Em busca do pensamento livre.

Domingo, 29.01.17

 

 

 

Vi a apresentação e não perderia o filme de Fanny Ardant - produzido por Paulo Branco -, estreado ontem e filmado quase totalmente no Buçaco. A revista do Expresso despertou-me mais curiosidade com a interessante entrevista ao actor principal Gérard Depardieu, apesar da crítica de Jorge Leitão Ramos terminar assim: "(...)Mas a grosseria carroceira com que Depardieu incarna o personagem, emprestando-lhe uma violência descabelada no relacionamento directo com os que o rodeiam, é de tal maneira despropositada que o filme se desagrega antes mesmo de ganhar consistência." Discordo do crítico. O filme tem muita consistência. Depardieu tem um desempenho muito bom. Dá ao personagem a aura violenta, sem qualquer imagem "chocante" a não ser do ponto de vista psicológico, relatada pela história numa versão que cruza o marxismo com a psicanálise. Penso que o actor principal é mesmo mais um forte motivo para se considerar o filme imperdível. O "Público resume-o assim":

"Envelhecido e de saúde debilitada, Estaline – líder da União Soviética desde 1922 até a sua morte, em 1953 – resolve seguir os conselhos médicos e recolhe-se num palácio isolado durante alguns dias. Lidia, sua amante há várias décadas, acompanha-o nesta viagem. Inesperadamente, ele decide fazer todas as noites o seguinte: deitar-se num divã, assumindo-se como paciente, e obrigar Lidia a representar o papel de psicanalista. Temendo a sua fúria, ela concorda em seguir as indicações do livro "A Interpretação dos Sonhos", de Sigmund Freud. Oleg Danilov é um artista brilhante que ali se encontra, esperando ansiosamente pela oportunidade de mostrar a Estaline a obra que criou em sua honra. Mas Lidia, que não é indiferente aos encantos de Danilov, vê-se arrastada para um perigoso jogo onde qualquer indício de traição pode significar a morte.
Quase totalmente filmado no Buçaco Palace Hotel (numa co-produção franco portuguesa), "O Divã de Estaline" é um filme dramático que que se inspira na obra com o mesmo nome de Jean-Daniel Baltassat. Com argumento e realização de Fanny Ardant, conta com Gérard Depardieu, Emmanuelle Seigner e Paul Hamy nos papéis principais."

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:07 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 15.01.17

 

 

 

 

"Na Via Láctea", de Emir Kusturica e filmado em quatro verões, tem as marcas do realizador: música e argumento. Desta vez, acrescenta-se a presença de Kusturica como actor principal e, nem por isso, a direcção de actores parece prejudicada. É exactamente o desempenho dos actores que me impressionou em "Manchester by The Sea" de Kenneth Lonergan. São dois filmes a ver. O primeiro é mesmo imperdível para quem gosta de Kusturica. Dá ideia de uma qualquer despedida. 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:41 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 06.01.17

 

 

 

O filme de Emmanuelle Bercot, "De cabeça erguida", retrata as tutorias no sistema francês. Considerando que um jovem pré-delinquente (ou sem pré) passará umas 5 a 7 horas diárias na escola, o tutor supervisiona, logicamente, as restantes 17 ou 19. O tutor é, portanto, um profissional ligado aos sistemas social e judicial. Tem contacto, por exemplo, com as situações de indisciplina, ou de género semelhante, que ocorrem fora da escola. Em Portugal é o inverso. O tutor é um professor inspirado em Sísifo. Todos os dias parte do zero. Faz numas 4, se tanto, horas semanais, o que "será desconstruído" nas restantes 158. É também aqui que se constata a ubiquidade, e a inutilidade, do conceito de escola a tempo inteiro (sem desprezar, obviamente, a colaboração da escola na "guarda" de crianças em situações bem identificadas).

Nota: impressiona como alguma comunicação social responsabiliza a escola num caso mediático de violência juvenil fora da escola. É a escola total numa sociedade ausente.

nuvem-da-palavra-da-delinquncia-juvenil-62875749



publicado por paulo prudêncio às 12:39 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sábado, 31.12.16

 

 

 

 

IMG_0346

Alameda da Fundação Serralves

 

Dizem-me que Rio "eliminou" a oferta cultural no Porto e nota-se nos teatros e nos cinemas. Num registo mais recente, a zona histórica da cidade rendeu-se à inundação turística e o clima acompanhou. Ficámos alojados na Avenida da Boavista, ao largo da agitação, e começámos por Joan Miró (materialidade e metamorfose) um acervo que estava nas mãos do BPN (arte é arte acima dos negócios terrenos). Jantámos no imperdível Solar Moínho de Vento (o arroz malandro com costelinhas, grelos e moura é divinal). Amadeo de Souza Cardoso (exposição 1916-2016), no Museu Nacional Soares dos Reis ficou para o dia seguinte)é uma recriação da genial exposição em que Amadeo foi tudo antes de morrer com 30 anos vítima da "gripe espanhola". Como ouvi a um catalão: os portistas vingaram-se quase um século depois e apropriaram-se do Joan Miró. Mais à noite, o Ribeira Square fez jus à famosa francesinha antes da Casa da Música exibir outro ponto forte da actualidade nacional: os jovens músicos representados pelo quinteto de Filipe Teixeira.

