Em busca do pensamento livre.
Sábado, 15 de Abril de 2017

 

 

(1ª edição em 21 de Janeiro de 2009)

 



 
 
Quem se mete na aventura de reflectir sobre o estado do sistema escolar português pode escolher os mais variados pontos de partida. A minha opção navega na história mais recente e concentra-se no tratamento da informação.

 

Podia optar por "sistema escolar por blocos", mas o conceito de bloco da precaução reforça duas ideias: é o que mais asfixia o privilégio de ensinar e contamina de modo decisivo os outros dois blocos: o do ensino e o da organização escolar.
 
Importa estabelecer duas questões prévias:
 
A função primeira da escola é o ensino. Sabe-se muitas maneiras de ensinar, mas pouco sobre o modo como cada um aprende. Se em relação à forma como cada cérebro processa as suas aprendizagens a palavra-chave é ignorância, então é avisado não se hierarquizar, sem evidências objectivas, os métodos de ensino. Esse atrevimento selectivo, docimológico e algo dogmático, tem provocado inúmeras polémicas;
 
Os critérios determinantes para os sistemas de suporte à tomada de decisões, obedecem à hierarquização de três categorias sobre o seu tratamento: delimitar, obter e fornecer. Deve ser feita uma análise aturada que estabeleça a informação que é estruturante para, depois, a obter e fornecer em tempo real, com o recurso a novas tecnologias, e com o imperativo de produzir conhecimento (estruturante das organizações).

 

 

Situemos a argumentação e façamos a caracterização dos três blocos.

 

O bloco do ensino é o lugar que determina a actvidade que cada um dos professores faz dentro da sala de aula; neste imenso universo deve centrar-se a sua avaliação do desempenho, onde é indiscutível que cada professor deve estar sempre preparado para fundamentar as suas opções científicas e didácticas e os critérios que escolheu para avaliar os seu alunos.

 

O bloco da organização escolar é o espaço que cria as melhores condições para que cada uma das aulas se realize: é a sua primeira finalidade. Solicita aos professores duas informações: a classificação de cada um dos alunos e a respectiva assiduidade. Deve seleccionar a informação que pretende obter para a fornecer em tempo real e com a exigência da produção de conhecimento. Este bloco deve ser dirigido por um professor e tenho ideia que será melhor conduzido por aqueles que revelem um desempenho muito profissional no bloco do ensino.

 

O bloco da precaução caracteriza-se por um universo informativo que é obtido apenas para arquivo e que existe porque está determinado de modo central através das invenções técnico-pedagógicas do MEC. E é aqui que encontramos um elenco de má burocracia: inúmeras actas e relatórios sem parâmetros indicadores de informação estruturante, projectos educativos impossíveis de avaliar, projectos curriculares de turma e de escola, definição de objectivos com variadas designações, e por aí fora numa lista interminável.

 

A institucionalização do bloco da precaução, e a sua aparente autoridade, parte dos serviços centrais do MEC e alastra-se à organização de muitas das escolas.

As invenções burocráticas devidamente preenchidas, são, por precaução, a única consciência profissional de muitas organizações escolares. E isso retira sentido de autonomia e de responsabilidade e gera fenómenos de subserviência e de medo.

Este bloco, que foi construído paulatinamente ao longo de anos e que criou um muro de burocracia na gestão da informação escolar, é difícil de derrubar.

 

O porvir de um muro é tão diverso quanto o propósito da sua edificação. Quando a liberdade dos homens esbarra num qualquer aglomerado, de tijolos ou de verdades incontestáveis, o obstáculo acaba por ceder e cai. O que mais impressiona nas quedas é a incredulidade dos que estiveram anos a fio do lado errado: começaram por crer nas virtudes dos dogmas, sustentarm as suas vidas na acomodação aos cinzentos privilégios dos funcionários dessas sociedades e acabaram como defensores acérrimos de burocracia monstruosa e desprovida de qualquer sentido libertador da condição humana.

