Em busca do pensamento livre.
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

 

 

 

O actual ministro da Educação insiste na ideia das disciplinas essenciais. Sinceramente, não esperava voltar a ouvir um discurso desse teor. A invenção da roda está distante, mas é seguro que sem a forma circular os solavancos aumentarão o atrito e a ineficácia.

 

A concentração nas essenciais inscreve mais horas curriculares e exames, para além de mais horas de formação. Um governante pode achar que faltam horas de ensino aqui ou ali para uma determinada aprendizagem e que quer examinar essses saberes muitas vezes. Mas quando enuncia publicamente que o seu achamento divide as disciplinas em mais e menos, dá um péssimo sinal à sociedade e acrescenta ruído no ensino das achadas não essenciais. Recordo-me da ministra Lurdes Rodrigues e do seu chefe Sócrates. Tanto propalaram o descrédito dos professores que acabaram desacreditados. Pode ser que o essencialismo tenho o mesmo efeito.

 

(1ª edição em 18 de Novembro de 2011)



publicado por paulo prudêncio às 18:59 | link do post | comentar | partilhar

12 comentários:
De Fausto Viegas (Norte) a 18 de Novembro de 2011 às 22:05
Ganda texto, carago.


De paulo prudêncio a 18 de Novembro de 2011 às 22:26


De ana a 18 de Novembro de 2011 às 22:32
Contrariando Saint Exupéry, neste caso o essencial NÃO é invisível. Apenas o ministro da educação não o quer ver, por razões economicistas que mascara de aprendizagens essenciais... para não ter de fazer as malas e ir embora.
Sou professora de Língua Portuguesa/Português há 27 anos e continuo a acreditar que a eventual "overdose" da disciplina vai crescer na razão inversa do sucesso, por culpa das demais opções que se têm feito, nomeadamente a "imbecilização" dos programas curriculares ou a adulteração do que é fundamental ensinar/aprender para adquirir verdadeiras competências.


De paulo prudêncio a 18 de Novembro de 2011 às 22:40
É. "(...) Apenas o ministro da educação não o quer ver, por razões economicistas que mascara de aprendizagens essenciais (...)" mais a convicção num back do basics na versão demasiado conservadora.


De ramos silva pereira a 18 de Novembro de 2011 às 22:47
gosto de "Contrariando Saint Exupéry, neste caso o essencial NÃO é invisível."


De ana a 18 de Novembro de 2011 às 23:00


(Obrigada.)


De ana a 18 de Novembro de 2011 às 22:58
E a dita "convicção num back do basics" passa pela desvalorização da aprendizagem das línguas estrangeiras, por exemplo? Consta que Nuno Crato equaciona despir a 2ª língua do carácter obrigatório que é como quem diz eclipsá-la. A ser verdade, o "basics" remonta a que século afinal?
Nuno Crato está a inscrever o seu nome no passeio dos "famosos" que citou no post e depressa de mais! Só falta ter o mesmo destino.


De paulo prudêncio a 18 de Novembro de 2011 às 23:05
Há tempos, no post http://correntes.blogs.sapo.pt/1205200.html , escrevi assim :"O actual ministro da Educação diz que o sistema escolar se deve concentrar nas disciplinas essenciais. Pois bem. Discuta-se o conceito. É comum dizer-se que os defensores do back do basics (ler, escrever e contar) são conservadores. Há, contudo, uma corrente cada vez mais forte que os coloca no lugar dos progressistas porque remete a supressão no que existe para inutilidades como a má burocracia e os inoperantes procedimentos de gestão escolar. "


De Isabel a 19 de Novembro de 2011 às 09:47
Para este ministro, o essencial é mesmo reduzir, reduzir, reduzir.
Mais um a maltratar as Humanidades que tanta falta fazem. E como temos constatado isso!
Mais horas letivas não adianta, quando sabes que os alunos têm um botãozinho que desliga quando o prazo do seu poder de concentração expira. E cada vez esse prazo é mais curto. Apesar da minha experiência ser com crianças do 1º ciclo, penso que nos ciclos imediatamente a seguir se passa o mesmo.
E como sempre, tenta-se dar solução aos problemas sem analisar as causas. E elas estão à vista.
É difícil, quando se vê só números.
Também, quando se exige que a escola resolva os problemas sociais das famílias, mesmo que isso prejudique as aprendizagens, é caminhar pelo caminho mais fácil, mas que duvido que seja o mais “barato”.
Todas as disciplinas são necessárias. O que não é necessário é os miúdos passarem tanto tempo na escola.


De paulo prudêncio a 20 de Novembro de 2011 às 17:53


De Isabel X a 19 de Novembro de 2011 às 13:50
Para Oscar Wilde, o superfluo era absolutamente essencial.
- Isabel X -


De paulo prudêncio a 20 de Novembro de 2011 às 17:53


comentar post

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Não vi. Mas fui agora pela box e lá está a confirm...
“A carreira dos professores é mais generosa do que...
Bem: até pode ser mais prolongado no tempo se for ...
O que impressiona, é que apenas se devassa e escru...
considero que só há uma saída airosa: os professor...
e quem são os que estão dependentes de vagas decid...
considero que só há uma saída airosa: os professor...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
88 comentários
75 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676