 

IMG_0350

Quinteto de Filipe Teixeira na Casa da Música

 

O Porto está belíssimo para passear. O tabuleiro superior da ponte D. Luís, de Gustave Eiffel, ficou para metro e peões. Passámos por lá e fotografámos os últimos momentos de uma visita muito agradável.

 

IMG_0356

 Ribeira do Porto vista da Ponte D.Luís



publicado por paulo prudêncio às 10:47 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 04.11.16

 

 

 

 

Venho do imperdível e dilacerante romance de Han Kang, "A Vegetariana", e entro no prometedor "O Passageiro Walter Benjamin" de Ricardo Cano Gaviria. A literaratura é exigente mas inigualável. A construção da imagem do que vamos lendo é mesmo um exercício maior e isto escrito por um pequeno cinéfilo que vem de um duríssimo, mas não menos imperdível, "Julieta" de Pedro Almodóvar.

 

image

 



publicado por paulo prudêncio às 10:03 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 07.09.16

 

 

 

"Querem ver que vai ler a carta toda". Levantou-se e saiu. Éramos uma dezena de espectadores e já estávamos reduzidos a metade ("A carta" do genial Manoel de Oliveira; um bom filme). Não aprecio comentários, mas este foi inesquecível. Uma freira recebeu uma carta no seu quarto do convento. Íamos com uns minutos num plano inamovível, a carta tinha umas quantas folhas e o saturado espectador tinha razão: leu a carta toda.

 

2ª edição. Reescrito.

 

19825602_JbMZd

 



publicado por paulo prudêncio às 15:42 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 28.08.16

 

 

Rams_2015_film_poster.jpg

 

 

É desconcertatnte o filme do Islandês Grimur Hákonarson que está no Nimas, em Lisboa. Desde os eternos conflitos entre progressistas e conservadores até aos duelos entre avanços da ciência e identidade cultural, e passando pelas mais diversas contradições no exercício da cidadania e na condição humana, Carneiros é uma obra cinematográfica imperdível.

 

No Público:

"Título original: Rams; De: Grímur Hákonarson; Com: Sigurður SigurjónssonTheodór JúlíussonCharlotte Bøving; Outros dados: NOR/DIN/POL/Islândia, 2015, Cores, 93 minutos.
Nascidos numa aldeia islandesa, os irmãos Gummi e Kiddi são criadores de ovelhas, tal como as várias gerações que os precederam. A sua rivalidade é lendária. Há mais de 40 anos que, por um motivo que já ninguém recorda, não dirigem palavra um ao outro. Um dia, é diagnosticada uma doença contagiosa a uma ovelha pertencente a uma quinta das redondezas. As autoridades optam por abater todos os animais que possam ter tido contacto com o agente infeccioso. Determinado a não seguir as regras, Gummi elabora então um plano de fuga para salvar os seus animais. Mas, para que isso se torne possível, terá de engolir o orgulho e pedir ajuda ao seu irmão.
Com realização e argumento de Grímur Hákonarson, "Carneiros" foi apresentado no Festival de Cinema de Cannes, onde recebeu o prémio Un Certain Regard. Os actores Sigurður Sigurjónsson e Theodór Júlíusson são os protagonistas."
 
 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:05 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 23.08.16

 

 

 

É difícil uma classificação assim ("Mulholland Drive, de David Lynch, foi escolhido como o melhor filme do século XXI por uma votação, promovida pela BBC Culture, de 177 críticos de cinema de todo o mundo (de todos os continentes menos a Antárctida, como sublinham os editores da BBC que organizaram o inquérito juntando 36 países)"), mas Mulholland Drive (2001) é genial. Vi-o a primeira vez no King, em Lisboa. Fiquei fascinado. Lembro-me que viemos a viagem toda a discutir a complexidade do filme com uns amigos. Se me permitem, é uma obra do nível de "Eyes wide shut”", de Stanley Kubrick; e não só por serem temas semelhantes. Aliás, o filme de Kubrick ficou prejudicado com a morte do realizador com a montagem por concluir.

 

O trailer de Mulholland Drive.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 23:33 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 22.07.16

 

 

 

 

"Francofonia" é um bom filme de Aleksandr Sokurov. 1940: as tropas nazis entram em Paris e ficamos a saber o que aconteceu ao Museu do Louvre. É o ponto central do argumento. Os conceitos de "Liberdade, fraternidade e igualdade", "gosto pela arte" e "relação entre arte e guerra" são friamente analisados e ilustrados por imagens de um navio que transporta, e vai perdendo, contentores de arte em tempestuoso alto mar. A ver.

