Em busca do pensamento livre.

Domingo, 28.05.17

 

 

Captura de Tela 2017-05-28 às 19.49.12

 

Os neoliberais entraram em "revisionismo". É espantoso. Schäuble, com eleições à porta, "elogiou" Centeno enquanto ironizava com a antecipação de 10 mil milhões ao FMI. É uma maldade mais sofisticada que a de Moedas. Há, desde logo, uma evidência: Schäuble não pode impor a Portugal uma tragédia semelhante à grega através doutro duelo com o FMI; isto não apaga a responsabilidade histórica das "elites" gregas; nem das portuguesas. Esperemos que a história o evidencie, já que as principais figuras do FMI fazem o seu papel assumindo responsabilidades em tanto mal irreparável: "Olivier Blanchard (2017): Portugal não deve apressar decida do défice" ou "Christine Lagarde (2015): elevar num (1) ponto percentual a parcela da renda dos pobres e da classe média aumenta o crescimento do PIB de um país até 0,38 pontos percentuais em cinco anos. Em contrapartida, elevar num (1) ponto percentual a parcela da renda dos ricos reduz o crescimento do PIB em 0,08 pontos percentuais. Nossas constatações sugerem que – contrariando a sabedoria popular – os benefícios da renda mais alta "espalham" para cima e não para baixo."



publicado por paulo prudêncio às 19:49 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 24.05.17

 

 

 

Leia, sff, e tente adivinhar quem fez as declarações seguintes antes de encontrar a solução no parágrafo final.

  1. “Não é preciso ser altruísta para apoiar políticas que elevem a renda dos pobres e da classe média. Todos beneficiarão com essas políticas porque são essenciais para gerar crescimento mais alto, mais inclusivo e mais sustentado. Ou seja, para se ter crescimento mais duradouro será necessário gerar crescimento mais equitativo."
  2. "Novos estudos demonstram que elevar em um (1) ponto percentual a parcela da renda dos pobres e da classe média aumenta o crescimento do PIB de um país até 0,38 pontos percentuais em cinco anos. Em contrapartida, elevar em um (1) ponto percentual a parcela da renda dos ricos reduz o crescimento do PIB em 0,08 pontos percentuais. Nossas constatações sugerem que – contrariando a sabedoria popular – os benefícios da renda mais alta estão a "espalhar" para cima e não para baixo. Para além de outras variáveis, constata-se que os ricos gastam uma fracção menor da sua renda o que reduz a procura agregada e enfraquece o crescimento. Os nosso estudos anteriores demonstram que a desigualdade excessiva de renda reduz, e na verdade, a taxa de crescimento económico e torna o crescimento menos sustentável com o tempo."

São declarações, em Bruxelas, de Christine Lagarde, em Junho de 2015, baseadas no boletim oficial do FMI de 17 de Junho de 2015 que integra o estudo, também de Junho de 2015 e do mesmo FMI"Causes and Consequences of Income Inequality: A Global Perspective". Se Maquiavel estivesse por cá, teria explicação: "disse ao Príncipe: faz a maldade toda em pouco tempo e depois confessa-a; sei lá: afirma-te neoliberal no início e "social-democrata para sempre" no fim; confia na sabedoria popular."

 

liar

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:39 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 23.05.17

 

 

"Blanchard: Portugal não deve apressar descida do défice"

"Num "paper" apresentado esta sexta-feira em Lisboa, o antigo director do departamento de estudos do FMI, defende que até pode ser desejável que o défice orçamental aumente para financiar investimento público e reduções de crédito malparado."



publicado por paulo prudêncio às 21:54 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Quinta-feira, 15.12.16

 

 

 

 

Leia, sff, e tente adivinhar quem fez as declarações seguintes antes de encontrar a solução no parágrafo final; mas sentado como na imagem (prémio 2014 do melhor cartoon da Press Cartoon Europe).

