Em busca do pensamento livre.
Terça-feira, 30.08.16

 

 

 

Enuncia-se um suposto rigor na rede escolar e na distribuição do serviço docente, mas a histórica desorganização do Estado, e principalmente a malfadada ocupação dos serviços centrais e locais por "girls & boys", fica todos os anos espelhada no seguinte:

"Respeitar os professores é dar-lhes tempo para fazerem as malas...é um post muito certeiro do Alexandre Henriques do blogue ComRegras.

 

394504_189644917835470_91333175_n.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 13:44 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 29.08.16

 

 

Milhares de professores esperam que hoje, 29 de Agosto, se publiquem as listas de colocações na Mobilidade Interna e na Contratação Inicial. O site respectivo já está incomunicável para adensar o clima.

Se assim acontecer, a aceitação da colocação terá de ser feita até ao dia 31 de Agosto (48 horas) e a apresentação até ao dia 1 de Setembro (72 horas). Se as listas forem publicadas amanhã, os prazos indicados avançam, obviamente, um dia; e assim sucessivamente em dias úteis porque os outros são inúteis :).

Recorri ao desenho que publico há uns anos por esta altura.

 

cartoon.jpg

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 10:44 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

Respeitar os professores é dar-lhes tempo para fazerem as malas...

 

"(...)Quando se fala em colocações a 28, 29, 30 ou 31 de agosto – e já nem falo na obscenidade cometida em 2014, quando as listas foram publicadas a 9 de setembro – estamos a falar de uma margem ridícula para encaixotar parte de uma vida e partir. Para trás fica sempre uma despedida difícil e os quilómetros que se galgam ficam marcados pela pergunta… “Valerá a pena tudo isto?”(...)"



publicado por paulo prudêncio às 10:00 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 28.08.16

 

 

Rams_2015_film_poster.jpg

 

 

É desconcertatnte o filme do Islandês Grimur Hákonarson que está no Nimas, em Lisboa. Desde os eternos conflitos entre progressistas e conservadores até aos duelos entre avanços da ciência e identidade cultural, e passando pelas mais diversas contradições no exercício da cidadania e na condição humana, Carneiros é uma obra cinematográfica imperdível.

 

No Público:

"Título original: Rams; De: Grímur Hákonarson; Com: Sigurður SigurjónssonTheodór JúlíussonCharlotte Bøving; Outros dados: NOR/DIN/POL/Islândia, 2015, Cores, 93 minutos.
Nascidos numa aldeia islandesa, os irmãos Gummi e Kiddi são criadores de ovelhas, tal como as várias gerações que os precederam. A sua rivalidade é lendária. Há mais de 40 anos que, por um motivo que já ninguém recorda, não dirigem palavra um ao outro. Um dia, é diagnosticada uma doença contagiosa a uma ovelha pertencente a uma quinta das redondezas. As autoridades optam por abater todos os animais que possam ter tido contacto com o agente infeccioso. Determinado a não seguir as regras, Gummi elabora então um plano de fuga para salvar os seus animais. Mas, para que isso se torne possível, terá de engolir o orgulho e pedir ajuda ao seu irmão.
Com realização e argumento de Grímur Hákonarson, "Carneiros" foi apresentado no Festival de Cinema de Cannes, onde recebeu o prémio Un Certain Regard. Os actores Sigurður Sigurjónsson e Theodór Júlíusson são os protagonistas."
 
 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:05 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 27.08.16

 

 

 

Subida de impostos, desemprego em números inéditos, cortes a eito em salários e pensões durante anos a fio, carreiras (de professores, por exemplo) há oito anos congeladas, pessoas, sem acesso aos quadros, com dez a vinte anos sucessivos de contratos anuais, emigração em massa à procura de salários que permitam viver, quebra populacional, precariedade e insegurança profissional que atinge principalmente os jovens adultos e por aí fora. Há explicações? Encontrei uma com sentido de Pedro Pais de Vasconcelos que podíamos multiplicar por todo o arco governativo e pelos diversos bancos; depois é fazer contas até mais de 20 mil milhões de euros "desaparecidos". Era o tal pântano?