 

 

Título original: Francofonia; De: Aleksandr Sokurov; Com: Louis-Do de LencquesaingBenjamin UtzerathVincent Nemeth; 88 min.

 

1940. As tropas Nazis tomam conta da cidade de Paris (França). Jacques Jaujard (Louis-Do De Lencquesaing), director do Museu do Louvre, e o Comandante Franz Wolff-Metternich (Benjamin Utzerath), chefe da comissão alemã para a protecção das obras de arte em França, vêem-se obrigados a colocar as suas diferenças de parte e aliam-se para preservar os tesouros do museu. Assim, ao mesmo tempo que os exércitos arrasam a cidade, eles fazem o que podem para proteger algumas das mais importantes criações da Humanidade.
Com realização do aclamado realizador Aleksandr Sokurov (“A Arca Russa”, “Pai e Filho”, “Alexandra”, “Fausto”), um filme sobre um período negro da História europeia, onde se reflecte sobre a arte, o poder e a cultura e a importância dos museus na preservação da identidade humana. 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:00 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 21.07.16

 

 

 

 

O muito bom filme de Emmanuelle Bercot, "De cebeça erguida" (na imagem), retrata as tutorias no sistema francês. Considerando que um jovem pré-delinquente (ou sem pré) passará umas cinco a sete horas diárias na escola, o tutor supervisiona, logicamente, as restantes dezassete ou dezanove horas. O tutor é, portanto, um profissional ligado aos sistemas social e judicial. Em Portugal é o inverso. O tutor é um professor inspirado em Sísifo. Todos os dias parte do "mesmo" grau. Faz numa dezena, se tanto, de horas semanais o que provavelmente "será desconstruído" nas restantes 158. É também aqui que se constata a ubiquidade da escola a tempo inteiro.

 

334715.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 10:42 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 19.07.16

 

 

 

 

"De cabeça erguida" tem como figura central uma juíza (Catherine Deneuve) de um tribunal de menores francês. Isso diz muito do argumento e tem uma relação poderosa com os actos terroristas a que temos assistido. O muito bom filme de Emmanuelle Bercot devia ser de visionamento obrigatório para as pessoas que opinam sobre o abandono escolar e a delinquência juvenil num tom crítico para os profissionais ou com ligeireza. A personagem interpretada por Catherine Deneuve dá uma lição de pedagogia, sensatez, firmeza e sabedoria. Imperdível mesmo.

 

 

 

Título original: La Tête Haute; De: Emmanuelle Bercot; Com: Catherine DeneuveRod ParadotBenoît MagimelSara Forestier; 120 min.

 



publicado por paulo prudêncio às 09:32 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 18.07.16

 

 

 

Muito bom o filme de José Luis Guerin. O lugar das Musas é reflectido através do curso de um professor de Filologia e da sua vida particular. "O amor é uma invenção dos poetas e o matrimónio dos economistas" é uma asserção dissecada com ritmo e oportunidade.

 

 

 

Título original: La academia de las musas; De: José Luis Guerín; Com: Rosa DelorEmanuela ForgettaPatricia GilMireia Iniesta; 92 min.

 

"Ao chegar a casa depois de um dia de aulas na universidade, um professor de Filologia é questionado pela sua mulher sobre o projecto académico que tem em mãos. Convencido do poder da arte, e inspirado pelos clássicos, ele propôs-se a criar uma "Academia das Musas" destinada a regenerar o mundo pela poesia, através das míticas figuras que motivam a criação artística. Durante a discussão, o casal faz uma avaliação da sua vida afectiva, ao mesmo tempo que debate vários tópicos filosóficos: o amor, o belo, a subjectividade ou o papel do criador e da criação. A relação dele com as suas alunas, que inevitavelmente acaba por seduzir, acaba por ter repercussões directas no seu casamento e na forma como a esposa o vê.
Numa mistura de documentário e ficção, o realizador catalão José Luis Guerín ("Comboio de Sombras", "Dans la Ville de Sylvia") constrói uma história sobre o desejo, a infidelidade e a necessidade de inspiração. Em competição no Festival de Locarno (Suíça) e no Lisbon & Estoril Film Festival (Portugal), este filme arrecadou o Giraldillo de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cinema de Sevilha (Espanha)."


publicado por paulo prudêncio às 16:32 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 05.07.16

 

 

 

"O amor nem sempre vence o poder, mas é o único caminho para a sabedoria" é uma frase do cineasta iraniano na obra "Shirin". Encontrei-a por aqui quando ontem o recordava depois de um primeiro post sobre a sua morte.