 

A situação dos professores portugueses pode explicar-se deste modo: imersos num tentacular assombro burocrático da cinco de Outubro e da restante máquina administrativa, os professores, indignados e saturados, e sem liberdade para ensinar, ecoam os seus protestos dos lugares mais recônditos do país até ao histórico Terreiro do Paço. Incrédulos, os funcionários do chamado "eduquês" ("uma industria que move milhões") ficam atónitos, surpresos, mas ainda esperançosos: têm, em quem governa o MEC, um último e desesperado bastião. Não é fácil assistir a uma queda sem fim e presenciar a ruína das convicções mais profundas.

 

Contudo, foi possível identificar um conjunto denominado de boas práticas que tornava "exequível" aquilo que depois se provava ser inaplicável: é essa uma parte crucial da história recente da avaliação do desempenho dos professores e do seu arrastamento insuportável. Quando se tentou perceber as boas práticas das escolas ditas de referência, o ridículo eliminou rapidamente a visibilidade mediática que se quis impor.

 

Também por precaução se deixou de falar nisso.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:00 | link do post | comentar | partilhar

24 comentários:
De Mena a 13 de Janeiro de 2009 às 19:03
Olá!
Concordo em absoluto com o que escreveste. É realmente um texto longuito, mas vale bem a pena ler.
Bj
Mena


De paulo prudêncio a 13 de Janeiro de 2009 às 23:34
Obrigado.

Beijo.


De Rui a 13 de Janeiro de 2009 às 19:50
"tão difícil de derrubar que essa tarefa só é comparável à queda do muro de Berlim, salvo as devidas proporções, claro."
(Sim que o muro de Berlim tinha apenas 150 kms de extensão.)


De paulo prudêncio a 13 de Janeiro de 2009 às 23:36
Fizeste-me rir. O entre parêntesis ficava bem no texto :) Abraço.


De Isabel a 13 de Janeiro de 2009 às 21:22

Gostei de ler. Um pouco longo, mas não tanto como o "bloco" de que falas.
Muro de Berlim? Esse ainda caiu! Este bloco mais parece a Muralha da China, que segundo alguns, até se vê da lua!
Será que o Pinóquio quer este "bloco" candidato a umas das maravilhas do mundo?
Bjo


De paulo prudêncio a 13 de Janeiro de 2009 às 23:36
Ah claro Isabel, parece que estamos na lua, realmente. Beijo.


De pronúncia do norte a 13 de Janeiro de 2009 às 22:21
Muito boa a comparação do" bloco da precaução" com a Muralha da China e candidata a maravilha de Portugal.:)
Quanto ao texto, revela lucidez e conhecimento profundo da "escola".
A reflexão séria sobre os problemas da escola nestes 3 blocos interessa a tão poucos professores...


De pronúncia do norte a 13 de Janeiro de 2009 às 22:46
Voltei a ler. Merece segunda leitura. Que pena que o trio Maravilha não passe por aqui. Talvez aprendessem alguma coisa. Mas cuidado... "eles comem tudo e não deixam nada".


De paulo prudêncio a 13 de Janeiro de 2009 às 23:37
Obrigado, Abraço.


De paulo prudêncio a 20 de Janeiro de 2009 às 16:27
Espero que venha a interessar a mais.

Abraço.


De Vasco tomás a 15 de Janeiro de 2009 às 13:50
É com alegria que se lê um texto assim, porque o espírito vai visitando progressivamente o interior de um edifício - a escola - onde se movem, colaborando e conflituando, os que o vão habitando.
A metáfora da escola como edifício com os seus "blocos", subjacente ao texto, é sugestiva pois ela "põe ante os olhos" a ideia de que só há boa arquitectura quando o edifício serve os verdadeiros desígnios para que foi criado.
Se a escola não cumpre estes desígnios, como se sabe, logo é porque o traçado arquitectónico do edifício, o "bloco da precaução", fracassou.
Que fazer, então? Esperar a "sua queda sem fim" ou acelerá-la pela nossa acção? Aqui, a exaltação revolucionária em que o texto cai, para além do seu alcance mobilizador, pode não ser a melhor conselheira. É talvez preferível proceder à imagem do "bricolleur" : coligir, analisar e seleccionar os "restos" e dar-lhes uma nova utilização, mais conforme às necessidades reais do sistema. A reciclagem é também aqui uma exigência de sustentabilidade do ambiente educacional.