 

"CGD: quando eu Presidia ao seu Conselho Fiscal, a Caixa, sozinha, valia mais do que o resto do sistema bancário. O governo de Guterres extinguiu o Conselho Fiscal por Decreto-Lei.
O resultado foi a sucessão de grandes operações de financiamento a clientes especiais que não vieram a pagar, mas a quem também ninguém tem vontade de cobrar.
Tanto a concessão de crédito como a sua não cobrança merecem ser investigadas, é tão fácil...
E, depois de investigadas, deve ser feitas duas coisas: castigar exemplarmente os responsáveis e cobrar os créditos com a mesma energia que usam quando cobram sobre as pobres famílias que ficam sem casa.
Porque é que ninguém cobra o crédito da Caixa sobre o Berardo? E quem é que propôs em Conselho a sua concessão e quem é que no mesmo Conselho votou a favor.
Alguém que responda, por favor."

naom_506a9493dfb6e.jpg

 

 

Adenda com vídeo com declarações de Miguel Sousa Tavares:

"Muitos dos piores negócios da Caixa foram feitos sob égide de administrações nomeadas pelo PSD".



publicado por paulo prudêncio às 16:47 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 26.08.16

 

 

 

A falência da banca portuguesa obedece a uma precisão suíça: desde 2007 que é um por ano para não tornar "impossíveis" os orçamentos rectificativos. Nos anos mais recentes, o ritmo anual registou o BPN, seguiu-se o BES, depois o Banif, agora a CGD e parece que se adivinha o Montepio. É uma espécie de relógio suíço, quiçá em homenagem à nação neutra que não se limita a lavar vil metal: seca, lava a seco, engoma e faz entregas ao domicílio. Nem a tal de FIFA conhece qualquer obstáculo. É o modelo chuva que se vê na imagem. Talvez seja um modo prospectivo, mais amigo do ambiente, de tratar os trajes.

 

ja56.jpg



publicado por paulo prudêncio às 21:39 | link do post | comentar | partilhar

 

 

Captura de Tela 2016-08-26 às 11.19.35.png

 

 

Um leitor que chegou ao Correntes por "mote próprio", às 08h57 do dia 26 de Agosto de 2016, é o visitante 2 milhões (no Apollofind) desde 2012 como se vê na imagem acima e na coluna direita do blogue. Há cerca de quatro anos troquei o contador Sitemeter pelo Apollofind. Tenho pena de não ter um contador para estes mais de 12 anos. Seria curioso analisar os fluxos e as audiências. Como se vê na imagem seguinte, não registo o IP dos visitantes nem sequer a localização. Sei como é que chegam ao blogue (com dia e a hora) e registo o critério de pesquisa no caso de terem googlado.

 

Obrigado a todos por passarem por aqui.

 

Captura de Tela 2016-08-26 às 11.18.18.png

 



publicado por paulo prudêncio às 11:43 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 25.08.16

 

 

 

Estive umas semanas sem telejornais e regressei ontem: abertura com a tragédia em Itália e com a violência juvenil que envolveu dois iraquianos filhos de embaixador. No segundo caso, impressiona a força de um petróleo diplomático acima da lei num país devastado pela violência.

 

Mas vi dois momentos de humor irresistível: Passos Coelho (PSD) e Mota Soares (CDS) irados com o caso CGD, mais propriamente com duas reduções: trabalhadores e actividade da banca pública; e Horta Osório: será uma espécie de Bava do Lloyd´s às aranhas com a reputação? Querem ver que também foi muito premiado no modelo Super Bock Prémio Dourado e que o banco está a afundar-se. Esteve uns dias a trabalhar no Oriente e apresentou despesas, profissionais que passam a pessoais numa trapalhada no modelo Galp Lusitano, de 3800 euros em massagens.

 

Só faltava uma notícia a anunciar a regulamentação que se segue, no jeito desastroso dos burkínis.

 

cartoon1.png

Cópia de cartoon1.png

Cópia 2 de cartoon1.png

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 12:15 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 24.08.16

 

 

 

O DN destaca "que nunca houve tão poucos professores a pedir a reforma" e identifica as causas: aumento da idade da reforma para os 66 anos de idade e fortes penalizações para as reformas antecipadas. Num grupo profissional que se reformava entre os 56 e os 58 (52 no pré-escolar e 1º ciclo), e com 35 anos de serviço, existia um sistema justíssimo de redução da componente lectiva com a idade que foi "precarizado" em vez de consolidado. Resultado: temos um corpo docente envelhecido e exausto (há inúmeras escolas em que os mais jovens têm mais de 40 ou 50 anos de idade) e um desemprego jovem altíssimo.