 

image.jpeg

 

A imagem é do genial "sabor da cereja" (1997).



publicado por paulo prudêncio às 10:53 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 04.07.16

 

 

 

Morreu o cineasta iraniano Abbas Kiarostami. É difícil escolher, mas é o meu cineasta preferido. O "sabor da cereja" (1997) foi a revelação e o "através das oliveiras" (1994 - este vídeo terá sido removido pelo regime iraniano?) a confirmação. Vi mais de uma dezena de filmes, alguns já são clássicos, sempre rendido à tela inundada de poesia e ritmo e com parcos recursos. Paz à sua alma.

 

abbas_kiarostami.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 20:54 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 04.04.16

 

 

 

Não gostei de Pedro Almodóvar aos papéis no Panamá. Já li umas justificações no El País. Acompanho há muito, e com muito interesse, o cineasta e recordo-me dos seus ataques ferozes ao capitalismo desregulado e aos offshores. Veremos como se explica. Mas tudo isto não significa que não canse um bocado o lançamento de pedras à esquerda e à direita. A superioridade moral na humanidade não me parece que dependa da ideologia. Há corrupção onde há humanos. É evidente que o capitalismo desregulado mostra que é ainda mais propício às fragilidades de carácter e que não olha a ideologias; digamos que é corrupção a eito.

 

600full-pedro-almodovar.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 18:54 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 14.03.16

 

 

 

 

Morreu um extraordinário actor.

Que descanse em paz!

 

IMG_9433.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 18:42 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 20.02.16

 

 

 

umberto-eco-640x280.jpg

 

 

Faleceu Umberto Eco (1932 - 2016).

 

Bastava citar duas obras:

 

Mas houve mais (li apenas três das que se seguem):

 

E encontra aqui muitas outras obras.

 

Que descanse em paz.



publicado por paulo prudêncio às 11:29 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 03.01.16

 

 

 

"45 anos" de Andrew Haigh e "A juventude" de Paolo Sorrentino são dois filmes muito bons sobre o envelhecimento. Se Andrew recorre a um ambiente pacato e rural e à vida em comum de duas pessoas que ao fim de 45 anos percebem que não se conhecem, Sorrentino escolhe um ambiente de luxo nos Alpes suiços para contar a sua história através de um maestro reformado e de um cineasta com um longo currículo. São duas realizações muito boas. As salas de cinema estão com muitos filmes bons. Seguem-se os dois vídeos de apresentação.

 

45 anos

 

A juventude

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 20:47 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 19.09.15

 

 

 

irracional-man-14julho2015-09.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para Woody Allen, em o "Homem Irracional", não existe. Mesmo o crime cometido, em nome da estética (do belo) e da moral (a justiça em favor de toda a comunidade), pelo controverso professor de filosofia de uma escola secundária teve os dias contados. O tempo, sempre o tempo, eliminou a "perfeição" do acto e a racionalidade Kantiana e evidenciou uma irracionalidade que exacerbou os interesses de um criminoso que encontrou "nesse agir" um sentido para a vida. Mas o melhor é irem ver o filme que está na linha de "Match Point" e que é um dos melhores de Woody Allen nos últimos anos.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:44 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 16.09.15

 

 

 

Antes de lhe sugerir, caro leitor, que leia a carta (publicada pelo Público de 16 de Setembro de 2015) que Passos Coelho escreveu, em 2011, a Sócrates a pedir a troika, recordo um post que escrevi em tempos sobre um filme e uma carta:

 

"Querem ver que vai ler a carta toda". Levantou-se e saiu.

 

A cena passou-se no saudoso cinema King, em Lisboa, ao fim da primeira hora (mais ou menos, claro) de exibição do belo filme "A carta" de Manoel de Oliveira. Éramos uma dezena de espectadores e já estávamos reduzidos a metade. 

 

Confesso que não aprecio comentários dos espectadores nas salas de cinema, mas este foi inesquecível. Uma freira recebeu uma carta no seu quarto no convento, há uns minutos que a câmara nos dava um plano inamovível, a carta tinha umas quantas folhas e o saturado espectador tinha razão: leu a carta toda.

 

 Mas vamos então à carta que esclarece definitivamente o assunto:

 

Confidencial

Gabinete do presidente

Senhor primeiro ministro

“Recebi hoje informação, da parte do senhor Governador do Banco de Portugal, de que o nosso sistema financeiro não se encontra, por si só, em condições de garantir o apoio necessário para que o Estado português assegure as suas responsabilidades externas em matéria de pagamentos durante os meses mais imediatos. Ainda esta manhã o senhor Presidente da Associação Portuguesa de Bancos transmitiu-me idêntica informação.

Estes factos não podem deixar de motivar a minha profunda preocupação.

Não desconheço que o Governo tem repetidamente afirmado que Portugal não necessitará de recorrer a qualquer mecanismo de ajuda externa e é certo que a competência pela gestão das responsabilidades financeiras do país cabe por inteiro ao Governo.