De pronúncia do norte a 15 de Janeiro de 2009 às 16:20
Caro Vasco Tomás
"Aqui, a exaltação revolucionária em que o texto cai, para além do seu alcance mobilizador, pode não ser a melhor conselheira. É talvez preferível proceder à imagem do "bricolleur" : coligir, analisar e seleccionar os "restos" e dar-lhes uma nova utilização, mais conforme às necessidades reais do sistema. A reciclagem é também aqui uma exigência de sustentabilidade do ambiente educacional."

Não sei se é professor, mas pelo que escreve não me parece. Só deve haver reciclagem quando os "materiais" o merecerem.
E neste momento a poluição é tão profunda que é preciso deitar fora o lixo, antes de prosseguirmos a edificação do edifício.
Caro Vasco, o que é a SINGULARIDADE? Acontecimento irrepetível provocado pela acção.
A história das ideias faz-se com as respostas que o HOMEM dá às experiências do seu quotidiano e também, pelas metáforas de um discurso arquitectónico que permita a transcendência do real mas que provoquem rupturas e não só continuidades labirínticas que nos deixam sempre no mesmo lugar. É o que se tem verificado nos últimos 30 anos, na área da educação e do ensino.
Não caro Vasco: A HORA não é de "bricolleur". A sustentabilidade do ambiente educacional desta vez, terá de ser construída em patamares de Verdade e de Justiça educacionais.


De Vasco Tomás a 15 de Janeiro de 2009 às 23:19
Em jeito de resposta à "pronúncia do norte" vou tentar explicitar melhor e fundamentar o meu argumento. Afirmo no meu comentário ao texto do Paulo Trilho que, concordando com ele, o sistema educacional, tal como o temos, fracassou, sobretudo porque as políticas educativas foram construindo uma superestrura de pautas, orientações e constrangimentos que condicionam, limitam e subvertem o gesto de ensinar e a sua eficácia.
Discordo do pensamento que o informa no tocante ao modo como se deve fazer a passagem para outro estado de coisas: Paulo Trilho pensa esta passagem de acordo com o modelo de que inaugurar no presente requer desacreditar e pôr de parte o passado. A essência deste modelo marcou todo o pensamento político do Ocidente, sendo protótipo de todas as ideologias progressistas e revolucionárias. Foi chão que já deu uvas, perniciosas, e até há quem diga que foi S. Paulo quem o soletrou originalmente na teoria e na prática.
Neste sequência, uso a imagem do "bricolleur", de Lévi-Stauss, para dar conta da necessária passagem para uma outra margem. Posso citar G. Agamben, que diz isto nestes termos: "o mundo por vir (...) lá tudo será precisamente como é aqui (...) só que um pouco diferente. Novo é o pequeno deslocamento (...) [que] não diz respeito ao estado de coisas, mas ao seu sentido e aos seus limites." (cf. Agamben, A comunidade que vem, pp. 44-5).
Esclareço que sou professor e desconfio de todas as formas de "pensamento único".