  1. “Não é preciso ser altruísta para apoiar políticas que elevem a renda dos pobres e da classe média. Todos beneficiarão com essas políticas porque são essenciais para gerar crescimento mais alto, mais inclusivo e mais sustentado. Ou seja, para se ter crescimento mais duradouro será necessário gerar crescimento mais equitativo."
  2. "Novos estudos demonstram que elevar em um (1) ponto percentual a parcela da renda dos pobres e da classe média aumenta o crescimento do PIB de um país até 0,38 pontos percentuais em cinco anos. Em contrapartida, elevar em um (1) ponto percentual a parcela da renda dos ricos reduz o crescimento do PIB em 0,08 pontos percentuais. Nossas constatações sugerem que – contrariando a sabedoria popular – os benefícios da renda mais alta estão a "espalhar" para cima e não para baixo. Para além de outras variáveis, constata-se que os ricos gastam uma fracção menor da sua renda o que reduz a procura agregada e enfraquece o crescimento. Os nosso estudos anteriores demonstram que a desigualdade excessiva de renda reduz, e na verdade, a taxa de crescimento económico e torna o crescimento menos sustentável com o tempo."

Está sentado? Fique a saber que são declarações, em Bruxelas, de Christine Lagarde, em Junho de 2015, baseadas no boletim oficial do FMI de 17 de Junho de 2015 que integra o estudo, também de Junho de 2015 e do mesmo FMI"Causes and Consequences of Income Inequality: A Global Perspective". Se Maquiavel estivesse por cá, teria explicação: "disse ao Príncipe: faz a maldade toda em pouco tempo e depois confessa-a; sei lá: afirma-te neoliberal no início e "social-democrata para sempre" no fim; confia na sabedoria popular."

 

19240254_eFjtC

 



publicado por paulo prudêncio às 16:20 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 03.04.16

 

 

 

Portugal não se libertará tão cedo da condição de protectorado (Draghi no Conselho de Estado é mais um exemplo). Não se trata apenas da tímida Federação de Estados Europeus que permite a arrogância de alguns comissários sem legitimidade democrática.

 

O que mais surpreende é a venialidade às posições do errante FMI. O que é que se passa? O FMI, que nos dias pares confessa erros graves e nos ímpares "alarma-se" com qualquer sinal não austeritarista, publica relatórios inundados de lugares comuns e depois tem parangonas na abertura de telejornais? E é endeusado nos congressos da oposição? É espantosa, e misteriosa, a condição de protectorado (por exemplo, leia: FMI apanhado a planear nova bancarrota na Grécia; pode saber mais aqui).



publicado por paulo prudêncio às 11:50 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 04.02.16

 

 

 

Leia, sff, e tente adivinhar quem fez estas declarações antes de encontrar as soluções no parágrafo final; mas sentado como na imagem (prémio 2014 do melhor cartoon da Press Cartoon Europe).

 

  1. “Não é preciso ser altruísta para apoiar políticas que elevem a renda dos pobres e da classe média. Todos beneficiarão com essas políticas porque são essenciais para gerar crescimento mais alto, mais inclusivo e mais sustentado. Ou seja, para se ter crescimento mais duradouro será necessário gerar crescimento mais equitativo."
  2. "Novos estudos demonstram que elevar em um (1) ponto percentual a parcela da renda dos pobres e da classe média aumenta o crescimento do PIB de um país até 0,38 pontos percentuais em cinco anos. Em contrapartida, elevar em um (1) ponto percentual a parcela da renda dos ricos reduz o crescimento do PIB em 0,08 pontos percentuais. Nossas constatações sugerem que – contrariando a sabedoria popular – os benefícios da renda mais alta estão a "espalhar" para cima e não para baixo. Para além de outras variáveis, constata-se que os ricos gastam uma fracção menor da sua renda o que reduz a procura agregada e enfraquece o crescimento. Os nosso estudos anteriores demonstram que a desigualdade excessiva de renda reduz, e na verdade, a taxa de crescimento económico e torna o crescimento menos sustentável com o tempo."

 

Está sentado? Pois fique a saber que são declarações, em Bruxelas, de Christine Lagarde, em Junho de 2015, baseadas no boletim oficial do FMI de 17 de Junho de 2015 que integra o estudo, também de Junho de 2015 e do mesmo FMI"Causes and Consequences of Income Inequality: A Global Perspective". Se Maquiavel estivesse por cá, teria explicação: "disse ao Príncipe: faz a maldade toda em pouco tempo e depois confessa-a; sei lá: afirma-te neoliberal no início e "social-democrata para sempre" no fim; confia na sabedoria popular."