 

Numa altura em que regressa, e muito bem, o ensino nocturno, ouvi uma história lapidar. Quem foi docente nesse nível beneficiava de fortes reduções para compensar o horário tardio. Por outro lado, a redução de alunos nessas turmas, e o ambiente relacional adulto e descontraído, provocava muito menos desgaste. Mas vamos à história. Um ex-presidente de Conselho Executivo e um vereador da Educação declararam em uníssono: é inadmissível que os professores tenham reduções com a idade; ninguém trabalha 16 horas por semana. A plateia, onde estavam professores, ficou perplexa, mas esclarecida quando se percebeu a experiência dos dois "conferencistas". Leccionaram exclusivamente, e durante anos a fio, no ensino nocturno antes de ocuparem os tais cargos: o primeiro esteve cerca de 20 anos no cargo (sem turmas) e o segundo assumiu funções há menos de dez, mas, pelos vistos, encarnou de imediato o espírito dinossauro. Assim não vamos lá, realmente.

 

Captura de Tela 2016-08-24 às 17.35.01.png

 



publicado por paulo prudêncio às 17:35 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 23.08.16

 

 

 

É difícil uma classificação assim ("Mulholland Drive, de David Lynch, foi escolhido como o melhor filme do século XXI por uma votação, promovida pela BBC Culture, de 177 críticos de cinema de todo o mundo (de todos os continentes menos a Antárctida, como sublinham os editores da BBC que organizaram o inquérito juntando 36 países)"), mas Mulholland Drive (2001) é genial. Vi-o a primeira vez no King, em Lisboa. Fiquei fascinado. Lembro-me que viemos a viagem toda a discutir a complexidade do filme com uns amigos. Se me permitem, é uma obra do nível de "Eyes wide shut”", de Stanley Kubrick; e não só por serem temas semelhantes. Aliás, o filme de Kubrick ficou prejudicado com a morte do realizador com a montagem por concluir.

 

O trailer de Mulholland Drive.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 23:33 | link do post | comentar | partilhar

 

 

A última página do Público de ontem trazia uma frase de Michael Jordan. Não tenho a certeza se a rubrica tem exactamente esse nome (escritos na pedra) e não me apetece confirmar. Já a frase do lendário jogador de basquetebol, que pode ser lida como uma "frase de motivação" (já a publiquei em tempos), é interessante; mais ainda num pós-olimpíadas.

"Errei mais de 900 arremessos na minha carreira. Perdi quase 300 jogos. 26 vezes fui escolhido para fazer o arremesso final e falhei. Falhei vezes e mais vezes na minha carreira. E foi por causa disso que me tornei um vencedor."

 

b686be01d1a301f2eacc015bf906e7db.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 22:18 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 22.08.16

 

 

 

 

Impressiona, em acontecimentos recentes, a pressa com que se pretende escrever a história com um revisionismo risível. A eliminação, ou adulteração, da memória tornou-se um hábito. Imagine-se, então, o que poderá acontecer quando tratamos o passado mais longínquo. É muito interessante a entrevista da revista do Expresso (20 de Agosto de 2016) a Sanjay Subrahmanyam - "considerado um dos grandes historiadores indianos e - pasme-se - um especialista sobre a presença portuguesa na Índia(...)" -. A passagem que vai ler (página 54) dá que pensar se a relacionarmos com a quebra no número de jovens historiadores ou com a importância da documentação da memória através da interessante proliferação de meios.

"Um historiador não tem de acreditar na memória, tem de jogar contra ela para ver como é construída, porque muitas vezes a memória é falsa."

 

encantador de serpentes3.jpg



publicado por paulo prudêncio às 17:28 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 21.08.16

 

 

  

Fotografei este rinoceronte (uma bela escultura) em Agosto de 2013 nos jardins da Gulbenkian. Tem uns amarelos que não se vêem bem (o corno, uma sela de "cavalo" no dorso e outros detalhes). Já se sabe: o rinoceronte tem uma reduzida visão periférica e quando aponta é difícil corrigir a trajectória; nem sequer vai a tempo de emendar um erro. Neste caso, está parado, "enjaulado" numa selva urbana e pronto a ser cavalgado. Que destino, realmente.