Não disponho de informação sobre as acções e diligências que o Executivo estará a desenvolver para assegurar o cumprimento dessas obrigações. Porém, é do conhecimento público a situação do mercado que a República vem defrontando, desde há vários meses a esta parte, bem como o facto de o sistema bancário se encontrar sem acesso ao mercado desde há mais de um ano.

Atenta a especial sensibilidade desta matéria e as gravíssimas consequências que decorriam para o nosso país de qualquer eventual risco de incumprimento, é essencial que o Governo garanta, com toda a segurança e atempadamente, adopção das medidas indispensáveis para evitar tal risco.

Nestas circunstâncias, entendo ser meu dever levar ao seu conhecimento que, se essa vier a ser a decisão do Governo, o Partido Social Democrata não deixará de apoiar o recurso aos mecanismos financeiros externos, nomeadamente em matéria de facilidade de crédito para apoio à balança de pagamentos.

Considerando a extrema relevância desta matéria, informo ainda que darei conhecimento desta carta confidencial ao senhor Presidente da República.

Com os cumprimentos,

[assinatura]

Pedro Passos Coelho

Lisboa, 31 de Março de 2011

 

1314393711712.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 12:05 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 25.08.15

  

 

Este post, e para sublinhar o espírito do que vai ler, foi integralmente produzido num Iphone. Por isso, um ou outro detalhe de formatação escapa ao habitual.

 

image.jpg

 

 

 

É imperdível o filme, em jeito de documentário, do dissidente iraniano Jafar Panahi. Num Táxi, e recorrendo a dois aparelhos subversivos, um IPhone e um IPad, o realizador constrói uma trama que começa e acaba com uma fusão entre duas espécies: o assaltante que se afirma justiceiro e o homem do regime praticante da censura.

 

Em Lisboa, o filme pode ser visto na boa sala do Cinema Ideal que promete afirmar-se com cinema alternativo.

image.jpg

 

 

 

 

 

 

 


tags:

publicado por paulo prudêncio às 16:49 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 07.06.15

 

 

 

 

 

timbuktu.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os governos, como o português, que remetem para indicadores económicos a recepção de refugiados africanos deviam ver, obrigatoriamente, Timbuktu todos os dias até erguerem uma argumentação menos arrepiante e desumana (que é para ser brando). É muito bom o filme do mauritano Abderrahmane Sissako. É um espécie de grito e dá ideia que é mais um sinal de desespero construído para passar nas malhas de uma qualquer censura.

 

O Cinecartaz do Público diz assim: "Tombuctu (também chamada de Timbuktu), no Mali, é cidade Património Mundial da UNESCO desde 1988. De pequena povoação perdida no deserto do Sara, o lugar transformou-se, ao longo dos séculos, em capital intelectual e espiritual de África, um oásis no deserto que foi despertando a atenção do mundo. Em 2012, a cidade é ocupada por um grupo islâmico liderado por Iyad Ag Ghaly. O medo e a incerteza apoderam-se daquele lugar. Por ordem dos fundamentalistas religiosos, a música, o riso, os cigarros e o futebol são banidos. As mulheres são obrigadas a usar véu e a mostrar submissão total. A cada dia surgem novas leis para serem cumpridas e a vida de cada um dos habitantes vai sendo modificada tragicamente. Não muito longe dali vive Kidane com a mulher Satima, a filha Toya e Issan, um jovem pastor de 12 anos. A existência desta família, até agora tranquila, vai alterar-se abruptamente quando Kidane é acusado de um crime…

Realizado pelo mauritano Abderrahmane Sissako, um filme dramático, baseado num episódio real, que tenta denunciar a propagação do fundamentalismo. Depois da sua passagem pelo Festival de Cinema de Cannes, "Timbuktu" foi nomeado para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro e venceu sete prémios César: Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Argumento Original (Abderrahmane Sissako, Kessen Tall), Melhor Música Original (Amine Bouhafa), Melhor Som (Philippe Welsh, Roman Dymny, Thierry Delor), Melhor Fotografia (Sofian El Fani) e Melhor Montagem (Nadia Ben Rachid)."

 

Trailer oficial legendado.

 



publicado por paulo prudêncio às 12:37 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 16.05.15

 

 

image.jpg 

 

Phoenix é um filme imperdível. É uma obra prima comovente. Nelly regressa de um campo de concentração e quando se confronta com as imagens anteriores à guerra para uma cirurgia de reconstrução facial as fotografias assinalam os amigos: os sobreviventes, os falecidos e os nazis. A surpresa é brutal com o universo de hipocrisia e falsidade que preenche as relações humanas. É também uma lição para os tempos neoliberais que vamos vivendo neste milénio e que nos leva a concluir que os movimentos nazis são possíveis ao virar da mais inesperada das esquinas.

