Em busca do pensamento livre.

Sexta-feira, 18.08.17

 

 

 

 

As pessoas fizeram um semestre no "estado islâmico" e regressaram como quem esteve em "erasmus"?

Por outro lado, as redes sociais ampliam a "ágora" e os sinais de intolerância. Vê-se ódio ao que os outros pensam. É o sinal mais evidente. Daí a actos terroristas irá um qualquer passo dependente de circunstâncias, oportunidades e distúrbios diversos, como se percebe com a identidade dos fanáticos. Amos Oz é, mais uma vez, muito claro:

"A essência do fanatismo reside no desejo de obrigar os outros a mudar... O fanático é uma das mais generosas criaturas. O fanático é um grande altruísta."

 

19018385_PfZtr

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:22 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 13.11.15

 

 

 

 

A Europa vai-se crispando e espera-se sensatez em quem decide. No caso do PR português, que só tem duas opções, espera-se que tenha lido Amos Oz e perceba que o seu lado não deve continuar a dominar absolutamente.

 

"(...)O que precisamos é de chegar a um acordo, a um compromisso doloroso. E a expressão "chegar a um acordo, a um compromisso" tem uma reputação nefasta na sociedade europeia. Especialmente entre os jovens idealistas, que continuam a achar que chegar a um acordo é oportunismo, algo desonesto, algo astucioso e obscuro, um sinal de falta de integridade. Não no meu vocabulário. Para mim, a expressão "chegar a um acordo" significa vida. E o contrário de chegar a um acordo não é idealismo nem evolução; o contrário é fanatismo e morte. Precisamos de chegar a um acordo, a um compromisso, não de chegar à capitulação. O que significa que os Palestinianos jamais se deveriam ajoelhar. Nem tão pouco os judeus.(...)"

 

Amos Oz, "contra o fanatismo", 

página 41, edições ASA.

 

12224375_BT2Y0.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 15:26 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 08.01.15

 

 

 

 

Os casos como o do Charlie Hebdo, e os fanatismos que o envolvem, remetem-nos sempre para o conflito eterno: o de israel com a palestina. E quem melhor do que Amos Oz pode ajudar a compreender o fenómeno? Antes da sua sapiência, importa sublinhar que o caso Charlie Hebdo terá muito mais de crime do que de fanatismo religioso ou ideológico. Aliás, existe fanatismo a partir das religiões com livro e a associação com criminosos tem sido conhecida em todas elas.

 

Mas os ensinamentos de Amos Oz são sempre úteis.

 

"(...)O que precisamos é de chegar a um acordo, a um compromisso doloroso. E a expressão "chegar a um acordo, a um compromisso" tem uma reputação nefasta na sociedade europeia. Especialmente entre os jovens idealistas, que continuam a achar que chegar a um acordo é oportunismo, algo desonesto, algo astucioso e obscuro, um sinal de falta de integridade. Não no meu vocabulário. Para mim, a expressão "chegar a um acordo" significa vida. E o contrário de chegar a um acordo não é idealismo nem evolução; o contrário é fanatismo e morte. Precisamos de chegar a um acordo, a um compromisso, não de chegar à capitulação. O que significa que os Palestinianos jamais se deveriam ajoelhar. Nem tão pouco os judeus.(...)"

 

Amos Oz, "contra o fanatismo", 

página 41, edições ASA.

  

Já li várias vezes este pequeno livro de Amos Oz. Encontro sempre mais qualquer coisa nesta prosa tão lúcida, tão humana e tão corajosa. Há um aspecto que ressalta do conflito que preocupa Amos Oz: a guerra que ele tenta ajudar a terminar, eterniza-se.

 

E por que é que isso acontece? Desde logo, porque os mais fortes não querem perder as suas conquistas e porque os mais fracos vão acumulando tantas derrotas que depois só se satisfazem com a vitória definitiva e total; e quanto mais o tempo passa, mais esse sentimento se acentua; tanto nessa como noutras guerras.

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:17 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 12.11.14

 

 

 

Já dei conta do meu fascínio pela obra de Amos Oz.

 

O genial escritor consegue lançar umas gotas de oxigénio no eterno e sangrento conflito entre israelitas e palestinianos. Nem sei se em vão, uma vez que o conflito não só persiste como tem momentos de alucinante descontrole.

 

Recebi por email uma história que terá sido escrita por Amos Oz. Não consegui confirmar.

 

"(...)Um exemplo engenhoso do discurso e da política ocorreu recentemente na Assembleia das Nações Unidas e fez a comunidade do mundo sorrir. Um representante de Palestina começou: "Antes de começar a minha intervenção, quero dizer-lhes algo sobre Moisés. Quando partiu a rocha e inundou tudo de água, pensou, "que oportunidade boa de tomar um banho!" Tirou a roupa, colocou-a ao lado sobre a rocha e entra na água. Quando saiu e quis vestir-se, a roupa tinha desaparecido. Um Israelita tinha-as roubado". O representante Israelita saltou furioso e disse, "que é que você está a dizer? Os Israelitas não estavam lá nessa altura." O representante Palestiniano sorriu e disse: "e agora que se tornou tudo claro, vou começar o meu discurso."(...)