 

15595767_4yYyr.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 17:19 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 20.08.16

 

 

 

v.php.jpeg

  

"Assim, sim. Vejam que o treinador dos USA vira a prancha para os jogadores", elogiou o comentador RTP. Intrigou-me o nonsense. Será que o comentador, que também é treinador, está habituado a pranchas viradas para o próprio? Não direi que os treinadores de basquetebol usam pranchas desde que James Naismith (1891) inventou o jogo, mas o apoio terá, seguramente, mais de 40 anos. Como se vê na imagem, elogiar o virar da prancha para os jogadores é tão risível que nem o próprio Mike Krzyzewski, o Coach K dos dream team, deixaria de sorrir de espanto. Só na RTP1. Passar jogos em diferido sem informar os espectadores, e com comentários do outro mundo, é, realmente, serviço público. 



publicado por paulo prudêncio às 19:17 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 19.08.16

 

 

 

 

1314_showcase_project_detail_item.jpeg

William Snyder

 



publicado por paulo prudêncio às 20:10 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

 

IMG_0249.jpg

 

Catedral de Oviedo. Agosto de 2016.

 



publicado por paulo prudêncio às 18:06 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

"Assim vai o mundo" é a primeira ideia que me aparece ao passar os olhos pela notícia. O entre aspas era o título de um pequeno documentário que antecedia os filmes nas salas de cinema do século passado. "Assim vai o mundo" - e acrescente-se - em modo casino com as fichas substituídas pela vida de milhões de pessoas.

 

Captura de Tela 2016-08-19 às 12.51.29.png

 



publicado por paulo prudêncio às 12:52 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 18.08.16

 

 

 

  

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 20:50 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

A troika e as avaliações, os fanatismos ideológicos, o casino financeiro, os offshores, os paraísos fiscais também, e há muito, instalados em países europeus, o experimentalismo a que sujeitaram Portugal, a febre dos mercados e os jogos de sombras que capturaram o orçamento do Estado são algumas das razões que transportaram a manipulação para um auge.

 

Por mais que os mentores confessem erros, não existirá desculpa histórica. O prolongamento da crise de 2008 reforça a responsabilidade e as consequências desastrosas tornam-na inapelável.

 

Recordo as 10 estratégias de manipulação enunciadas por Noam Chomsky. Publico as 4 primeiras.

 

"1. A estratégia da manipulação. O elemento primordial do controlo social é a estratégia da distracção que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e económicas, mediante a técnica do dilúvio ou a inundação de contínuas distracções e de informações insignificantes. A estratégia da distracção é igualmente indispensável para impedir que o público manifeste interesse pelos conhecimentos essenciais na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. "Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar".

 

2. Criar problemas e depois oferecer soluções. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o mandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise económica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.

 

3. A estratégia da gradação. Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradativamente, a conta-gotas, por anos consecutivos. É dessa maneira que condições sócio-económicas radicalmente novas foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990: Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram empregos decentes, tantas mudanças que haveriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.

 

4. A estratégia do diferido. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é sentido imediatamente. Em seguida, porque o público tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que "tudo irá melhorar amanhã" e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se com a ideia de mudança e aceitá-la com resignação quando chegue o momento."

 

media-spoonfeeding-cartoon.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 18:30 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 17.08.16

 

 

 

 

Não aprecio multidões e há muito que perdi a paciência para estádios. Encontrei uma passagem interessante sobre essa "fuga" que "homenageia" o saltador francês (Renaud Lavillenie, medalha de bronze no salta à vara do Rio2016).

 

17277041_ur8rA.jpeg

 

DeLillo, Don (2010:94). "Submundo". Sextante Editora. Lisboa.



publicado por paulo prudêncio às 20:39 | link do post | comentar | partilhar

 

 

Precisamos de mais escola a tempo inteiro ou de sociedade democratizada a tempo inteiro? Em 2014, 11 mil alunos reprovaram no 2º ano (números chocantes) e o insucesso subiu em todos os anos.

 

19289416_bCtRq-1.png

 



publicado por paulo prudêncio às 19:40 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 16.08.16

 

 

 

 

A Casa das Histórias Paula Rego, desenhada por Souto Moura, consolida-se como um espaço obrigatório.

 

image.jpeg

 

As oito salas - são nove, mas a sala zero recebe obras de pintores influenciados por Paula Rego - apresenta a exposição Old Meets New (Paula Rego). O encontro de perdição começa com o tríptico "família" que pode ver de seguida.