De pronúncia do norte a 16 de Janeiro de 2009 às 00:00

Para o Vásco Tomás

O seu último comentário lembrou-me um livro de Niklas Luhmann, A improbabilidade da comunicação.
Os tempos que vivemos na Educação estão contidos neste título.
A passagem para outros tempos não tem de ser feita da forma como tem acontecido. Uma vez que também é professor vou omitir os detalhes.
Não penso que o Paulo queira esquecer o passado, até porque quanto mais o tentamos esquecer, mais ele se mostra. Não vale a pena esconder a evidência. A Tradição estará, ainda, e por muito tempo, entre nós. Eu reconheço-a.
Mas, e cito S. MILL
“(…) O valor de um Estado, a longo prazo, é o valor dos indivíduos que o compõem; e um Estado que adie os interesses do desenvolvimento e elevação mental (…), em detrimento de um pouco mais de competência administrativa, ou aquela aparência de competência nos pormenores do negócio que se adquire através da prática; um Estado que inferiorize as suas pessoas, de modo a que sejam instrumentos mais dóceis nas suas mãos, até com fins benéficos, descobrirá que com pessoas pequenas nada de grande se poderia alguma vez realmente alcançar; e que a perfeição da máquina, pela qual sacrificou tudo, no fim de contas de nada servirá, por falta do poder vital que preferiu erradicar, para que a máquina trabalhasse mais suavemente.”
" Novo é o pequeno deslocamento", pois é isso que os professores estão a fazer: deslocar para construir o "novo".
Ah, Agamben, também gosto!


De Vasco Tomás a 16 de Janeiro de 2009 às 18:29
A associação que é feita entre o que se vive no mundo da educação e a teoria da comunicação de Luhmann parece pertinente.
Mas então o recurso a Stuart Mill, cujo ponto de vista também perfilho, como pode servir de cobertura ideológica para o combate que opõe os professores à política governamental na educação, se acaso, deste lado - com quer a teoria de Luhmann - o ensimesmamento operacional impede qualquer mudança determinada a partir da exterioridade do sistema?
A perspectiva de combate perfilhada pelo meu inomado contendor ficaria talvez melhor justificada recorrendo à teoria da comunicação de Habermas, que, como sabe, com Luhmann conflituou.
A este respeito, e para acicatar a reflexão, deixo um excerto de um artigo on-line: "A discussão entre Habermas e Luhmann revela uma discrepância fundamental na caracterização da nova sociedade comunicacional e tecnológica. Habermas apoia-se na intersubjetividade como estratégia para recuperar a democracia nos contextos ocidentais; já Luhmann despreza essa possibilidade, excluindo dos homens qualquer intervenção mais activa no processo social. O primeiro parece ainda preso aos modelos clássicos de participação, nos quais os homens, a partir dos diálogos directos, realizavam a comunicação propriamente dita; o segundo, mais próximo do pensamento cibernético, parte
para outra configuração social, em que são os sistemas que funcionam, restando aos
homens participação periférica. Grosso modo poder-se-ia dizer que Luhmann é mais actual, mas isso é enganoso, pois o seu esquema tampouco dá conta do quadro tecnológico contemporâneo." (cf. Comunicação e ação política no contínuo mediático. Luhmann contra Habermas. E nós contra todos).


De pronúncia do norte a 16 de Janeiro de 2009 às 21:18
Muitas questões, onde semânticas diferentes nos remetem para o nosso problema: a compreensão do "nosso" presente.
Luhmann e no seguimento da Teoria da Informação apresenta um modelo onde os elementos humanos estão excluídos.
Neste contexto entra bem a estratégia comunicacional do ministério da educação: vontade de substituir professores por máquinas de ensinar que controlam as respostas dos alunos. Ah, e é só vantagens - não pensam nem recusam este modelo de avaliação.
No excerto que apresenta de Habermas, o mesmo remete para a compreensão da reformulação do modelo da razão instrumental clássica, através de relações intersubjectivas, que leva à criação de um espaço crítico, aberto e plural. Novos modelos de racionalidade. Lembrei-me de M. Castels, A sociedade em rede. E Habermas pode continuar presente na discussão( e na ética)