 

Título original: Phoenix

 

Alemanha, Outono de 1945. Nelly Lenz (Nina Hoss) é uma sobrevivente dos campos de concentração nazis. Apesar de ter escapado à morte, sofreu vários ferimentos que lhe deixaram o rosto totalmente desfigurado. Lene Winter (Nina Kunzendorf), que trabalha para uma agência judaica, cuida dela e leva-a para Berlim, ajudando-a de todas as maneiras que é capaz. Quando, após uma cirurgia de reconstrução facial, Nelly se apercebe de que está quase irreconhecível, Nelly sente-se perdida. É então que decide ficar na cidade e procurar Johnny (Ronald Zehrfeld), o marido, que tudo indica ter sido quem a denunciou às autoridades alemãs. Certo dia, encontram-se. Convencido de que Nelly morreu, Johnny não a reconhece. Mas propõe-lhe um trato: dadas as semelhanças com a esposa que julga falecida, pede-lhe que finja ser ela própria e o ajude a reclamar uma herança em seu nome. Determinada a descobrir a verdade sobre as intenções do homem com quem casou e que nunca deixou de amar, Nelly concorda…
Com argumento e realização do alemão Christian Petzold ("Bárbara"), é a adaptação cinematográfica da obra "Le Retour des Cendres", de Hubert Monteilhet. Em 2014, "Phoenix" recebeu o Prémio da Crítica Internacional (Fipresci) no Festival de Cinema de San Sebastián, no País Basco. PÚBLICO

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:22 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 05.04.15

 

 

manoel_de_oliveira.jpg

 

 

Chego ligeiramente atrasado ao anúncio do falecimento (2 de Abril de 2015) do Mestre do cinema português, mas confesso que não me preparei para o sucedido.

 

Vi, seguramente, mais de uma dezena de filmes do grande cineasta (sempre em salas vazias). O realizador rasgou fronteiras e tem algumas obras que me recordam um dos meus realizadores preferidos: Abbas Kiarostami. E é de um dos filmes deste iraniano, "Através das oliveiras", que me lembrei nestes dias em que os médias portugueses deram uma demonstração de planeamento com reportagens elaboradíssimas sobre o Mestre. A história começa assim: um grupo de jornalistas do canal estatal da moderníssima Teerão dirije-se a uma recôndita aldeia, a 700 kms, para documentar o choro das carpideiras. Só que o planeado defunto nunca mais falece e os jornalistas ficam inabitados com a ausência das comodidades quotidianas.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:12 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 18.12.14

 

 

 

 

 

Trailer oficial legendado.

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:11 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 10.12.14

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 11:36 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 09.12.14

 

 

 

"O Leopardo" (1963), filme premiado de Luchino Visconti, retrata "(...)a atmosfera vivida nos palácios da aristocracia durante o conturbado reinado de Francisco II das Duas Sicílias e o Risorgimento - longo processo de unificação dos Estados autônomos que originaram o Reino de Itália, em 1870.(...)Trata-se de uma adaptação do romance homônimo(...)que usa a queda da monarquia de Bourbon no Reino das Duas Sicílias e sua anexação ao da Alta Itália, governado pela dinastia Saboia.(...)".

 

No fundo, a esperança de "Il Gattopardo" era que tudo ficasse na mesma.

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:25 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 07.12.14

 

 

 

"Querem ver que vai ler a carta toda". Levantou-se e saiu.

 

A cena passou-se no saudoso cinema King, em Lisboa, ao fim da primeira hora (mais ou menos, claro) de exibição do belo filme "A carta" de Manoel de Oliveira. Éramos uma dezena de espectadores e já estávamos reduzidos a metade. 

 

Confesso que não aprecio comentários dos espectadores nas salas de cinema, mas este foi inesquecível. Uma freira recebeu uma carta no seu quarto no convento, há uns minutos que a câmara nos dava um plano inamovível, a carta tinha umas quantas folhas e o saturado espectador tinha razão: leu a carta toda.

 

 

image.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 17:31 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 04.12.14

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:20 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 04.06.14

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:04 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 10.01.14

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 09:56 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 02.12.13

 

 

 

 

Hannah Arendt








publicado por paulo prudêncio às 18:34 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 27.10.13

 

 

 

 

 

Blue Jasmine está longe dos melhores filmes de Woody Allen, mas é oportuno.

 

Através da queda sem fim de um super-rico de Nova Iorque, o realizador faz a "narrativa" da desgraça do modelo corrupto norte-americano que a Europa importou. Nem a mítica Holanda, que até fornece o presidente do eurogrupo, como paraíso da lavagem de dinheiro escapa a Woody Allen.

 

A queda do modelo ocidental parece irreversível e Portugal não escapa à voragem. É evidente que, e pensando até na irrevogável finitude, cada um dos ocidentais tem sempre alternativas. A felicidade não depende apenas da quantidade de matéria. Mas a questão mais preocupante, como o Paulo Guinote retrata aqui, é o destino colectivo e o progresso das democracias.