 

image.jpeg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 23:17 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

 

1068660.jpeg

Cópia de 1068660.jpeg

  

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 11:56 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 15.08.16

 

 

 

 

A localização do auditório de ar livre, a poucos metros da marginal de Cascais, é privilegiada. A noite estava quente, de céu limpo e estrelado, e com algum vento. Richard Galliano, uma lenda viva, e Sylvain Luc já brilhavam. Até o som do vento que agitava a abundante vegetação parecia orientado pelos músicos. Três pessoas sentadas a meu lado, duas mulheres e um homem entre os 40 e os 50, não largavam os telemóveis. À terceira música percebi que jogavam o tal de Pokémon Go (nem assim me despertou a curiosidade). Tiveram um momento alto: disputaram a caça de um alojado debaixo da cadeira da frente. De gatas, num eufórico silêncio, a mulher mais próxima foi, ao que percebi, a triunfadora daquele alvo virtual. Ainda fiquei com uma dúvida: seriam mais uns bilhetes Galp?

 

imrs.php.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 14:49 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 14.08.16

 

 

 

 

Li uma entrevista, dada com desassombro, de quem vai coordenar o perfil do aluno no final do 12º ano.

 

Lembrei-me deste post.

 

Começa assim:  

 

A febre reformista no sistema escolar em Portugal não é nova: é mesmo imparável. O que é engraçado, e com o passar do tempo, é que vemos recuperar ideias antigas como se de grandes novidades se tratassem. Parece um percurso circular.

Escrevia, algures em 1998, uns textos para uma revista sobre educação e o coordenador pediu-me que inscrevesse algumas ideias sobre o assunto. Lembrei-me dos remédios. Fui ler a literatura do “Benuron” - medicamento para todas as dores e para todas as maleitas gripais e constipais - peguei no seu modelo organizativo e fui andando. Foi uma noite bem passada. Quase 16 anos depois, e aproveitando as competências do blogue, publico-as de novo. Só dois detalhes antes de começar: se em 1998 era possível este grau de má burocracia e eduquês, não é de admirar que com mais 17 anos intensivos isto tivesse chegado a este estado.

 

Republico apenas o perfil do aluno. Para os restantes medicamentos terá que ir ao original no link referido.

 

0000s43c.jpeg

 

 

Perfil do aluno. 

Registo da patente: equipa coordenadora dos programas escolares na reforma Roberto Carneiro em 1989. 

Composição: registo preciso e rigoroso do estado do produto aluno somados x anos de laboração. 

Indicações terapêuticas: impede desvios acentuados nos complexos processos de apreciação global dos alunos; facilita a criação de mecanismos rigorosos de análise transversal do desempenho de humanos sujeitos ao agressivo contexto escolar. 

Contra-indicações: pode provocar ligeiras dores de cabeça quando verificada a sua articulação com os programas escolares das disciplinas dos anos terminais de ciclo. 

Precauções especiais de utilização: não deve ser aplicado a alunos muito curiosos nem aos que se posicionem de frente ou de costas. 

Prazo de validade: um ciclo escolar, precisamente.



publicado por paulo prudêncio às 12:44 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 13.08.16

 

 

 

 

"(...)A História distingue-se da Pré-História quando começou a haver informação escrita. Acho que daqui a 100 anos as pessoas vão olhar para trás e dizer que até ao segundo milénio estávamos na Pré-História. O que sabemos dos gregos é o que Heródoto e mais alguns escreveram. Mas só agora estamos finalmente a registar tudo e vai ser possível compreender muito melhor o presente.(...)"

 

 

Pedro Domingos, Revista do Expresso

de 13 Agosto de 2016:23

Autor de "The Master Algorithm"

 



publicado por paulo prudêncio às 17:55 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

 

 

 

 

 

Mais logo; Parque Palmela; Cascais



publicado por paulo prudêncio às 10:01 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 12.08.16

 

 

 

 

Aproximava-se a independência de Moçambique quando fiz uma visita que guardo em lugar seguro.
Integrei uma selecção que representava a futura nação. Percorremos as principais cidades e realizámos jogos de basquetebol integrados nos festejos. O dia 25 de Junho de 1975 foi eleito para o momento mais esperado: descerrar a bandeira portuguesa e substitui-la pela moçambicana. A delegação era chefiada por um guerrilheiro da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), o generoso Cariquirique.
O 25 de Junho coincidiu com o intervalo da digressão. Três dias de descanso e contemplação na belíssima Gorongosa, no centro do país: uma extensa e deslumbrante savana, onde se convivia com animais que povoavam os nossos imaginários.
 