 

19240205_yfP9u.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 14:07 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 12.10.15

 

 

 

 

 

Uma democracia exige respeito pela legalidade, neste caso pela letra e pelo espírito da constituição, que inclui os resultados eleitorais. A PàF teve mais votos (duvida-se que o PSD o conseguisse sem coligação, mas isso agora é secundário) ficou longe da maioria de deputados e o PR reuniu de imediato com Passos Coelho. Antes do acto eleitoral, o PR anunciou que "exigia" uma maioria estável de governo, os líderes dos partidos tradicionalmente com mais votos pediram uma maioria absoluta para um dos lados e separaram águas. Os eleitores votaram como se sabe, as possíveis maiorias vão-se desenhando na mesa negocial e estamos perante um "tempo novo", afinal o tão desejado tempo da política, que começou, percebemos agora, há quase uma década. Parece-me que desenhei um quadro próximo de uma realidade, obviamente, complexa. É preciso paciência, facto sublinhado pelo silêncio dos mercados, do FMI ou das agências de raiting (isto agora foi para sorrir um bocado já que a bolsa de Lisboa reagiu) e não ficar aprisionado por preconceitos com quatro décadas ou até com apenas duas quando o CDS/PP era anti-arco (euro, europa, imigrantes e por aí fora) e se confundia com uma qualquer frente nacional. O bloco de esquerda, por exemplo, já deu sinais que aprendeu politicamente com as lições de "esvaziamento rápido do balão" do PRD, do CDS/PP e do próprio BE ou ainda com o recente Syriza.



publicado por paulo prudêncio às 15:22 | link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar

Segunda-feira, 28.09.15

 

 

 

 

"O FMI fechou a delegação em Portugal e é mais um sinal que temos o trabalho feito" disse Portas no dia em que a comissão europeia afirmou que o Governo tem margem para aumentar impostos por causa da derrapagem orçamental de 2015. A delegação do FMI veio em 2011, e por três anos como é regra no planeta terra, "mas em Portugal ficou mais um por causa de umas coisas irrevogáveis que transmitiram instabilidade". Mas o áudio da TSF registou outra tirada de Portas algo enigmática (uma espécie de despedida ou má forma?) para esse especialista em sound bites: "Ponham as cruzinhas na coligação".

 

politics-politician-chase-chased-sound_bite-sound_

 



publicado por paulo prudêncio às 18:57 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 22.07.15

 

 

 

Peguem em Cavaco Silva, Passos Coelho e Nuno Crato e ponham-nos, devidamente mediatizados, a concorrer como se fossem professores contratados no inferno burocrático que está em curso. Em seguida, obriguem-nos, e devidamente assessorados pelo secretário Casanova, a explicar ao mundo como é que um país pode ser tão improdutivo e armar-se em superior em relação aos parceiros na União. Depois admirem-se que o FMI vá passando a mensagem que Portugal é o próximo.

 

9930466_jkFLG.jpeg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:14 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 28.06.15

 

 

 

 

Tenho ideia de ter lido algures e concordo: "o plano A do Syriza contava com a social-democracia europeia, mas essa corrente está dominada pelo neoliberalismo: por ideologia ou benesses ilimitadas ou por táctica eleitoral".

 

Por cá não é diferente.

 

Está a "ver-se grego" significa "está a passar um mau bocado". Esta antiga expressão portuguesa deve ser, e repito o post que fiz há dias, bem recordada pelos portugueses. Quando Lagarde diz, hoje, "que o referendo não faz sentido", está a comprovar pela enésima vez a determinação do FMI em passar por cima da democracia. E se o faz com a Grécia por que é que não o fará de seguida com Portugal? Sinceramente, admira-me a disciplina FMI de grande parte dos portugueses com o Governo de Passos à frente.

 

Quem acompanha o blogue há mais tempo sabe que gosto de dar exemplos. Numa fase em que há erros na colocação de professores e em que decorrem as matriculas de alunos, é bom recordar um texto que escrevi há tempos e pensar que o "ver-se grego" é um estado que não preocupa os pequenos FMI que por aí pululam até que os próprios se tornem gregos que é o que acontece nas crises de grande escala.

