Em busca do pensamento livre.
Terça-feira, 19 de Setembro de 2017

 

 

 

 

Em dois anos, a rede pública das Caldas da Rainha (e dos concelhos próximos) integrou 850 alunos de um colégio "privado" (CRDL). Leu bem: 850 (oitocentos e cinquenta). No auge (2012/13) da contestação aos colégios "privados" redundantes, o argumento usado pelo poder político, e não só (basta googlar), era taxativo: os alunos não cabem nas escolas públicas.

A cidade das Caldas da Rainha foi um centro do processo com 1 colégio e 4 escolas públicas. Em 2012/13, e quando o CRDL atingiu o pico de frequência (1180 alunos para 39 turmas financiadas mais 5 de ensino profissional), as escolas públicas registaram perto de uma centena de professores sem componente lectiva. Os números estabilizaram até 2015/16, ano em que se iniciou a transferência decorrente do cumprimento da lei e de um longo processo resultante da coragem informada de uns quantos.

Em 2017/18, o CRDL regista 330 alunos (portanto, 1180-330=850) para 10 turmas financiadas mais 3 de ensino profissional. As escolas públicas contabilizam um número residual de professores sem componente lectiva e dezenas de novas contratações. Uma das escolas públicas regista 75% da ocupação no 2º ciclo (pode ainda receber 130 alunos para 5 turmas) e 30% no 3º ciclo (pode ainda receber mais de 200 alunos para 8 turmas).

Ou seja, e para quem estudou os graves erros estratégicos cometidos na rede escolar nacional, houve um desperdício de milhões de euros e um prejuízo incalculável na vida de inúmeros profissionais dos dois sistemas.

 

alunoscabem

 



publicado por paulo prudêncio às 16:55 | link do post | comentar | partilhar

15 comentários:
De mami a 19 de Setembro de 2017 às 17:33
muitas vezes as análises são feitas, com a cobertura da comunicação social, para justificar o que dá jeito aos decisores políticos ;)


De paulo prudêncio a 19 de Setembro de 2017 às 19:13
Muitas vezes; quase sempre.


De Nuno Domingues a 20 de Setembro de 2017 às 22:54
Paulo, obrigado por trazeres estes números a público, fazem falta.
Um grande abraço.


De paulo prudêncio a 20 de Setembro de 2017 às 23:43
Olá Nuno. Há quanto tempo. Um grande abraço também.


De AC a 21 de Setembro de 2017 às 15:52
Boa, Paulo Prudêncio! Ainda me lembro da corrida, pelo princípio da noite, "Tod@s às Caldas!"


De paulo prudêncio a 21 de Setembro de 2017 às 17:02
Obrigado. :) Valeu a pena, realmente.


De Carlos Matos a 22 de Setembro de 2017 às 10:28
Para aqueles que se preocupam com o cumprimento da Lei seria útil perceber porque razão os critérios de prioridade nas matrículas não são cumpridos há décadas neste País. As escolas públicas aproveitam-se da desinformação dos Encarregados de Educação para rejeitar os alunos menos desejados.

É fácil utilizar a estatística como argumento quando se utiliza uma amostra conveniente. Esse Colégio não abriu portas em 2012/2013, mas sim 7 anos antes, no ano letivo 2005/2006. Ambos sabemos que qualquer escola poderá funcionar a 100%, 110% ou 120% da sua capacidade. Várias estratégias podem ser utilizadas, desde a utilização de laboratórios como salas de aulas até à utilização de contentores "provisórios". A capacidade de uma escola não é um valor fixo.

O cenário nas Caldas da Rainha, antes da abertura desse Colégio, era o de uma utilização das escolas públicas próxima do limite da sua capacidade. Essa utilização era conseguida através de um número de alunos por turma elevado, acima do desejado. Existia contestação e pressão para se alargar o parque escolar do Concelho, pois as condições de ensino não eram as desejáveis. Estava prevista a construção de uma escola pública onde hoje está esse Colégio mas não havia verbas para isso. Apareceu então um privado que se substituiu ao estado na construção da escola e obteve contrato de associação para colmatar a dita sobre-lotação da rede. Até este momento qual a ilegalidade cometida?
Mais, e se o estado tivesse realmente construído uma escola pública naquele local? Também se iriam retirar todas as turmas dessa escola e encerrá-la?