 
 
 
 
 
Encontrei um belo vídeo que nos conta a história de duas das suas guardiãs.

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 09:56 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 11.08.16

 

 

 

O Paulo Guinote escreveu um parágrafo muito certeiro:

 

"(...)Está por fazer o cálculo completo dos que abandonaram a profissão nessa mesma década, por aposentação ou rescisão, voluntariamente, mesmo com elevados cortes na remuneração, só para fugir ao manicómio em que se transformaram algumas escolas a partir do momento em que o discurso da add meritocrática e titularizada se impôs e passámos a ter a única profissão cronometrada fora do desporto. Curiosamente, com o apoio de gente que defende muita liberdade pedagógica e salas sem portas ou paredes."

 

Será que os opinadores e comentaristas não sabem que as carreiras estão há mais de oito anos congeladas e que há milhares de professores com salários líquidos pouco acima dos 1200 euros que não beneficiam de qualquer reposição salarial? O que a actual execução orçamental começa a comprovar é que não há qualquer caos com a redução de impostos para pequenos empresários e com a reposição de salários e pensões. Mas isso não esconde o que falta fazer e o Governo sabe-o muito bem. Para além disso, as imagens alojam-se e inscrevem os acontecimentos mais significativos que continuam por reverter: anos a fio com a avaliação do desempenho kafkiana (salva-se a inutilidade), mais turmas com mais alunos em horários ao minuto, inutilidades horárias, hiperburocracia, espectro de horário zero até para professores com mais de cinquenta anos e mais de trinta anos de serviço, professores contratados com anos a fio de serviço e megagrupamentos com um modelo de gestão "impensado" que transportou a partidocracia para dentro das escolas. É natural que a indignação cresça quando se apela ao silêncio.

 

(Este parágrafo não é inédito, mas a repetição é um dever. Reescrevi-o.)



publicado por paulo prudêncio às 11:05 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 10.08.16

 

 

 

Existem locais que resistem ao tempo. Aldán, na Galiza, um porto piscatório do outro lado de Vigo, realiza o conceito de resiliência. Tem praias perto, mas não é um lugar de veraneio. O pequeno porto mistura a actividade piscatória com embarcações de recreio. Pode-se alugar um passeio pelas rias baixas.

 

Não era fácil dar com o lugar, mas hoje não é assim. Quem circula pela autopista que liga Vigo a Pontevedra, deve sair na direcção de Cangas logo a seguir à ponte de Vigo. Depois é seguir as placas: Cangas, Bueu e Aldán. Tudo em autovia sem portagens.

 

Qual é a magia de Aldán? A localização, sempre com ampla vista para o mar, e o silêncio enriquecido pelo som das gaivotas ou dos barcos dos pescadores. Apreciar a actividade do porto e fazer caminhadas pelas redondezas são outros modos de aproveitar o tempo. Mas Aldán tem dois factores imbatíveis: uma pousada e um restaurante.

 

A Casa de Aldán é um privilégio que se requinta com o passar do tempo.

 

01.jpg

 

 

 

02.jpg

 

 

03.jpg

 

O restaurante é uma tasca de peixe e marisco. Tem uma carta com uma dezena de soluções. Está sempre com lotação esgotada. É tudo fresco, grelhado na brasa ou cozinhado no vapor e a preços inacreditáveis. Para se ter uma ideia, os mexilhões, e que mexilhões, que verá nas imagens seguintes são a 4,5 euros e as navalhas, e que navalhas, a 6 euros. Sardinhas, e que sardinhas, a 1 euro cada e por aí fora.

04.jpg

 

 

05.jpg

 

 

06.jpg



publicado por paulo prudêncio às 13:57 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 09.08.16

 

 

 

A razia na escola pública foi descomunal de 2004 a 2015; 42 mil professores "desaparecidos", três quartos durante a troika. O "desaparecimento" de professores contribuiu, mas de modo mais do que cimeiro, para que alguns políticos se pavoneassem como disciplinadores financeiros. A tragédia é olhada de diversos ângulos pelos OCS. Mas há algo "incompreensível". As causas injustas do maior despedimento colectivo da história mantêm-se (detalharei noutro post) e a plataforma de sindicatos pede silêncio. Para os que dizem que os professores são instrumentalizados por sindicatos, os números vão provando que, e apesar da plataforma de sindicatos, os professores conseguiram evitar números ainda mais brutais derrubando silêncios e entendimentos.