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:03 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 29.07.14

 

 

1ª edição em 29 de Agosto de  2013.

 

 

 

A frase em título é a que se segue ao parágrafo que escolhi para a imagem do post e foi obtida em Amos Oz (2013:202), "Cenas da vida de aldeia", D. Quixote, Lisboa.

 

A obra de Amos Oz tem um fascínio comovente. A literatura tem o condão inigualável de nos fazer viajar sem sair de casa, mas "As cenas da vida de aldeia" chegaram-me na ida e na volta de uma inesquecível viagem com um final em coincidência temporal com mais uma tragédia dos bombeiros portugueses comentada pelos que "sempre avisaram" para as pragas dos eucaliptos e das responsabilidades locais e que me recordam a única certeza existencial dos populistas na ajuda aos pobres: a publicitação do acto.

 

 

 

 
Desde então nada disso aconteceu (página 203). 


publicado por paulo prudêncio às 11:28 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 16.08.13

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 19:47 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 19.11.12

 

 

Já dei conta da meu fascínio pela obra de Amos Oz. O genial escritor consegue lançar umas gotas de oxigénio no eterno e sangrento conflito entre israelitas e palestinianos. Nem sei se em vão, uma vez que o conflito não só persiste como tem momentos de alucinante descontrole.

 

Recebi por email uma história que terá sido escrita por Amos Oz. Não consegui confirmar.

 

"(...)Um exemplo engenhoso do discurso e da política ocorreu recentemente na Assembleia das Nações Unidas e fez a comunidade do mundo sorrir. Um representante de Palestina começou: "Antes de começar a minha intervenção, quero dizer-lhes algo sobre Moisés. Quando partiu a rocha e inundou tudo de água, pensou, "que oportunidade boa de tomar um banho!" Tirou a roupa, colocou-a ao lado sobre a rocha e entra na água. Quando saiu e quis vestir-se, a roupa tinha desaparecido. Um Israelita tinha-as roubado". O representante Israelita saltou furioso e disse, "que é que você está a dizer? Os Israelitas não estavam lá nessa altura." O representante Palestiniano sorriu e disse: "e agora que se tornou tudo claro, vou começar o meu discurso."(...)



publicado por paulo prudêncio às 14:55 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 28.08.11

 

 

"Contra o fanatismo" é belíssimo. Este pequeno livro de Amos Oz é arrebatador e prova que ainda existe sanidade mental no meio do grave conflito israelo-palestiniano. Este escritor é natural de Jerusalém e apresenta uma iniciação racional para ajudar a resolver o problema. É fascinante o modo como Amos Oz penetra nos alicerces das manifestações fanáticas e radicais. É uma leitura obrigatória. Tem um alcance e uma lição de vida que deve ser útil para cada um de nós.

"A essência do fanatismo reside no desejo de obrigar os outros a mudar... O fanático é uma das mais generosas criaturas. O fanático é um grande altruísta"



publicado por paulo prudêncio às 22:57 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 26.07.11

 

(Já usei este texto noutro post)

 

 

"Contra o fanatismo" é belíssimo. Este pequeno livro de Amos Oz é arrebatador e prova que ainda existe sanidade mental no meio do grave conflito israelo-palestiniano. Este escritor é natural de Jerusalém e apresenta uma iniciação racional para ajudar a resolver o problema. É fascinante o modo como Amos Oz penetra nos alicerces das manifestações fanáticas e radicais. É uma leitura obrigatória. Tem um alcance e uma lição de vida que deve ser útil para cada um de nós.

"A essência do fanatismo reside no desejo de obrigar os outros a mudar... O fanático é uma das mais generosas criaturas. O fanático é um grande altruísta"



publicado por paulo prudêncio às 15:31 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 14.05.11

 

Da intolerância.

 

O que deus disse ao intolerante religioso também diria aos fanáticos partidários.



publicado por paulo prudêncio às 13:57 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 15.09.10

 

 

 

 

Nunca esqueço esta frase de Vergílio Ferreira, aqui,: (...) uma forma de o medíocre convencido imitar a grandeza é não dizer mal de ninguém (...). Os anos de vida ensinam-nos muito nestes aspectos. Mais ainda se habitarmos um mesmo espaço profissional anos a fio ou se convivermos com um grupo de pessoas em momentos contínuos e sobreaquecidos.

 

Há outra verdade que o tempo vai apurando e que as condições referidas ajudam a certificar. Nem sei quem é o autor. É uma ideia que devemos ter sempre presente.