 

 

Leia este post de 8 de Março de 2015:

 

Abriu o concurso interno de professores e as "inúmeras" vagas negativas têm uma qualquer relação com o mercado escolar. A regra, para o apuramento de vagas, do actual MEC considera 25 horas lectivas para os lugares do 1º ciclo e 22 para os do 2º e 3º ciclos e do ensino secundário. Como existem reduções e outras situações análogas, para além dos cortes a eito de Nuno Crato, as vagas negativas subiram em flecha (o Arlindo Ferreira apura-as aqui) e nem há 3 anos os ultraliberais embriagavam-se com 50 mil professores para a mobilidade.

 

Sejamos claros e peguemos num exemplo: se num grupo de recrutamento (antes da militarização taylorista designava-se disciplinar) existem 4 vagas negativas, só se 5 lugares ficarem vagos é que alguém é colocado nessa escola. Como se sabe, nada disto se relaciona com mobilidade especial e por aí fora. Só quem quiser jogar grãos de areia para as retinas menos atentas é que pode encontrar outra consequência.

 

Um dos concelhos mais mediatizados na relação público-privado do mercado escolar é o das Caldas da Rainha. Nem por acaso, o ranking das vagas negativas coloca um dos seus agrupamentos destacadíssimo em primeiro lugar. Os defensores, mesmo que em voz oculta e articulada, da situação vigente alarmam-se e lá terão construído as tácticas. É muito embaraçoso para a existência das cooperativas de ensino um número elevado de vagas negativas. Aliás, e a par do já descrito neste post, é a conclusão que resta.

 

Captura de Tela 2015-06-28 às 11.15.58.png

 



publicado por paulo prudêncio às 11:16 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Sábado, 15.03.14

 

 

 

 

Para Gaspar, P. Coelho, M. L. Albuquerque, Moedas e por aí fora, mil euros é o tecto salarial reservado ao povo e aos seus quadros superiores; acima disso é-se rico e esse espaço é reservado a quem se movimente nos aparelhos partidários, e nas suas órbitas evidentemente, que governam. Os banqueiros e os directores executivos das grandes empresas monopolistas (é a linguagem escolhida pelo Nobel Joseph Stiglitz) são uma casta desregulada que tem que ser muito bem tratada. Aliás, o FMI, por exemplo, é mesmo intocável e como credor fica de fora de qualquer perdão de dívida. E porquê? Porque são muito produtivos e infalíveis; os investigadores menos comprometidos é que andam distraídos ou então desconhecem as folhas excel.

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 13:53 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Quarta-feira, 19.02.14

 

 

 

 

 

 

 

De Fevereiro de 2012 e no sistema escolar foi concretizado.

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 21:54 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 13.01.14

 

 

 

 

Ouve-se com frequência a comparação com a anterior intervenção do FMI em Portugal. Em 1983, e depois de muita discussão pública, houve um corte no subsídio de Natal e as contas do Estado ficaram equilibradas para uma década.

 

Desta vez, vamos entrar no quarto ano de cortes a eito em salários, subsídios e pensões, registamos despedimentos em massa e um aumento inaudito de impostos. Os despedimentos envolveram também a administração pública, com os professores, exemplo que conheço melhor, a serem alvo do maior despedimento colectivo da história que atingiu mais de 12 mil pessoas em 2012 (mais de 30 mil em em três ou quatro anos). Se em 1983 sucedeu o referido, podemos imaginar o apetite internacional pela capacidade de pagamento do Estado português.

 

É evidente que a dívida de 2010 é muito superior à de 1983; a pública e a privada, note-se bem. Mas também podemos imaginar o destino do capital que originou a dívida, que é exactamente o mesmo que sugou as "obras a mais" nas inúmeras derrapagens das obras públicas e que originou os incomensuráveis buracos da banca que são agora cobertos anualmente. É tudo isso que o sistema financeiro internacional não se cansa de aplaudir promovendo os seus principais mentores que ainda conseguiram mais: a anestesia do melhor povo do mundo.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 21:32 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 29.12.13

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:03 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 15.12.13

 

 

 

Não foi este Governo que se exibiu por ter "orientado" o inenarrável relatório FMI que determinava a execução de ainda mais cortes a eito no sistema escolar? Não foi este Governo que se exibiu por estar para além da troika, e do FMI, e por ter dado carta branca a esse incompreendido CEOqual Bill Gates de Campolide, que ia transportar o sistema escolar para o mundo moderno das metas e dos achamentos curriculares na rota da Suécia e todos os adeptos da mercantilização da Educação? Perante os falhanços comprovados viram-se agora para os regimes onde os "disciplinados" alunos são enquadrados em turmas de cinco dezenas?