 

Captura de Tela 2016-08-09 às 15.12.14.png

 



publicado por paulo prudêncio às 15:12 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

 

 

 

 

"Querem ver que vai ler a carta toda". Levantou-se e saiu.

 

A cena passou-se no saudoso cinema King, em Lisboa, ao fim da primeira hora do bom filme "A carta" de Manoel de Oliveira. Éramos uma dezena de espectadores e já estávamos reduzidos a metade. 

 

Não aprecio comentários nas salas de cinema, mas este foi inesquecível. Uma freira recebeu uma carta no seu quarto do convento. Já íamos com uns minutos num plano inamovível, a carta tinha umas quantas folhas e o saturado espectador tinha razão: leu a carta toda.

 

2ª edição. Reescrito.

 

17812639_Zf8Gd-1.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 10:49 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 08.08.16

 

 

 

 

"Vida e morte do sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação" é o título de um livro de Diane Ravitch, ex-secretária de Estado na administração do Bush mais crescido; bem à direita, portanto. A ex-governante tem outra obra fundamental, "Reign of Error: The Hoax of the Privatization Movement and the Danger to America's Public Schools" (qualquer coisa como: o reinado do erro: A farsa do movimento de desestatização e o perigo para as escolas públicas da América). 

 

Na primeira obra citada,

"(...)Diane Ravitch expõe de forma acessível e detalhada a evolução das reformas de mercado no sistema escolar dos Estados Unidos nas últimas décadas, criticando os seus pressupostos ideológicos e denunciando os seus resultados, que contribuíram para agravar a crise da educação pública americana.(...)A autora adota uma postura sincera e corajosa ao rever as suas posições e admitir que as soluções de mercado não estão alcançando as melhorias esperadas no desempenho dos alunos. Os EUA permanecem estagnados em avaliações nacionais (Naep) e internacionais (Pisa).3 Para além dos números, a crítica mais fundamental de Ravitch é que essas soluções de mercado estão erodindo os valores públicos e a própria educação pública, que ela advoga como uma instituição essencial para a democracia e para a constituição de uma nação economicamente forte e repleta de oportunidades. Ela manteve sua posição em defesa da escola pública e das referências curriculares. Permanece endossando que o sistema educacional defina claramente seus objetivos, através de um currículo rico e coerente que englobe uma formação abrangente, além das habilidades básicas, que têm sido o alvo restrito dos testes atuais. No início do livro, ela analisa como as novas reformas se distanciaram dessa preocupação fundamental com o currículo e passaram a acreditar que mudanças na gestão e na estrutura do sistema seriam prontamente a solução para os problemas da educação. Os princípios empresariais de gestão e contratação de profissionais, escolha, recompensas e punições para incentivar a força de trabalho, decisões e metas baseadas em um bom sistema de dados, passam a ser soluções por si mesmas, negligenciando as dimensões pedagógica e política da educação.(...)"



publicado por paulo prudêncio às 18:46 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

 

1066877.jpeg

Cópia de 1066877.jpeg

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 10:37 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 07.08.16

 

 

 

 

Os jogos são transmitidos pela RTP e pelos canais desportivos pagos. Leio críticas à programação que "deixa para os pagos as melhores transmissões". Não vou confirmar, mas é provável que discordaria. Percebe-se a imensidão de transmissões e a dificuldade em tratar todos os desportos da mesma forma. É esse o espírito olímpico e vou ficar pela RTP. Quem não tem relações privilegiadas com as GALP´s, fica pelas televisões (é risível saber que a empresa de petróleos ofereceu bilhetes para jogos de futebol). Nem sei se o escândalo da silly season lusitana estará a influenciar as audiências in loco dos jogos tal a generalização de bancadas vazias; ou com mais precisão ainda: os melhores lugares sem clientes. É um hábito antigo oferecer viagens e bilhetes para convidados. Ainda há dias uma recepcionista se admirava por pagarmos um hotel com cartão de débito e por termos apenas uma preocupação com a factura: que o hotel não fuja aos impostos. A recepcionista lá confessou: as facturas são quase todas pagas por grandes empresas. O gráfico seguinte explica alguns deslumbres e a tentativa de reposição de hábitos?