Curioso também que as Direções das escolas públicas de então rapidamente se predispuseram a arranjar alunos para esse Colégio, aliás até pressionaram para que esse Colégio recebesse mais turmas!

Houve ganância? Sim, da escola pública e do Colégio.

Quem está a sofrer as consequências? Os Encarregados de Educação sem poder de influência que são obrigados a colocar os seus filhos em escolas que não desejam. Sim porque esse Colégio nunca recebeu os privilegiados, como bem sabe o "creme de la creme" está numa escola pública que há décadas protege os alunos das classes sócio-económicas mais favorecidas.

Qualquer professor deve lutar em primeiro lugar pela justiça e pelo bem estar dos alunos e só depois pelos seus interesses pessoais.


De paulo prudêncio a 22 de Setembro de 2017 às 13:57
Obrigado pelo comentário.

As suas opiniões têm dados que não estão correctos.

"Estava prevista a construção de uma escola pública onde hoje está esse Colégio mas não havia verbas para isso."

"Apareceu então um privado que se substituiu ao estado na construção da escola e obteve contrato de associação para colmatar a dita sobre-lotação da rede. Até este momento qual a ilegalidade cometida?"

e

"Mais, e se o estado tivesse realmente construído uma escola pública naquele local? Também se iriam retirar todas as turmas dessa escola e encerrá-la?".

Concordo com a generalidade do comentário, mas as questões que copiei e colei não correspondem à verdade.

Fui Presidente do Conselho Executivo de uma das escolas nessa fase e conheço muito bem os detalhes. Vai desculpar-me, mas como já escrevi tanto sobre o assunto remeto-o para um debate em que participei sobre o assunto em 29 de Maio de 2013. Fui convidado em conjunto com o prof. Santana Castilho e com os candidatos à Câmara Municipal.

Tem a notícia em

http://correntes.blogs.sapo.pt/1762561.html

Mas mais importante. Divulguei os tópicos da minha intervenção onde detalho a cronologia dessa história com factos que são incontestáveis.

Está em:

http://correntes.blogs.sapo.pt/1756474.html

Se assim entender, tem no link seguinte muita informação sobre o assunto:

http://correntes.blogs.sapo.pt/?skip=20&tag=em+defesa+da+escola+pública

Atenciosamente.


De Carlos Matos a 22 de Setembro de 2017 às 18:16
Compreendo o seu ponto de vista e parece-me importante promover discussões sobre o assunto, tentando ao máximo atingir a imparcialidade.

Li com atenção os links que partilhou e agradeço o enquadramento.

Repare a partir do momento que o Município decide enveredar pelo caminho de propor a um privado que se substitua ao Estado na construção da escola é necessário criar condições razoáveis para que o privado realize o investimento. Certamente que o privado fez o seu plano de negócios e colocou ao Município as condições para conseguir avançar, tal como o Município também terá imposto as suas condições. Ao privado, pelo que sei, foi exigida a construção de uma segunda escola numa zona remota do concelho. Aquilo que o privado exigiu não sei, talvez o ensino secundário no Colégio das Caldas tenha sido uma das condições. Tudo isto me parece legitimo.

Julgo que no momento de abertura do Colégio nas Caldas em 2005 a rede estava minimamente equilibrada. Pelo menos não houve vozes a contestar o contrário. Essas vozes apenas se começaram a ouvir em 2012.

Se a rede deixou de estar equilibrada em 2012 então o Estado devia ter intervido no sentido de repor o equilíbrio, diminuindo turmas de forma equitativa entre o Colégio e as restantes escolas. Penso que houve redução de turmas em todas as escolas, talvez não de forma equitativa. Mas repare, nenhum privado se dispõe a investir com um plano de negócios com maturidade de 7 anos. Não me parece coerente e equilibrado que se retirem todas as turmas ao Colégio, afinal de contas o Colégio cumpriu com as obrigações a que se propôs. O Estado deve ser uma pessoa de bem, não deve usar o privado apenas quando lhe convém. Ao contrário do que diz, não concordo que a Lei seja clara e objetiva. A Lei relativa a esta temática é de todo menos objetiva, julgo necessário perceber o espírito do legislador e ainda o histórico de aplicação.

Conheço bem o funcionamento das escolas do Estado, principalmente em termos financeiros, uma coisa lhe posso assegurar, as verbas que uma escola do Estado necessita para funcionar são muito superiores às que são transferidas para um privado em contrato de associação. Se a isso juntarmos as rendas da Parque Escolar (onde estas existem) mais evidente isso se torna.