 

Diz o queixoso: falas com aquele tipo? O fulano fez isto e aquilo e mais não sei o quê. Responde o receptor da queixa: em regra, falo com quem quer falar comigo. Falar nem sequer é uma consequência de um juízo de valor. É falar apenas. Insiste o queixoso: mas com aquele fulano que fez ainda mais isto e ainda aquilo? Termina o receptor da queixa: também estou a falar contigo.

 

Sei que nada disto é fácil e mesmo o grande Amos Oz defende que em determinados momentos se tem de separar águas e não perdoar às franjas o que é imperdoável; mais com actos do que com retórica.




publicado por paulo prudêncio às 17:30 | link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar

Domingo, 04.07.10

 

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 


"(...)O que precisamos é de chegar a um acordo, a um compromisso doloroso. E a expressão "chegar a um acordo, a um compromisso" tem uma reputação nefasta na sociedade europeia. Especialmente entre os jovens idealistas, que continuam a achar que chegar a um acordo é oportunismo, algo desonesto, algo astucioso e obscuro, um sinal de falta de integridade. Não no meu vocabulário. Para mim, a expressão "chegar a um acordo" significa vida. E o contrário de chegar a um acordo não é idealismo nem evolução; o contrário é fanatismo e morte. Precisamos de chegar a um acordo, a um compromisso, não de chegar à capitulação. O que significa que os Palestinianos jamais se deveriam ajoelhar. Nem tão pouco os judeus.(...)"

 

 

Amos Oz, "contra o fanatismo",

página 41, edições ASA.

 

 

Já li várias vezes este pequeno livro de Amos Oz. Hoje fi-lo de novo. Tento sempre buscar mais qualquer coisa nesta prosa tão lúcida, tão humana e tão corajosa. Sei da dificuldade que existe em encontrar pontos de contacto com o adversário. Há um aspecto que ressalta do conflito que preocupa Amos Oz: a guerra que ele tenta ajudar a terminar, eterniza-se.

E por que é que isso acontece? Desde logo, porque os mais fortes não querem perder as suas conquistas e porque os mais fracos vão acumulando tantas derrotas que depois só se satisfazem com a vitória definitiva e total; e quanto mais o tempo passa, mais esse sentimento se acentua; tanto nessa como noutras guerras.

 

(1ª edição em 12 de Maio de 2009)



publicado por paulo prudêncio às 14:10 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 14.10.09

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

 

"(...) Afinal, onde pertencemos exactamente? Talvez não pertençamos a lugar nenhum. Nem isto, nem qualquer outra coisa, tem uma resposta a preto e branco. Eu cresci num contexto de ambivalência, de ambiguidade, de emoções misturadas, de relações amor-ódio e de amor não correspondido. E o meu bairro estava cheio de "potenciais reformadores do mundo", idealistas e ideólogos. Todos com a sua fórmula pessoal de redenção instantânea. Todos grandes oradores, mas ninguém os escutava. O bairro estava cheio de tolstoianos - pessoas que acreditavam na ideologia de Tolstoi -, alguns até tinham o mesmo aspecto e vestiam-se como Tolstoi. Deixavam crescer a mesma barba branca e usavam uma espécie de toga russa cingida por uma corda. Pareciam mais tolstoianos que o próprio Tolstoi. Quando, pela primeira vez, vi uma fotografia de Tolstoi na contracapa de um dos seus romances, estava convencido de que era alguém do nosso bairro. Não o vira eu muitas vezes? E não apenas a ele, mas também à família, aos irmãos. Era um dos nossos. Deste modo, eram tolstoianos, mas muitos deles tinham saído directamente de uma romance de Dostoievski porque tinham uma mente e uma alma muito torturadas, cheias de contradições, de raiva e de conflito. Diria até mais: aqueles doistoievskianos tolstoianos pertenciam, na realidade, a uma história de Tcheckov. O espírito real do bairro não era nem Tolstoi nem Doistoievski: era Tchekov. A nostalgia dos lugares longínquos. Em algum lugar para lá do horizonte estava a amada cidade de Moscovo, Moscovo...

Mas essa Moscovo - que podia ser Berlim, Viena, Paris ou Vaarsóvia, ou qualquer outra -, essa "Moscovo para lá do horizonte", não amava aqueles judeus. Queria-os longe da vista, longe da mente, longe do mundo, em alguns casos. Eles nem sequer podiam confessar o seu amor pelas culturas que tinham deixado para trás.(...)".

 

Amos Oz,  "Contra o fanatismo",

edições ASA, páginas 72 e 73.



publicado por paulo prudêncio às 11:00 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Os professores sabem bem disso. - "Alguém question...
Boa noite.Não se vai importar, mas vou copiar e co...
Compreendo o seu ponto de vista e parece-me import...
Obrigado pelo comentário.As suas opiniões têm dado...
Para aqueles que se preocupam com o cumprimento da...
Obrigado. :) Valeu a pena, realmente.
Boa, Paulo Prudêncio! Ainda me lembro da corrida, ...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
7 comentários
4 comentários
1 comentário
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676