 

Captura de Tela 2016-08-07 às 14.15.14.png

 

Gráfico daqui



publicado por paulo prudêncio às 14:12 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 06.08.16

 

 

 

A imagem seguinte é de uma Praza Miguel de Cervantes, em Santiago de Compostela, em homenagem ao inigualável, e incansável, combatente de moinhos de vento. É uma Praza pequenamovimentada e com um busto do genial criador de "D. Quixote" ao centro.

IMG_0263.jpg

Se nos aproximarmos da placa com o nome da Praza encontramos outras, que se "sobrepõem" à de Cervantes, que têm uma curiosa associação que foi determinante para o escritor que muitos consideram o autor do primeiro romance moderno e seguramente um importante clássico de toda a literatura e, obviamente, da "língua de Cervantes". Repare-se então na associação em forma de interrogação: o idioma que nos calha em sorte é uma loteria determinante para as romarias da vida?

Cópia de IMG_0263.jpg

 

 



publicado por paulo prudêncio às 15:18 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

 

15211904_NsdN5.jpeg

 Quino



publicado por paulo prudêncio às 09:57 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 05.08.16

 

 

 

 

Na imprevisibilidade do comportamento da Massa, a "segurança" aconselha a não constituição e muito menos o aumento.

 

"(...)Nada o homem receia mais do que ser tocado pelo desconhecido. Uma pessoa quer ver aquilo que lhe toca, quer ser capaz de o reconhecer ou, pelo menos, de o situar. Em toda a parte, o homem evita ser tocado pelo desconhecido. Sobretudo de noite ou no escuro, um contacto inesperado pode levar o susto a transformar-se em pânico. Nem mesmo a roupa garante segurança suficiente, já que é tão fácil rasgá-la, já que é tão fácil penetrar até à carne nua, macia e indefesa do agredido!

Todas as distâncias que os homens criaram em seu redor foram ditadas por esse receio de contacto. As pessoas encerram-se em casas, nas quais ninguém pode penetrar, e só dentro delas se sentem mais seguras.(...)É só na massa que o homem se pode libertar desse receio de contacto. É a única situação em que esse temor se transforma no seu contrário.(...)"

 

Canetti, Elias, (2014:13,14). "Massa e Poder". Cavalo de Ferro. Lisboa.



publicado por paulo prudêncio às 09:49 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 04.08.16

 

 

 

 

"Já não suporto arrependidos. Principalmente os repetentes. São oportunistas que mudam de navegação ao sabor das circunstâncias." Percebi a indignação e concordei com o essencial. O processo troika será um caso para estudo.


tags:

publicado por paulo prudêncio às 09:44 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 03.08.16

 

 

 

Rilke já nos avisara para a possibilidade terrível dos anjos. Salvador Dalí transformou-os em borboletas, um símbolo da mafia tatuada nas costas dos elementos. A intemporal premonição de Dalí (Os anjos transformam-se em borboletas) está patente no Museu de Belas Artes de Oviedo.

image.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 14:24 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
comentários recentes
Enfim. Mas deve estar tudo documentado, ou também ...
....se encontrares alguém que te responda, Paulo, ...
É um assunto que requer tempo. Voltarei noutra alt...
Para finalizar, é notório que a tutela sempre quis...
Talvez seja melhor fazer uma leitura com um exempl...
Pedir a diminuição da componente letiva para os "m...
:) Talvez lendo a entrevista toda se perceba melho...
posts recentes

Outro desenho intemporal ...

Os professores e a saga d...

da blogosfera - ComRegras

Carneiros (Rams)

Enquanto se caçam Pokémon...

ligações
posts mais comentados
tags

agrupamentos

além da troika

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

banda desenhada

bartoon

blogues

caldas da rainha

campanhas eleitorais

cartoon

cinema

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

crise mundial

crónicas

democracia mediatizada

desenhos

direito

direitos

economia

educação

efemérides

escolas em luta

escolas privadas e cooperativas

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

finanças

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

mais do mesmo

manifestação

movimentos independentes

música

organização curricular

paulo guinote

política

política educativa

portugal

professores contratados

público-privado

queda de crato

queda do governo

rede escolar

sociedade da informação

tijolos do muro

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1)

sua excelência e os númer...

sua excelência (2) (reedi...

sua excelência (1) (reedi...

subscrever feeds

web site counter
Twingly BlogRank
arquivo
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676
mais sobre mim