Ideologicamente as opiniões podem divergir, mas não deve deixar de se olhar para os números com objetividade.

Evidentemente que podemos fazer multiplicações populistas e atingir valores de milhões para colocarmos em títulos de notícias. Bem se o privado recebe, penso que 80 mil euros por turma, se a escola tiver 30 turmas são 2,4 milhoões por ano letivo, se quisermos dar mais enfâse podemos multiplicar por vários anos letivos, por exemplo 7 anos, e atingimos 16,8 milhões de euros. Já temos um valor digno de cabeçalho de jornal.

Alguém questiona o orçamento do Ministério da Educação?
Alguém questiona os valores gastos na requalificação promovida pela Parque Escolar e se os fundos foram bem empregues?

Em conclusão, é legitimo o Estado desperdiçar verbas desde que o benefício seja para os seus funcionários?

Nenhum monopólio é positivo numa sociedade livre e democrática.



De paulo prudêncio a 22 de Setembro de 2017 às 23:32
Boa noite.

Não se vai importar, mas vou copiar e colar o seu comentário anterior para sistematizar algumas questões.

- "Repare a partir do momento que o Município decide enveredar pelo caminho de propor a um privado que se substitua ao Estado na construção da escola é necessário criar condições razoáveis para que o privado realize o investimento. Certamente que o privado fez o seu plano de negócios e colocou ao Município as condições para conseguir avançar, tal como o Município também terá imposto as suas condições."

A construção da escola pública foi uma decisão do poder central. As três adjudicações da obra, por causa de constantes alterações no terreno, foi uma responsabilidade do Município (por causa do Pavilhão Desportivo da escola que também iria servir a comunidade e o Município mudou duas ou três vezes de ideias em relação à lotação). Quem pagou a indemnização ao empreiteiro vencedor foi o poder central. O grupo GPS negociou directamente com o poder central. No ano de 2004, passou de três para cerca de vinte escolas de acordo com o que é público.

- "Ao privado, pelo que sei, foi exigida a construção de uma segunda escola numa zona remota do concelho. Aquilo que o privado exigiu não sei, talvez o ensino secundário no Colégio das Caldas tenha sido uma das condições. Tudo isto me parece legitimo."

O secundário nunca foi discutido.

"Julgo que no momento de abertura do Colégio nas Caldas em 2005 a rede estava minimamente equilibrada. Pelo menos não houve vozes a contestar o contrário. Essas vozes apenas se começaram a ouvir em 2012."

Não foi assim. Como leu, desde 2001 que a escolas públicas concluíam em reunião de rede escolar pela necessidade de uma escola com segundo ciclo. Quem foi buscar os números de 2012 fui eu, e apenas para este post,

- "Se a rede deixou de estar equilibrada em 2012 então o Estado devia ter intervido no sentido de repor o equilíbrio, diminuindo turmas de forma equitativa entre o Colégio e as restantes escolas."

A rede deixou de estar equilibrada, fazendo terraplanagem de todos os estudos da rede, a partir do momento em que o CRDL passou a ter secundário (julgo que desde o início).

- " Penso que houve redução de turmas em todas as escolas, talvez não de forma equitativa. Mas repare, nenhum privado se dispõe a investir com um plano de negócios com maturidade de 7 anos. Não me parece coerente e equilibrado que se retirem todas as turmas ao Colégio, afinal de contas o Colégio cumpriu com as obrigações a que se propôs. O Estado deve ser uma pessoa de bem, não deve usar o privado apenas quando lhe convém. Ao contrário do que diz, não concordo que a Lei seja clara e objetiva. A Lei relativa a esta temática é de todo menos objetiva, julgo necessário perceber o espírito do legislador e ainda o histórico de aplicação."

A constituição é clara e a lei também. Os governos é que não a cumpriram uma coisa nem outra; como se provou.

- "Conheço bem o funcionamento das escolas do Estado, principalmente em termos financeiros, uma coisa lhe posso assegurar, as verbas que uma escola do Estado necessita para funcionar são muito superiores às que são transferidas para um privado em contrato de associação. Se a isso juntarmos as rendas da Parque Escolar (onde estas existem) mais evidente isso se torna."

Não é verdade. Os números são públicos e estão mais do que discutidos.