 

No caso português, é hoje irrefutável o descrédito e o desnorte dos partidos do arco do poder. A corrupção associada à captura do Estado foi arrasadora e a luta de grupos dentro desses partidos está ao rubro. 

 

Já ninguém contesta que a democracia representativa entrou mesmo em crise. Há uma oposição institucional que vai estruturando os protestos e existe uma franja não organizada que está num impasse. A ideia de conjugar a revolta com a violência vai-se alastrando pelos lados mais impensáveis. Isso é também incontestável. Quem não faça parte dos beneficiários do "regime", só aponta uma alternativa: combate à corrupção. Como é que isso se faz sem violência é a equação mais difícil, uma vez que uma boa parte do chico-espertismo vai passando pelos pingos da chuva e teima em não sair da estratosfera.

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:08 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 25.09.13

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:38 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 11.06.13

 

 

 

 

Estava, na última sexta-feira, à conversa com a CJ e o LR quando a CJ introduziu um tema que desconhecíamos: Vitor Gaspar justificara a ausência de investimentos com a meteorologia. Ficámos incrédulos e o riso acentuou-se quando o LR se recordou de uma estória semelhante: "O Willkommen Mr. Chance (de 1979 e vai em alemão porque sim)" com Peter Sellers.

 

Já vai ver o vídeo, e ler um resumo do filme, e perceber como um jardineiro isolado do mundo real, compulsivo no zapping televisivo, lento e monocórdico no discurso e que falava literalmente de jardins, conseguia impressionar os poderosos deste mundo que "liam" os seus discursos como metáforas (o LR disse-me há pouco que são mais alegorias com uma ou outra metáfora, o que no caso Gaspariano é ainda mais perigoso) políticas.

 

E não é que a seta vermelha que encontrei no Público do dia seguinte fez a mesma associação? Asseguro que foi uma coincidência, mas é muito significativo.

 

 

 

 

 

 

"Imaginemos que um homem foi criado, desde que se lembra, na casa de um homem rico, em Washington, DC, onde aprendeu a cuidar dos jardins e a aguardar que as refeições lhe fossem servidas por uma empregada, Louise, sendo esta a sua rotina, dia após dia, ano após ano, até aos seus cinquenta anos. Sem autorização para sair da propriedade, sem documentos para comprovar a sua existência legal, esse homem vive completamente a sua identidade de jardineiro, conhecendo o mundo apenas através dos inúmeros televisores com que o misterioso “senhor idoso” dono da casa, ao longo dos anos, o presenteou. Habituado a observar e a imitar o que vê, mas não a agir nem a interagir com pessoas, controla a realidade mudando de canal constantemente, mantendo uma expressão neutra e um discurso pausado, vazio e monocórdico. Agora imaginemos que o “senhor idoso” morre, que a empregada Louise se vai embora e que a casa é fechada, à ordem dos advogados encarregados de fazerem o inventário. E que quando os advogados chegam, encontram aquele homem na sala, sentado à mesa, a mudar os canais do televisor enquanto espera que a Louise lhe sirva o almoço. “Being There”, título original do romance de Jerzy Kosinski e desta longa-metragem, é o título certo e um grande título.

 

Finalmente despejado, aquele homem, Chance, pisa a rua, aos cinquenta anos, pela primeira vez na sua vida. À primeira vista, nada de mal se nota nele. Pelo contrário, está bem vestido, talvez demasiado bem vestido e certamente num estilo demasiado clássico, com aquele chapéu de feltro cinzento, aquela mala de crocodilo, o sobretudo e o guarda-chuva, mas, se o seguirmos com o olhar enquanto o vemos passar e o observarmos melhor quando ele está de costas, revelam-se-nos as calças curtas de mais que descompõem grosseiramente a ilusão de boa apresentação das restantes roupas do “senhor idoso” que ele era autorizado a vestir. Gelamos pela redefinição de solidão dada por aqueles passos sem destino, por aquelas perguntas patéticas, pelas tentativas de mudar a realidade desagradável com o telecomando de televisor que trazia no bolso.

 

Mais pungente ainda se torna tudo isto se soubermos que o actor que interpreta esta quase não-entidade, esta espécie de cidadania de grau zero de consciência, é Peter Sellers, celebrizado por figuras incrivelmente cómicas como Harry em “O Quinteto Era de Cordas” (1955), Clare Quilty em “Lolita” (1962), o Doutor Estranho Amor no filme com o mesmo nome (1964), o detective chinês Sidney Wang em “Um Cadáver de Sobremesa” (1976) e, sobretudo, o inspector Jacques Clouseau na série de filmes da Pantera Cor-de-Rosa (1963-1978).

 

Por esta composição, Peter Sellers recebeu a sua terceira nomeação para um Óscar (a primeira foi para o de melhor curta-metragem, a segunda foi para o de melhor actor principal em “Doutor Estranho Amor”), novamente para o de melhor actor principal, mas pela sua única interpretação num filme dramático, avaliada por muitos críticos como tendo sido a melhor de toda a sua carreira. Não só não ganhou o Óscar (em nenhuma das ocasiões) como, cerca de dois anos depois de concluída a rodagem de “Bem-Vindo Mr. Chance”, morreria em consequência de ataque cardíaco, aos 54 anos.