 

Estão agora caladinhos e apontam o dedo ao FMI? O que é feito do Moedas, do Barroso, do meteorologista, do derrubador de modelos-kafkianos e dessa plêiade de financeiros do outro mundo?Tinham tantas certezas e perante a tragédia não prestam contas?

 

 

(Já usei parte deste texto noutro post)



publicado por paulo prudêncio às 14:14 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 11.12.13

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:05 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 10.12.13

 

 

 

 

 

 

Sei o que foi, no final da adolescência, abandonar o país onde nasci porque o caos social tornava a vida "impossível". Custou-me virar as costas aos lugares e despedir-me da família e dos amigos com o conforto incessante das lágrimas misturado na certeza de um futuro que aquelas idades imortalizam.

 

Os nossos jovens adultos manifestam um amor comovente a Portugal, mas convencem-se que o futuro mora num lado mais ou menos distante. O seu discurso enaltece o sistema escolar português. Nos últimos anos, o mainstream não tem parado de abater o que se fez no nosso ensino. Apesar de todas as "reformas compulsivas" e do fenómeno, comprovado, de má privatização de lucros, há resultados que se evidenciam. É bom que também se evidencie a agenda dos mentores.

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 19:45 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Segunda-feira, 02.12.13

 

 

 

O Governo afirmou-se para além da troika, anunciou o empobrecimento irreversível e convidou os jovens adultos a emigrarem. Foi assim em 2011.


Dois anos depois, e quando se sabe que Portugal é o único país da troika a sair da crise com menos população e que está com sérios problemas demográficos, o primeiro-ministro anda por aí a corrigir o discurso. É lamentável. Passos Coelho diz inverdades, é impreparado, é radical em termos ideológicos e é atrevido como se verificou na campanha eleitoral. Só lhe resta uma saída, realmente. O que o país menos precisava era deste tipo de experimentalismo irresponsável.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:36 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Quarta-feira, 13.11.13

 

 

 

A dívida pública foi a mais rentável do mundo em 2012. A de 2013 ainda não se sabe, mas as decisões do tribunal constitucional podem ter comprometido o objectivo.

 

O orçamento português para 2014 é o mais discutido do mundo e o FMI até exige mais cortes a eito em (quase) tudo o que exista. O tribunal constitucional português é, também e de longe, o mais analisado do mundo.

 

Será que na base de tanta discussão mundial estará a intenção dos financeiros dos mercados para que a dívida portuguesa volte a ser a mais rentável do planeta em 2014? Os mercados mundiais são uns generosos com esta intenção de nos colocarem no topo do mundo; e o Governo (e o PR, e a CE, e sei lá mais o quê) até faz uma vénia.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 21:41 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 23.10.13

 

 

 

 

 

 

Continua o corrupio de pressão sobre o Tribunal Constitucional para que a ganância aprofunde a luta desigual entre classes; vigente também em Portugal.

 

Já vieram os bancários nacionais que estão ao serviço de quem manda, também debitaram sentença os governantes e a legião de assessores espalhados pelos órgaõs de comunicação social e até o FMI, o eurogrupo e o presidente da nossa República não resistiram às encomendas.

 

As agências de raiting devem estar a meditar no grau de descaramento, mas a banca mais predadora, e que vence com a dívida pública mais rentável do mundo em 2012, a portuguesa, não conseguiu, coitada, aguentar tanto frenesi.

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:46 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Enfim. Parece Roma à beira do fim.
Insistentemente; nem mais.
e quantos mamões e mamonas nas últimas décadas que...
e são só os candidatos a prof?! Os horários zero q...
É lamentável.
Aqui no brasil, uma faculdade demitiu nesta semana...
Desde 2007 (mais ou menos) que Joseph Stieglitz ex...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
20 comentários
15 comentários
11 comentários
9 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676