- "Ideologicamente as opiniões podem divergir, mas não deve deixar de se olhar para os números com objetividade."

É isso que tenho feito.

- "Evidentemente que podemos fazer multiplicações populistas e atingir valores de milhões para colocarmos em títulos de notícias. Bem se o privado recebe, penso que 80 mil euros por turma, se a escola tiver 30 turmas são 2,4 milhoões por ano letivo, se quisermos dar mais enfâse podemos multiplicar por vários anos letivos, por exemplo 7 anos, e atingimos 16,8 milhões de euros. Já temos um valor digno de cabeçalho de jornal."

Esgotaram os caracteres. Continua noutro.


De paulo prudêncio a 22 de Setembro de 2017 às 23:37
Os professores sabem bem disso.

- "Alguém questiona o orçamento do Ministério da Educação?
Alguém questiona os valores gastos na requalificação promovida pela Parque Escolar e se os fundos foram bem empregues?"

Procure no blogue. Fiz dezenas de posts sobre isso. Francamente. Por onde tem andado?

- "Em conclusão, é legitimo o Estado desperdiçar verbas desde que o benefício seja para os seus funcionários?"

Não percebo o que é que essa interrogação se relaciona com este post.

- "Nenhum monopólio é positivo numa sociedade livre e democrática".

Ora nem mais. E é muito discutível que a educação pública seja um negócio financiado pelo estado e com privatização de lucros e nacionalização de prejuízos.

- "Qualquer professor deve lutar em primeiro lugar pela justiça e pelo bem estar dos alunos e só depois pelos seus interesses pessoais. "

Ora nem mais. Olhe: o editor deste blogue defenderia mais os "interesse pessoais" se nunca tivesse publicado uma linha sobre o assunto. Mas não era a mesma coisa. Obrigado por comentar.

Atenciosamente.


De Carlos Matos a 23 de Setembro de 2017 às 19:03
Certamente conhecerá este documento: http://aerbp.pt/wp-content/uploads/2015/06/CG_RCG2014.pdf

Aliás, penso que a sua elaboração é obrigatória assim como a respetiva divulgação pública. Poucas escolas o promovem, desta escola apenas encontro o ano 2014 que serve para a análise.

Portanto, no Relatório e Contas do Agrupamento de Escolas Rafael Bordalo Pinheiro, para o ano de 2014 o total da despesa foi de pouco mais de 9 milhões de euros (9.026 464,76€) para um total de 86 turmas, o que resulta num valor de despesa por turma de sensivelmente 105 mil euros (104.958,90€).

Recordo que o valor turma em contrato de associação é de 80 mil euros.

Sinceramente não entendo que contas são feitas para sustentar que o ensino na escola pública é mais barato.

Esse grupo privado não aumentou para 20 e tal escolas apenas através de construção de novas escolas, a grande maioria foi através da aquisição de escolas já existentes. Esses dados também são públicos.


De paulo prudêncio a 23 de Setembro de 2017 às 19:58
Estava a referir-me ao documento do tribunal de contas. Também já se discutiu muito esse assunto.

Não disse o contrário de (aumentou, embora em muitos casos através de escolas já existentes) "Esse grupo privado não aumentou para 20 e tal escolas apenas através de construção de novas escolas, a grande maioria foi através da aquisição de escolas já existentes. Esses dados também são públicos."

Obrigado por comentar.


De mario silva a 27 de Setembro de 2017 às 00:19
"Qualquer professor deve lutar em primeiro lugar pela justiça e pelo bem estar dos alunos e só depois pelos seus interesses pessoais. "
Não é exclusivo dos professores e alunos; aliás, a afirmação mais correta deveria ser "Qualquer cidadão deve lutar em primeiro lugar pela justiça e pelo bem estar de todos e só depois pelos seus interesses pessoais."
Mas sabemos bem como a sociedade funciona...


De paulo prudêncio a 27 de Setembro de 2017 às 18:26
Ora bem.


comentar post

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Enfim. Parece Roma à beira do fim.
Insistentemente; nem mais.
e quantos mamões e mamonas nas últimas décadas que...
e são só os candidatos a prof?! Os horários zero q...
É lamentável.
Aqui no brasil, uma faculdade demitiu nesta semana...
Desde 2007 (mais ou menos) que Joseph Stieglitz ex...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
88 comentários
75 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676