 

É natural que o excelente cómico tenha ofuscado o actor dramático desta obra estranha de um Chance, "gardner" (jardineiro) transformado acidentalmente em Chauncey Gardiner, a cujo discurso vazio os poderosos acrescentam sentido, mas quer a vitória de um, quer a derrota do outro são peças preciosas para o cinéfilo dos filmes sem idade."

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 11:24 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 01.01.13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imperdível. Uma homenagem à vida e ao amor. Um filme que dói.

 

 

"Georges e Anne são dois professores de música reformados que já passaram dos oitenta. Vivem comodamente num belo apartamento de Paris, têm uma vida cultural activa e sentem-se felizes e realizados. Até Anne ter um acidente cardiovascular. Saída do hospital, paralisada de um braço e impedida de voltar a tocar, torna-se totalmente dependente dos outros. Os dias vão passando até que todos se apercebem que a doença também lhe afectou o cérebro e que ela caminha para uma demência progressiva. E é assim que, a braços com uma situação sem retorno, eles vão ter de aprender a lidar com o medo e com a consciencialização do fim que, inexoravelmente, se aproxima.
Um filme dramático sobre o amor e a velhice, realizado pelo aclamado realizador austríaco Michael Haneke. O filme, aplaudido pelo público e pela crítica no Festival de Cannes de 2012, valeu a Haneke a segunda Palma de Ouro (depois d' "O Laço Branco" em 2009) e foi o vencedor da 25.ª edição dos Prémios do Cinema Europeu, conquistando as quatro categorias principais: melhores filme, realizador, actor (Jean-Louis Trintignant, depois de uma ausência de mais de uma década) e actriz (Emmanuelle Riva). Público."


 



publicado por paulo prudêncio às 13:51 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 27.06.12

 

 

 

 

 

"Ta´m e Guilass" (O sabor da cereja) 1997



publicado por paulo prudêncio às 14:48 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 26.06.12

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:11 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 24.06.12

 

 

 

Auto-estradas do Reich



publicado por paulo prudêncio às 22:46 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 11.06.12

 

 

 

 

 

 

O último filme de David Cronenberg, produzido por Paulo Branco, está a um pequeno passo de lhe atribuir a classificação máxima em qualquer escala. Cosmopolis é imperdível e arrasador para os tempos que estamos a viver. A história tem uma construção que faz lembrar o célebre "Sabor da Cereja", do inigualável Abbas Kiarostami, que foi filmado no interior de um carro em andamento e em que um homem prepara o suicídio dando boleias sucessivas a personagens de grupos sociais distintos.

 

São imensas, talvez demais, as personagens com quem o actor principal Robert Pattinson se cruza. Tudo se passa num dia em que um multimilionário nova-iorquino vai de um extremo ao outro da riqueza, e da cidade, sempre com o espectro da moeda chinesa a ameaçar a sua ruína. Nem os cortes nos salários das pessoas, com a finalidade de impedir mais consumo de produtos chineses, evitam o descalabro previsível. A montagem é cuidada, a narrativa tem poucas "cedências" e os diálogos, muitos e diversificados, são bem escritos.

 

Pode saber mais aqui ou aqui.

 



publicado por paulo prudêncio às 12:02 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
comentários recentes
A ideia de democracia implica optimismo e crença n...
Sem nem a ditadura mais tirânica consegue eliminar...
O grande desafio de uma sociedade democrática é es...
"Não posso ensinar a falar a quem não se esforça p...
Quando perguntei se a Ana leu mesmo o post não est...
Se não parecesse brincadeira de mau gosto, eu come...
Desculpe Ana, mas leu mesmo o post?Começa assim: "...
posts recentes

O Divã de Estaline

"Na Via Láctea" e "Manche...

Tutorias e escola a tempo...

E o Porto aqui tão perto

O Passageiro

ligações
posts mais comentados
8 comentários
7 comentários
7 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
3 comentários
3 comentários
tags

agrupamentos

além da troika

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

banda desenhada

bartoon

blogues

caldas da rainha

campanhas eleitorais

cartoon

cinema

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

crise mundial

crónicas

democracia mediatizada

desenhos

direito

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

exames

falta de pachorra

filosofia

finanças

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

mais do mesmo

manifestação

movimentos independentes

música

organização curricular

paulo guinote

política

política educativa

portugal

professores contratados

público-privado

queda de crato

queda do governo

rede escolar

sociedade da informação

tijolos do muro

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

sua excelência (2) (reedi...

sua excelência (1) (reedi...

subscrever feeds

web site counter
Twingly BlogRank
arquivo
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676
mais sobre mim