De paulo prudêncio a 20 de Janeiro de 2009 às 16:36
Caro Vasco. Quando dizes: "Paulo Trilho pensa esta passagem de acordo com o modelo de que inaugurar no presente requer desacreditar e pôr de parte o passado. A essência deste modelo marcou todo o pensamento político do Ocidente, sendo protótipo de todas as ideologias progressistas e revolucionárias. Foi chão que já deu uvas, perniciosas, e até há quem diga que foi S. Paulo quem o soletrou originalmente na teoria e na prática. "

Não encontras no meu texto essa intenção, desacreditar o passado: é apenas uma leitura tua, que respeito. Centro a minha intervenção na ideia de contrariar o que existe, a actualidade digamos assim, projectando-o para o possível e para a liberdade.
E interessa-me pouco questionar se isso é revolucionário e muito menos considero possível engavetar o meu texto. Escrevo sobre o tratamento da informação na organização escolar: e o que desenho não só existe como é factual; logo, possível.

Espero que continuem a vossa discussão.

Abraço.


De paulo prudêncio a 20 de Janeiro de 2009 às 16:30
Bela a intervenção de pronúncia do norte "A história das ideias faz-se com as respostas que o HOMEM dá às experiências do seu quotidiano e também, pelas metáforas de um discurso arquitectónico que permita a transcendência do real mas que provoquem rupturas e não só continuidades labirínticas que nos deixam sempre no mesmo lugar. É o que se tem verificado nos últimos 30 anos, na área da educação e do ensino" clara, precisa e certeira.

Abraço.


De paulo prudêncio a 20 de Janeiro de 2009 às 16:27
Obrigado Vasco.

Abraço.


De Manuela a 15 de Janeiro de 2009 às 23:54
Paulo,

eu estou aqui do outro lado, do lado de lá do "muro".

Aqui iniciou-se um processo estranho (qualquer coisa a que chamam avaliação...).
E porque é que ele se iniciou tão rapidamente?
As razões são várias. Uma delas, e vou citar aquele texto maravilhoso que escreveste, é o facto de "as invenções burocráticas devidamente preenchidas, serem, por precaução, a única consciência profissional de muitas das escolas. E isso retira sentido de autonomia e de responsabilidade e gera fenómenos de subserviência e de medo."

É outra a lista onde está a minha escola.

beijo


De paulo prudêncio a 20 de Janeiro de 2009 às 16:37
Sei disso Manuela.

Vamos a isso. Força aí.

Abraço.


De emprestimo a 24 de Janeiro de 2011 às 14:29
Adorei o blog, conteúdo muito bem escrito, layout bacana com cores amigáveis. Vou aproveitar e adicionar o blog nos meu favoritos. bjs! Maria Cecilia


De Carlos a 25 de Março de 2013 às 13:50
Novamente oportuno, Paulo.

Se me permites, para não me repetir, remeto para o comentário que deixei no post "Escolas sem oxigénio"...


De paulo prudêncio a 28 de Março de 2013 às 12:14
Ok Carlos :)


comentar post

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
comentários recentes
Boa malha.
Sem dúvida.
Exactamente.E ninguém quer a escola"à beira de um ...
Assim parece.
Isto não muda tão depressa.
posts recentes

das vacinas

da actualidade e da queda...

Outra trapalhada!

ainda a utilidade do inút...

A utilidade do inútil

ligações
posts mais comentados
tags

agrupamentos

além da troika

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

banda desenhada

bartoon

blogues

caldas da rainha

campanhas eleitorais

cartoon

cinema

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

crise mundial

crónicas

democracia mediatizada

desenhos

direito

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

finanças

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

mais do mesmo

manifestação

movimentos independentes

música

organização curricular

paulo guinote

poesia

política

política educativa

portugal

professores contratados

público-privado

queda de crato

queda do governo

rede escolar

sociedade da informação

tijolos do muro

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

sua excelência (2) (reedi...

sua excelência (1) (reedi...

subscrever feeds

web site counter
arquivo
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676
mais sobre mim