ponto final. Não escrevia mais e quase que se percebia, tal a vilanagem que se instalou. Mas acrescento: os serviços centrais do ME tratam os professores do não superior com desrespeito. É gente que foge das salas de aula e desconsidera quem se "resigna" a viver por lá. Para não existirem dúvidas, aconselho-o a ver o vídeo (cortesia do Miguel Pinto) imperdível que adicionei ao post, entre os minutos 14 a 21.
O Programa abjecto decorre no âmbito do PTE (plano tecnológico da Educação) com organização da DGIDC (direcção-geral da inovação e desenvolvimento curricular) e da DGRHE (direcção-geral dos recursos humanos da Educação).
Trata-se de certificar com competências TIC (tecnologias da informação e comunicação) de nível 2, cerca de 30% dos professores. Não há quem responda ao motivo desta percentagem. Há quem diga que se quer criar uma "elite" de docentes dotados de literacia digital, pasme-se, para formar os futuros relatores (antigos titulares).
Esta certificação de competências só é reconhecida no nosso país.
Está a decorrer a certificação nível 1 (processo tipo novas oportunidades digitais), bastando aos professores terem realizado 50 horas de formação TIC, entre 2000 e 2010, para obterem essa certificação.
A certificação de nível 2 decorre da frequência de 4 módulos, de 15 horas cada, sendo 2 obrigatórios e 2 de opção (em quadros interactivos (também designados por hiperactivos ou inactivos), portfolio digital, moodle e quejandos). A certificação não é reconhecida pelos países da UE e apenas pelo governo português.
Repare-se nos detalhes da formação que está a decorrer:
Com a colaboração da DGIDC, da DGRHE e dos centros de competências dos CFAE, encontra-se a decorrer a formação dos módulos obrigatórios para a certificação de competências digitais. A formação é financiada pelo POPH e pelo Orçamento do Estado a 2€ por hora por cada formando.
O número de turmas a constituir por cada CFAE (centro de formação de associação de escolas) foi imposto pela DGRHE em função do número de docentes associados de modo a contemplar os 30%. Os docentes são indicados pelas direcções das escolas. Muitas das turmas são partilhadas pelos diversos CFAE.
Na prática acontece o seguinte: há formandos de Abrantes a fazerem formação em Santarém e há pessoas de Mafra deslocadas para as Caldas da Rainha. Este pandemónio desmultiplica-se ao nível nacional. Em muitos casos durante a semana e no final do dia. A candidatura financeira não inscreveu verbas suficientes para pagar as deslocações dos formandos, mas contemplou as deslocações dos formadores (indicados pelo programa) que recebem 43.50€ por hora de formação.
A perplexidade dos entendidos reúne ainda mais interrogações.
Para que servem estas 15 horas de formação? Para aprender a usar quadros interactivos? Para que serve esta certificação que não é reconhecida em mais nenhum país europeu? Estamos perante um assunto que apenas garante mais uma oportunidade de negócio? Por que é que a formação é feita sobre uma marca específica, interessada e bem colocada no fornecimento de quadros interactivos às escolas?
Veja de seguida o vídeo referido. Repito: entre os minutos 14 e 21.

 

O Miguel Pinto deu-se ao trabalho de fazer a seguinte adenda ao vídeo:

 

Adenda:

 

Minuto 14 – “O Ministério da Educação tem um modelo de gestão profundamente ultrapassado e tacanho. É um modelo de comando e controlo. Para o ME, os professores são uma cambada de preguiçosos, sem iniciativa. E isso é um erro completo.(…) Nós temos professores espantosos, com uma paixão pela sua missão comovente.”


Minuto 15 – “Há da parte do ministério uma inadequação completa quanto à mobilização dos professores para um projecto de mudança. Enquanto o ministério não conseguir apaixonar de novo os professores para um projecto de mudança pode meter quantos magalhães ou quadros interactivos quiser que não vai mudar o sistema [reforma pedagógica]. Os eventuais resultados positivos não se deverão ao ministério mas apesar dele.”


Minuto 17 – “O Plano Tecnológico da Educação tem uma visão tecnocrática primária, muito semelhante a alguns projectos do início dos anos 80.”


Minuto 36 – “A educação tem que ser profundamente remodelada. Há que recuperar, reconquistar e vai ser difícil reconquistar os professores, recuperar a paixão que os professores tinham pela sua missão. Eu tenho feito o exercício desde que fizemos este relatório, tenho feito o exercício de tentar ver qual é o sonho na cabeça dos professores, em várias partes do país. O sonho que neste momento está na cabeça dos professores é reformarem-se antecipadamente. É absolutamente deprimente, quando havia tantos sonhos, pelo menos em grupos muito representativos das escolas, havia paixões, havia pessoas que de manhã iam para a escola apaixonados por aquilo que faziam, apesar de saberem que aquilo era desgastante. Agora, o sonho dos professores é aposentarem-se antes do tempo”.



publicado por paulo prudêncio às 21:05 | link do post | comentar | ver comentários (20) | partilhar

Quinta-feira, 02.09.10

 

 

 

 

 

A notícia que vai ler relaciona-se com um problema antigo. A formação em Portugal tem os seus critérios. Nem sequer é regulada pelo mercado. O jogo é outro.

 

Associação diz que "professores estão a ser formados para o desemprego"



publicado por paulo prudêncio às 22:07 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Nada a agradecer.
O concurso permitirá, ao QE concorrer de novo?Sim,...
Mas não se aprende nada? Já no concurso de profess...
Muito Kafkiano, mesmo.
Teoria conspirativa: futuramente, os docentes serã...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
20 comentários
5 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676